Browsing Category

Experiência

1 em Comportamento/ Convidadas/ Experiência no dia 25.08.2017

Quem sou eu nesse novo país?

Eu já falei um pouquinho sobre os desafios de morar fora, desmistificando o “nossa, que foda que você mora fora”. É foda mesmo: além de ter que reaprender tudo, a parte mais difícil é reconstruir quem você é.

Pode ser uma grande oportunidade caso você esteja precisando se reencontrar e reconectar. Mas não era o meu caso. Eu estava muito bem e feliz no Brasil e mudei por amor – literalmente.

Logo que cheguei comecei a batalhar para encontrar um emprego. Me inscrevi em muitas vagas. Na minha primeira entrevista, o primeiro baque. No Brasil sempre fui muito tranquila pois tinha confiança e orgulho do meu trabalho e acreditava de verdade que podia realizar aquilo que estava me candidatando. Ao chegar na minha primeira entrevista em Londres quase desisti nos primeiros 15 minutos. Éramos uns 30 numa sala para uma dinâmica de grupo. Todos qualificados, todos falavam várias línguas, todos moravam em Londres fazia tempo e tinham experiências locais. Eu, recém chegada, fiquei acuada, nervosa.

Internamente eu sabia que podia passar, mas externamente eu me sabotei. Uns dias depois fui dispensada do processo seletivo por email. Pedi um feedback e a resposta foi que eu não era comunicativa, era envergonhada, não tomava iniciativas e não assumia riscos. Logo eu, que falo pelos cotovelos, nunca tive vergonha de nada e tinha acabado de me mudar – o que me fazia pensar que eu era corajosa. Nada do que eu enxergava de mim mesma era visto pelos outros. Porque eu não estava adaptada, estava insegura com toda a novidade e principalmente ainda não tinha vencido a barreira da linguagem. Por melhor que você fale outra língua no Brasil, eu te prometo, nunca será fluente ao chegar em outro país. Isso sem contar em todo o vocabulário que você nunca precisou aprender como expressões e gírias locais, além do sotaque.

A partir daquele momento eu percebi que a tal adaptação seria muito mais difícil do que eu imaginava. Como eu ia conseguir um emprego se eu estava no meio de uma crise de identidade? Quem era eu afinal? O que é que eu sou independente de onde esteja, com quem esteja? 

Não foi fácil lidar com aquilo, eu já estava tendo que lidar com a adaptação ao país, a morar junto, a ficar longe da família e dos amigos. Porque raios eu tinha que me reinventar?

Tudo isso afetou muito a minha confiança. Quase como terminar um relacionamento. Só que a grande diferença é que num relacionamento quando acaba você chora e depois se levanta e vai reaprender a viver sem aquela pessoa. Dessa vez você não tem outra pessoa pra culpar. O desafio é apenas com você mesma, e se der sorte (como eu) pode ser que tenha uma torcida à sua volta apoiando esse momento.

E aí minha gente, vale tudo! Vale se jogar no mundo e entender tudo que faz seu coração vibrar, vale tentar e vale errar. Vale passar um dia chorando e vale botar um batom vermelho pra ir ao mercado. Vale andar de bicicleta, aprender a correr, fazer yoga e até criar um grupo de amigas locais pra te dar apoio. Vale absolutamente tudo e qualquer coisa pra encontrar dentro de você sua personalidade e amor próprio. 

A boa notícia é que quando isso acontece, ninguém pode te derrubar! Pra mim demorou um pouco… mas aprendi a ser mais humilde, a dar uns passos pra trás, a brigar com a balança, aprender a correr, perder alguns medos, viajar por três continentes, comprar uma bicicleta, criar uma rede de amizade na cidade, encontrar um jeitinho de me manter presente e em contato com quem tava longe e um longo processo de coaching. Aliás eu indico muito ter um coaching te ajudando nesse processo, é muito bom poder compartilhar com alguém cada ficha que cai sua nessa jornada e te incentivando a se encontrar.

Além das sessões de coaching, eu tive dois pontos auges que me deram confiança para ver que eu estava sendo eu mesma na nova cidade. O primeiro foi fazer uma festa de aniversário para 30 amigos daqui. No Brasil isso seria uma reunião íntima, mas em Londres isso foi uma afirmação muito importante de que eu finalmente me sentia querida por aqui. Uma das coisas que é mais importante na minha vida são meus amigos, e esse dia eu confirmei que eu tinha novos amigos por aqui .E o segundo foi  o dia que naturalmente fiz uma piadinha em inglês e uma amiga riu muito e disse “nossa como você é engraçada”. Sim, ela reconheceu em mim uma característica que era minha, daquela Julia que eu conhecia. Eu gosto de ser boba e fazer os outros rirem. Pode parecer bobo, mas aquilo para mim foi uma grande vitória.

Eu me reencontrei e me reconheci em outro país, e estava pronta pra dar meus próximos passos. Tenho me reinventado a cada dia e descobrindo meus pontos fortes. Decidi dar uma chance a trabalhar com receptivo de brasileiros em Londres, começar um negócio novo do zero. Tive receio mas estava mais forte. O primeiro mês nessa nova empreeitada foi melhor do que qualquer outro desde que cheguei. Consegui alguns clientes, tive feedbacks incríveis e estou me sentindo realizada.

Semana passada, completei 2 anos que me mudei. Hoje posso dizer com segurança que ainda não cheguei aonde quero chegar mas me sinto muito feliz com quem eu sou e com a vida que estou construindo aqui.

3 em Autoconhecimento/ Comportamento/ Convidadas/ Destaque/ Experiência no dia 21.07.2017

“Há exatamente 4 anos eu decidi largar tudo e começar do zero”

Tudo bem, o meu tudo não era tanto assim. Aos 25 anos, após uma faculdade de Design Gráfico e uma pós em Marketing eu tinha um bom trabalho, em uma grande empresa, ganhava um salário razoável. Pagava minhas contas, viajava e ainda guardava alguma coisa.

Mas eu não estava satisfeita. Eu tinha um sonho, um sonho distante. Sabe daqueles que parecem tão loucos que você nem fala em voz alta? E esse sonho começou muito antes disso..Até eu prestar o vestibular a palavra “design” era como raiz báscara… Quer dizer, parecia algo importante, mas a garota de Bauru aqui não tinha ideia do que era exatamente. O problema é que eu não me encaixava bem nas profissões tradicionais, eu era boa mesmo na aula de artes e nos cursos de desenho, daí descobri o Design Gráfico que me pareceu uma escolha razoável.

De fato uma das melhores escolhas que eu fiz na vida! Eu amava a faculdade, embora não fosse a melhor da turma. E foi nessa época que minha mãe me convenceu a participar de um concurso de design de joias. Fiz um desenho em sua homenagem, cheio de amor e com um significado especial de nossa relação, nossa grande família de duas (como costumamos falar). Este desenho se transformou em joia e a joia em prêmio, da categoria profissional! Pronto, meu destino de certa forma estava selado. É difícil explicar…Pela primeira vez acreditei que tinha um talento e que podia fazer algo lindo com isso! Ser designer de Joias? Será? Não seria muita ambição? Nessa época eu ainda não sabia, mas foi assim que eu descobri mais que uma profissão, uma verdadeira paixão.

No último ano de faculdade tive a oportunidade de fazer um curso de Design Italiano em Milão. Era tudo que eu queria. Ter um curso desses no currículo era como uma chave para abrir vagas de emprego. Chegando lá, no Instituto Europeu de Design, recebi a notícia de que o curso havia sido cancelado por falta de inscritos e que teria duas opções: Pegar meu dinheiro e voltar para o Brasil (qual é a chance?) ou escolher outro curso, entre eles, Design de Joias. Eu sei que falar em destino é muito esotérico, cafona e batido… Mas eu não vejo outra explicação, foi o destino sim, me dando um tapa na cara.

Voltei da Itália e junto com o trabalho e a faculdade, já comecei um curso de ourivesaria. Não sai mais disso.

Três anos se passaram e a brincadeira de fazer joias cresceu. Eu já tinha um site, coleções e clientes. Tudo isso trabalhando de noite e nos finais de semana. Para crescer mais eu teria que largar meu emprego estável e mergulhar de uma vez nisso. Só de escrever, sinto o frio da barriga daquela época, sabe aquela sensação de pular de paraquedas? Bom, eu nunca pulei, mas imagino ser algo parecido.

No dia 21 de Julho de 2013, eu com uma pequena poupança, um FGTS menor ainda, o apoio de uma amiga super competente que me ajudou nos planejamentos, uma mãe receosa mas que por amor me incentivou e um namorado inconsequente que não vê o lado ruim de nada, me atirei de vez no mundo do empreendedorismo, e assim, a Livia Kerr deixou de ser uma pessoa e passou a ser uma marca de joias e semijoias.

Digamos que paguei o preço pela inexperiência já na minha primeira feira. Ao fim dela eu ainda tinha 70% do meu estoque e só 10% da minha autoconfiança. Em outras palavras, foi um banho de água fria. Eu acreditava no meu talento e até me considerava boa em marketing e identidade de marca mas não tinha e até hoje, devo admitir, não tenho talento para vendas. E esse foi só o primeiro tropeço. De lá pra cá eu já fui enganada por uma assessoria de imprensa, por uma RP, por uma cliente de atacado, por algumas lojas e sem contar as “clientes” de feira com mãos leves. Falando em feiras, estava nelas de segunda a domingo sem poder sair nem para ir ao banheiro, montei e desmontei inúmeros stands, viajei sozinha de ônibus com todo meu estoque em uma mala. Muita gente duvidou de mim e eu inclusive questionei minha capacidade, mas não precisava provar nada para ninguém. Eu estava fazendo isso porque é o que eu sou e não iria desistir do meu sonho.

Um dos melhores momentos nessa empreitada foi a inauguração o meu tão sonhado ateliê em uma vila charmosa no Jardins, para isso tive que sair do meu apartamento alugado e fui morar com o Luis, meu companheiro. Não fui parar na casa dele de um jeito planejado, tão pouco romântico, muito menos sensato já que namorávamos na época a cerca de 6 meses, mesmo assim considero uma das melhores decisões da minha vida.

No entanto nem tudo foi um mar de rosas. Um dos piores momentos, foi a venda do meu carro, meu único bem, dado por minha mãe com muito sacrifício. Mas não havia outra saída, eu precisava pagar meus fornecedores, estava próxima das vendas do natal e se não fizesse isso não teria como continuar, foi difícil mas não me arrependo. É através da dedicação, do sacrifício e claro, um pouco de sorte que as coisas acontecem.

Depois de ser tão enganada e perder tanto dinheiro, peguei a coragem e a cara de pau e decidi fazer tudo sozinha. E então com o tempo meu trabalho começou a aparecer em alguns lugares.

Sabe aquela história: a mãe, do amigo, do primo do meu namorado… Era produtora da Ana Maria Braga – gente, eu sei que para alguns pode parecer estranho, mas sou mega fã dela – e então mandei umas peças. Vai que, né?

Agora, tenta imaginar a minha alegria quando eu vi na TV ele usando minhas coisas? Eu pulava pela sala, meu cachorro não entendia nada e na verdade, nem eu. Parece bobo, mas ver algo que eu criei, sendo usado por uma de minhas musas (Musa SIM) eu estava no céu. E não parou por ai, ela usou outras vezes, me mandou um beijo, um dia meu anel até caiu em uma panela de arroz gerando uma piadinha do Louro José. E assim outras portas foram se abrindo. Vi meu trabalho sendo usado por Ivete Sangalo, Sabrina Sato, Agatha Moreira, Paloma Bernardes e por ai vai. Produtores de revistas como Vogue e Estilo já decoraram o caminho até meu ateliê e admito que me encho de orgulho por isso. Sem contar o apoio desde o início da minha amiga Carla e da sócia dela, a Jô, conhecidas por vocês e que eu admiro muito, cada vez mais!

Não é fácil, confesso que já pensei em desistir mais de uma vez, com certeza se tivesse seguido o caminho tradicional e trilhado uma carreira no mundo corporativo certamente estaria ganhando mais (ou desempregada, devido a crise), mas não me arrependo nem por um segundo. Faço o que eu amo, o que eu nasci para fazer, trabalho das 8 até a hora que for preciso, não espero pela sexta-feira, fim de semana muitas vezes é mais um dia de trabalho e nem por isso me sinto menos feliz, pelo contrário, todo dia eu acordo com um beijo de namorado, uma lambida de cachorro, penso nas minhas pequenas conquistas e uma sensação de gratidão toma conta de mim. Gosto de pensar que esses são apenas os primeiros passos de uma longa jornada. Eu tenho muita sorte.

>>> A Livia é muito minha amiga (Carla falando) e eu acompanhei todos esses momentos, convidei a Li para contar a história dela aqui no blog porque sempre achei corajosa e inspiradora, estou muito feliz que ela aceitou o convite! E quem quiser conhecer o sonho, ou melhor, o trabalho da Li, as leitoras do Futi têm 15% de desconto! É só digitar o código LKNOFUTI quando finalizar a compra. :) <<<

2 em Comportamento/ Experiência/ Futi em NYC no dia 04.05.2017

Minha Nova York desromantizada

Sabe quando você chega em uma cidade e se imagina morando ali? Eu sempre gostei de conhecer um lugar novo enxergando pela ótica de um morador. Será que essas ruas tão gostosas de passear são legais no dia a dia? Será que esse restaurante que todos os turistas indicam também é queridinho de locais? Será que aquele cenário de filme continua inspirando quem passa por ele toda semana há não sei quantos anos?

Se tem uma cidade do mundo que eu romantizava, sempre foi Nova York. Todo filme ou série que eu via e era ambientalizada aqui, eu suspirava. Imagina morar nesse apartamento super aconchegante (isso quando eu tinha uns 15 anos e não tinha a mínima noção que os apês de NY são famosos por serem caixas de sapato)?? Imagina morar nesse prédio com escada na frente, tipo o da Carrie? Imagina passar o Natal com aquele clima de Milagre na Rua 34 com Escrito nas Estrelas? Imagina ter a 5a. av do lado da sua casa? E todas as lojas mais maravilhosas? E os museus? E as exposições que chegam todas? E o baile do MET? E cruzar com artistas de Hollywood na rua? Imagina, imagina, imagina??

Acho que essa empolgação toda explica o motivo da gente ter aceitado embarcar nessa aventura rumo à cidade número 1 dos meus sonhos, né? E foi já nos preparativos que a minha desromantização começou a acontecer.

Foto pela minha amiga Aninha <3

Pra começar, prédio da Carrie? Esquece. Com criança as escadas não ajudam – e não é comum ter elevador nesses prédios. E ai a dica de ouro de uma amiga: pega prédio com estrutura, que tenha academia para você ir de fato e brinquedoteca pra entreter a criança no inverno. Mas aí, Carla, é melhor esquecer Manhattan. Esse tipo de prédio costuma ser caríssimo mesmo os apartamentos pequenos. Fomos pesquisar e não deu outra, e lá se foi o sonho de morar na ilha e ter na esquina de casa todas as cenas dos filmes novaiorquinos que mais amei.

Que bom que esse era o tipo de sonho adaptável e totalmente negociável, e foi assim que acabamos descobrindo Williamsburg, bairro que está crescendo a olhos vistos, cheios de restaurantes legais, lojas bacanas, parques deliciosos e Smorgasburg. Não to na ilha mas estou em um bairro muito bom de se morar, cheio de crianças e cachorros e ainda tenho um dos skylines mais famosos do mundo da minha janela. E o melhor? A uma distância de Manhattan de 2 minutos e meio por metrô (e mais ou menos 15 indo de barca). Hoje não sei se gostaria de morar do outro lado do East River, acho barulhento e caótico e apesar de amar passear por lá, passei a enxergar pela ótica de uma mãe que ficaria genuinamente desesperada se ambulâncias e carros de polícia ou bombeiros resolvessem passar gritando pela minha janela na hora que o Arthur estivesse dormindo. #desesperos

Outra desromantização que tive: “primeiro mundo tudo funciona e as pessoas são civilizadas”. De fato é verdade em vários casos. O consumidor é extremamente respeitado, o delivery é muito eficiente e não nego que é uma liberdade maravilhosa você poder andar na rua com o celular sem medo de ser roubada, ou abrir seu laptop em uma mesa na rua ou no parque e trabalhar em um ambiente mais agradável (meu sonho a ser realizado assim que o Arthur começar a escolinha rs).

Mas metrô quebra, atrasa, grávidas, pessoas com bebês de colo, idosos e deficientes não têm preferencial, uber cancela corrida e se você passar mal durante a noite, tem que esperar até de manhã para ir em um Urgent Care, porque emergência de hospital o plano não cobre. E não é porque não botarão uma arma na sua cabeça que você está imune de furtos. E atentados terroristas? Eu, que nunca pensei em ter medo disso quando morava no Brasil, hoje tenho pavor. Aliás, devo culpar os filmes por isso, afinal toda cena de fim do mundo a primeira cidade a ser atacada é justamente Nova York.

Já cruzei com gente solícita e simpática, mas já cruzei com gente que olhou para a cara do meu filho como se fosse proibido crianças no local (não era). Já vi uma mulher passar de short mega curto em frente a uma obra, todos os peões olharem e ninguém proferiu uma gracinha ou “fiufiu” sequer, mas já fui abordada por uma pessoa esquisita que botou o dedo na minha cara e gritou palavras incompreensíveis. Já pedi ajuda porque a roda do carrinho do Arthur caiu no trilho do metrô e, por estar atordoada e não saber dizer a localização exata de onde a rodinha caiu, recebi de volta gritos nervosos exigindo que eu soubesse o lugar que a roda caiu – e se não fosse um policial pra me ajudar, provavelmente teria voltado pra casa chorando e com um carrinho com 3 rodas. Já fui ajudada quando o Arthur jogou um brinquedo pra fora do carrinho, assim como já fui xingada por ter parado no meio da rua por causa da mesma situação. Tem de tudo.

Fico com desejo de várias comidas brasileiras (alô pão de queijo, queijo coalho, açaí, pastel) e ainda não me acostumei com o jeito de fazer unhas aqui, quase sempre caro e mal feito. Inclusive estou tentando aprender a fazer a unha em casa, mas ainda sai um desastre. Tem dias que eu não ligo e fico com unhas mal pintadas, outros dias morro de raiva porque não consigo fazer direito. A depilação vence diversas vezes depois do verão porque falta coragem de tirar os pelos em uma temperatura próxima a 0 e sem perspectiva de biquini. Tem sido um verdadeiro exercício para a minha autoestima lidar com isso tudo, inclusive.

E aquela sensação de chegar em casa depois de um dia cansativo e encontrar tudo limpo e arrumado? Esquece. Serviço doméstico é caro e pesa demais no orçamento, então ou você mete a mão na massa ou você deixa a casa bagunçada. Acho que esse é o tipo de incômodo que afeta mais diretamente os brasileiros, já que sempre fomos acostumados à diaristas e domésticas. Olhando pelo lado bom, você se torna uma pessoa menos dependente, mais prática e organizada também.

E as saudades? Não é fácil ver sua família fazendo aniversário, comemorando dia das mães, dos pais, Natal e outras datas importantes e você não poder estar junto fisicamente. Você entra no whatsapp e vê seu grupo de pós combinando encontros e você só fica com vontade, vê suas amigas comemorando conquistas que você terá que brindar à distância, filhos de um casal que você ama nascendo, reuniões e eventos do blog acontecendo que eu fico sabendo pela Joana. Enfim…é uma eterna vontade de querer se teletransportar ou de virar duas. Até da comida tenho saudades.

Morar em Nova York é incrível mas tá longe de ser o cenário chic e glamouroso que tanta gente imagina quando eu falo onde moro. Inclusive, parando pra pensar, se tem uma cena que descreve a vida em NY é a entrada de Sex and The City, quando a Carrie está passeando pela cidade toda sonhadora e leva um banho do ônibus. rs

Lembro que assim que eu me mudei, eu olhei para a cidade e prometi a mim mesma manter a inquietação e a curiosidade que eu sempre tive quando vinha como turista. Não é sempre que eu estou conseguindo manter essa promessa porque acabei aprendendo na marra que morar e ter uma rotina na cidade é bem diferente de passar alguns dias de férias. Eu tive que aprender a desromantizar tudo que estava na minha cabeça. Mas a verdade é que eu estou amando cada segundo que estou passando aqui, inclusive aqueles que eu estou com o coração doendo de saudades ou chorando porque estou aprendendo na marra e na experiência a amadurecer como mãe e também como mulher em uma cidade que não é a que eu cresci ou a que eu aprendi a viver, tampouco as pessoas falam minha língua natal (por mais que não seja difícil cruzar com brasileiros).

Como minha mãe fala, é aprender a lidar que cada escolha que fazemos, fazemos também uma renúncia, ou muitas. E aceitar a lidar com elas para aproveitar a vida nova, no novo lugar. E estou aprendendo cada dia mais um pouquinho. :)

Outro post nesse estilo muito bom foi o que a Laura Peruchi fez sobre coisas que ela escuta quando diz que mora aqui, tem parte 1 e parte 2.