Browsing Category

entretenimento

0 em Autoestima/ Comportamento/ Destaque/ entretenimento no dia 05.07.2018

Sexy por Acidente, aquele filme que não poderia ser mais #paposobreautoestima

Em 8 anos de blog, nós nunca tínhamos sido lembradas e associadas à algo que tivesse a cara do nosso trabalho. Normal, por muito tempo esse blog era feito com muito amor mas não tinha nenhuma característica forte definida. Mesmo depois de termos criado o #paposobreautoestima e esse movimento ter ganhado vida própria, começamos a ser associadas com muitas histórias, frases e matérias, mas ainda não tínhamos vivido esse movimento da forma e intensidade que vimos quando o filme Sexy por Acidente foi lançado.

Amigas nossas que trabalham com imprensa e viram o filme em primeira mão já haviam falado com a gente há alguns meses. Quem mora aqui nos Estados Unidos – onde o filme foi lançado antes mas infelizmente eu não consegui ver – começou a nos mandar mensagens. Uma agência inclusive nos procurou para fazer uma ação para o lançamento desse filme e até sugerimos uma ação diferente, mas não fomos respondidas. Aí o filme lançou, e quando isso aconteceu, nosso direct simplesmente explodiu: “É a cara do papo!”, “é tudo o que vocês falam!” “é incrível!”. Bem, e daí que não rolou nenhuma ação, né? Não dava para não falar desse filme que, de fato, era a nossa cara.

Quando vi o trailer pela primeira vez confesso que fiquei um pouco desanimada. Ele lembra muito aquele filme “O Amor é Cego”, onde o cara é hipnotizado para ver apenas a beleza interior das mulheres e se apaixona por uma mulher gorda, que só ele tem certeza que tem a cara e o corpo da Gwyneth Paltrow. Durante quase 2 horas vemos aquele show de gordofobia que há quase 17 anos, infelizmente, era visto como piada.

A ideia de Sexy por Acidente parece a mesma, mas só parece (atenção, spoilers a seguir!): Amy Schumer interpreta Renné Bennett, uma mulher insegura e que tem como maior sonho ser bela, bate a cabeça e quando acorda, passa a se enxergar bonita. Em alguns momentos confesso que fiquei meio cabreira. Por exemplo, quando ela acorda ela pergunta para a mulher da academia se ela está vendo seus braços tonificados, sua barriga dura e afins, e eu só consegui pensar “putz, lá vai ela achar que virou padrão e só enxergar sua beleza por causa disso, nada de novo sob o sol dos filmes de Hollywood, não é mesmo?”.

Só que não. Achei maravilhoso que, por mais que ela passe a se enxergar de outra forma, em nenhum momento ela muda algo em seu corpo ou passa a mensagem que precisamos ser diferentes para sermos bonitas ou, mais importante, nos sentirmos bonitas. A autoconfiança, muito mais que a beleza, realmente vem de dentro e acaba refletindo fora.

Fica claro no filme que a insegurança que ela tinha vinha sempre da comparação que ela fazia com mulheres que ela considerava bonitas, e no momento que ela se botou em primeiro lugar e parou de olhar para o que as outras mulheres tinham (e consequentemente o que ela não tinha), tudo fluiu. Ela arrumou o emprego dos sonhos, parou de se importar com a opinião alheia e até arrumou um cara bacana, mesmo que esse não seja o objetivo do filme. Só que aí vamos para outro momento de tensão (e mais um spoiler): ela começa a exagerar na dose.

Me peguei tensa novamente porque fiquei com medo da mensagem que o filme poderia passar, afinal, ainda vivemos em um mundo onde a mulher que se ama demais e reconhece seus pontos fortes é vista como arrogante. E no filme, quando ela se vê bonita e passa a se sentir segura em sua própria pele pela primeira vez, ela começa a ter atitudes exageradas a ponto de suas amigas se afastarem, por exemplo. A arrogância até pode existir, mas ela não é uma característica inerente de uma boa autoestima, e fiquei realmente com medo do filme incentivar isso de uma forma. Mais uma vez fui surpreendida e não foi isso que aconteceu.

O slogan do filme é: "mude tudo sem mudar nada". E faz todo sentido!

O slogan do filme é: “mude tudo sem mudar nada”. E faz todo sentido!

A mensagem final me tirou algumas lágrimas dos olhos. Engraçado um filme bobinho e despretensioso ter feito isso comigo, mas fez. Em diversas partes eu me vi representada e me senti de certa forma vingada. É libertador ter sido criada em uma geração que endeusa O Diabo Veste Prada (e eu faço parte desse time) e poder ver um filme onde a personagem principal é ela mesma do começo ao fim e consegue tudo que ela quer sem precisar se adequar, se hipnotizar e, como Renné descobre no final, também não precisava ter batido a cabeça. Como eu falei no post de outro dia, não é um processo fácil chegar no ponto de equilíbrio, não se constrói uma autoestima boa e sólida no passe de mágica, e sim no olhar amoroso, que é o que acontece quando ela percebe que sempre foi a mesma pessoa. 

A autoconfiança e o amor próprio é algo que vem de dentro, e esse filme deixa isso muito claro. Quem estava na dúvida, pode ver sem medo. Vale a pena. :)

3 em Comportamento/ Destaque/ entretenimento/ maternidade no dia 29.01.2018

Jane the Virgin e a maternidade desromantizada

Não sei por quê demorei tanto tempo para começar Jane The Virgin. Acho que estava com algumas séries engatilhadas e sem mais espaço para me viciar em outras coisas, então fui postergando, postergando, postergando, até que comecei a ver há umas duas semanas. Eu sabia que ia me viciar, afinal, ela tem todas as características que eu sei que amo em uma série, mas não sabia que seria por um motivo que ainda não tinha cruzado por aí.

Óbvio que eu fui imediatamente cativada por Jane, achei sensacional a sátira com as novelas mexicanas, amo o narrador que se mete no meio da história, acho o momento extremamente oportuno e fico feliz que ela está fazendo sucesso mesmo em tempos de era Trump (ufa). Só que eu não sabia que eu poderia ficar mais fã da série depois que Jane teve seu filho. 

Toda a fantasia e exagero que ronda os personagens em Jane the Virgin não acontecem quando a série trata de maternidade. E é aí que a série fica mais genial ainda, pois ela acha um equilíbrio entre a fantasia e a realidade que deixa tudo mais interessante. Eu não precisei me identificar com nenhum personagem para gostar de assistir cada episódio, mas a partir do momento que eu me identifiquei de verdade, tudo ficou um pouco mais especial.

Em poucos capítulos da segunda temporada somos expostas a situações que toda mãe já viveu. Leite manchando a roupa? Temos. Ela toda suja de papinha enquanto tenta fazer tudo ao mesmo tempo? Também temos. Aliás, ela toda suja porque passou dias sem conseguir nem tomar banho? Temos, claro. Escrevendo um texto no celular porque não tinha como pegar o computador? Temos – e eu, blogueira, me identifiquei bastante. hahaha Eu poderia citar várias outras situações corriqueiras, mas a melhor parte acontece quando a série aborda em pontos mais profundos. Posso começar os spoilers aqui, apesar de estar prestando atenção para focar apenas na maternidade?

giphy-4

Você está prestes a deixar a maternidade sequestrar seus objetivos

Por exemplo, quando ela vive a dualidade que toda mãe passa quando se vê entre a vontade de não deixar a maternidade mudar muita coisa e a ficha que cai ao vermos que tudo muda. Acho que até as mães mais bem preparadas passam por isso, mesmo que em menor intensidade. Inclusive, achei sensacional a forma que ilustraram essa questão, onde ela tenta fazer algo com a certeza que vai ser como se o bebê nem estivesse ali – mas obviamente ele está.

2015-11-03-jane-the-virgin06

Outra coisa legal que eu vi ser abordada foi a relação com as amigas sem filhos. Em um primeiro momento pode ser que role um estranhamento pela mudança radical de prioridades, as vezes a separação realmente acontece, mas é maravilhoso quando achamos o equilíbrio disso tudo. Eu amo minhas amigas mães, mas valorizo demais as amigas que ainda não chegaram nessa fase pois é com elas que eu me lembro um pouco da Carla antiga, e isso me faz muito bem.

A culpa é quase um personagem à parte depois que o filho de Jane nasce. Ela se culpa por pensar em focar na oportunidade de estudos, se culpa porque teve que abandonar o peito, se culpa porque ele teve que usar capacete, se culpa de tudo basicamente. E atire a primeira pedra a mãe que nunca sentiu culpa na vida. Acho que essa pessoa, inclusive, nem existe. 

jtv_ch27_mateo_smile

A relação com a mãe muda, da mesma forma que mostra como a relação de sua mãe com sua avó mudou. Eu achei tão importante ver isso sendo abordado de forma tão clara, porque isso de fato acontece. Talvez não de forma tão romântica porque não é toda família que é tão próxima quanto a de Jane, mas a verdade é que muitas coisas que reclamávamos ou que não entendíamos acabam fazendo sentido quando viramos mães, e essa troca de experiências pode ser enriquecedora na relação.

Aliás, uma coisa está sempre presente é a importância da rede de apoio. Mãe, avó, pai e até mesmo babá. Saber que temos pessoas que irão aliviar nossa barra quando ela fica pesada é essencial para a sanidade. E amo ver que isso fica muito claro.

Eu sei que Jane the Virgin faz sucesso com todos os públicos, mas quem assistiu a série e teve filhos depois disso (ou ainda está grávida), eu sugiro rever a segunda temporada com outros olhos. Ou começar a ver Jane the Virgin sabendo filtrar essa parte de realidade que eles conseguem retratar ao falar de maternidade. Porque ali está muitas questões que, se bem digeridas, podem deixar tudo um pouco mais leve.

1 em Autoestima/ Camilla Estima/ Comportamento/ Convidadas/ Destaque/ entretenimento/ Saúde no dia 18.07.2017

O Mínimo para Viver (ou To The Bone), filme que retrata a realidade dolorosa dos transtornos alimentares

Na última semana foi lançado no site Netflix o filme “O mínimo para viver” (To The Bone), que conta a história de uma personagem que sofre de anorexia nervosa. Em primeiro lugar gostaria de dizer que o filme é forte e que se você que está lendo esse post sofre de algum tipo de transtorno alimentar, está em tratamento ou em remissão da doença, converse com seu psicólogo ou psiquiatra sobre ver ou não o filme. Acho que essa decisão tem que ser tomada com bastante responsabilidade, pois pode remeter a situações, sentimentos ou questões que você já passou ou passa e é importante estar bem assessorado quanto a isso.

Em segundo lugar, o post pode conter alguns spoilers. Portanto, se você ainda não viu o filme, veja e depois leia o texto abaixo. Deixe também os seus comentários.

>>>>>  A PARTIR DAQUI CONTÉM SPOILERS <<<<<<

O filme conta a história de Ellen (vivida pela atriz Lily Collins), jovem que sofre de anorexia nervosa do tipo restritivo. Segundo a Associação Americana de Psiquiatria, a Anorexia Nervosa do tipo restritivo tem os seguintes critérios diagnósticos:

1). Restrição da ingesta calórica em relação às necessidades, levando a um peso corporal significativamente baixo no contexto de idade, gênero, trajetória do desenvolvimento e saúde física. Peso significativamente baixo é definido como um peso inferior ao peso mínimo normal ou, no caso de crianças e adolescentes, menor do que o minimamente esperado. Ou seja, a pessoa impõe a si mesma uma restrição do consumo de calorias que deveria ser o normal para a sua idade, gênero ou fase da vida que se encontra. Isso promove uma perda de peso significativa, levando a valores menores do que o mínimo aceitável ou esperado para ela.

2) Medo intenso de ganhar peso ou de engordar, ou comportamento persistente que interfere no ganho de peso, mesmo estando com peso significativamente baixo. Ou seja, o indivíduo tem um pavor de ganhar peso e continua em busca por perda de peso mesmo que esteja no valor minimamente do aceitável.

3) Perturbação no modo como o próprio peso ou a forma corporal são vivenciados, influência indevida do peso ou da forma corporal na autoavaliação ou ausência persistente de reconhecimento da gravidade do baixo peso corporal atual. Ou seja, a imagem corporal do paciente é distorcida da realidade. O paciente, na maioria das vezes, se vê mais gordo do que é ou com uma forma corporal diferente. Isso muitas vezes prolonga o diagnóstico e tratamento pois mantém um estágio de negação da doença.

Sempre é importante lembrar que os transtornos alimentares são transtornos psiquiátricos, que têm um impacto psicológico e alimentar bastante grave:

– o paciente não escolheu ter esse transtorno

não é um estilo de vida (por mais que muitas pacientes digam que seja – muito movido pela negação da doença), modismo ou comportamento passageiro

– não deve ser glamourizado ou romantizado, pois ele promove muito sofrimento e dor para o paciente e sua família

Na minha opinião, não acho que o filme faça nada disso. Não romantiza nem glamouriza nenhum diagnóstico de transtornos alimentares ali retratados –  e nem a personagem principal ou seus coadjuvantes.

Por conta do impacto psicológico e alimentar é fundamental que haja uma equipe multidisciplinar no atendimento deste paciente. O psiquiatra, psicólogo e o nutricionista compõem basicamente essa equipe. Uma crítica do filme é essa, não há esse tipo de abordagem, mesmo que a paciente seja admitida em um tipo de terapia “alternativa”. Não há discussão sobre a questão nutricional do tratamento. As pacientes escolhem livremente o que querem comer e a cuidadora da casa providencia. O acompanhamento nutricional especializado, com profissionais que foram capacitados nessa área, é fundamental. A alimentação desordenada é um sintoma super importante das questões psicológicas envolvidas nesses transtornos e deve ser dada a devida importância à isso, ainda mais na proposta que se tem no filme de alertar, e quem sabe, prevenir transtornos alimentares.

O modelo terapêutico escolhido basicamente pela madrasta da Ellen – que a meu ver, apesar de se meter demais em tudo, foi a única “adulta” e “responsável” por ela que toma algum tipo de decisão acerca de seu tratamento – não retrata a realidade dos centros de atendimento de transtornos alimentares. No modelo de imersão da personagem em uma casa comandada pelo médico Dr. Beckham (interpretado pelo ator Keanu Reeves), os pacientes de diferentes diagnósticos de transtornos alimentares convivem nessa casa, com sessões periódicas de terapia de grupo e também encontros individuais com ele.

Outro problema no modelo da internação eram os diferentes “furos” que a personagem Lobo, a cuidadora da casa, não via. Mesmo os quartos não tendo portas, ela não via as purgações frequentes das meninas e também desconhecia que a própria Ellen fazia abdominais na cama à noite. Internações totais de transtornos alimentares são completamente monitoradas e situações como essas dificilmente passam despercebidas.

Também podemos comentar sobre a desorganização da família da Ellen. O pai completamente ausente (nem ator teve para o papel), a mãe que mora em outro estado depois de ter se casado com a amiga e deixa Ellen sob os cuidados do pai porque “não conseguia mais cuidar da filha”, a madrasta que falamos acima e a irmã, que tem papel importante de afeto ali, formam uma estrutura diferente e até mesmo complicada. Porém, desorganização da estrutura familiar não é causa para transtorno alimentar. Inúmeras são as causas para um indivíduo desenvolver um transtorno, não exclusivamente um fator como a família.

Mas não se pode negar que essa desorganização leva a uma piora de um componente psicológico da personagem, tanto que no final quando ela permite que a mãe a alimente, em uma cena muito forte (para mim a mais impactante de todo o filme), me deu a sensação do início da trilha dela em busca do tratamento. Uma nova conexão com a mãe e o fato dela ter a alimentado foram questões de vínculo e afeto importantes. O insight que ela teve logo após essa cena, onde ela percorre aquele “deserto” e cai no sono (ou desmaiada) e ela se vê deitada nua e completamente emagrecida, acho que foi o dado de realidade para ela “se ver de fora” e entender a gravidade de seu quadro. Em seguida, após acordar, a cena corta para ela retornando à casa do pai – ou melhor, da madrasta – e em seguida voltando à internação do Dr. Beckham.

Outras cenas bastante impactantes são: a contagem de calorias – comparadas ao autismo – feita por ela. Os momentos de sofrimento dos pacientes com as pesagens na clínica também são bastante angustiantes, com eles naquela fila do lado de fora do banheiro.

Um cuidado que sempre devemos ter ao abordar esse assunto tão delicado, sério mas que provoca curiosidade nas pessoas, é de que ao se traçar planos de prevenção de transtornos alimentares tenhamos cuidado em não estar ensinando estratégias ou dando ideia para novos comportamentos em jovens, que são o grande grupo de risco. Acho que a realidade mostrada e não romantizada garantiu que isso não aconteça no filme.

Não, nada está sob controle enquanto não procurar ajuda

Por fim, o alerta feito pelo filme foi lançado. Às meninas, às suas famílias e aos profissionais de saúde. O acolhimento, a humanização e a multidisciplinariedade são pilares fundamentais no tratamento desses casos. Procure profissionais que sejam especializados e formados no tratamento de transtornos alimentares. Pode-se buscar ajuda também nos centros de referência de tratamento no país também são peça fundamental que podem ajudar diversas pessoas.

Alguns centros de tratamento ou links interessantes de apoio aos Transtornos Alimentares:

Ambulim – Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo  www.ambulim.org.br

GATDA – Grupo de Apoio dos Distúrbios Alimentares – www.gatda.com.br

GEATA – Grupo de estudos e assistência em Transtornos Alimentares – www.geata.med.br

GENTA – Grupo especializado em nutrição, transtornos alimentares e obesidade – www.genta.com.br

GOTA – Grupo de obesidade e transtornos alimentares – www.gota.org.br

PROATA – Programa de atenção aos transtornos alimentares 

http://www.dpsiq.sites.unifesp.br/d/proata/

Canal “Eu Vejo” da jornalista Daiana Garbin – https://www.youtube.com/channel/UCg-pv0HJbbmob5dtzRDdtXw

Canal “Precisamos falar” da Mirian Bottan – https://www.youtube.com/user/mbottan