Browsing Category

maternidade

1 em Destaque/ maternidade no dia 03.10.2018

Para valorizar a maternidade, não precisamos agradecer as mães por se diminuirem

Nunca pensei que teria muitos insights sobre maternidade justamente lendo “Year of Yes” (o ano que disse sim), da Shonda Rhimes. Ele é um livro inspirador em diversos momentos e eu jurava que ele seria motivador em vários sentidos, nunca nesse. Recentemente passei por um trecho sobre o assunto que me fez pensar. Vou mostrar aqui para vocês.

“Eu não acho que nunca tinha percebido o quanto e o quão frequentemente mulheres são ovacionadas por atos que praticamente as invisibilizam. Quando eu paro para pensar nisso, eu percebo que a maior culpada é a linguagem usada para ovacionar as mulheres. Especialmente as mães.

Ela sacrificou tudo pelas suas crianças….Ela nunca pensou em si mesma….Ela abriu mão de tudo por nós….Ela trabalhou incansavelmente para nos dar de tudo….Ela permaneceu nas sombras, ela era o vento embaixo de nossas asas.

Empresas de cartões são construídas nessa ideia.

(…)

Eu não estou dizendo que maternidade não deveria ser ovacionada. Ela deveria. Maternidade é maravilhoso. Eu estou fazendo isso. Eu acho ótimo.

Mas tem várias outras formas e razões que mães podem e devem ser ovacionadas. Mas cultivar esse senso de invisibilidade, martírio e trabalho incansável que não é nem notado? Essas não são razões.”

maternidade-renuncia

Já tem um tempo que eu sabia que eu não me encaixava no papel da mãe que se doa por completo e bota os filhos constantemente na frente de si. Mas até o momento eu não conseguia admitir isso com toda a convicção. Porque bater no peito e assumir que eu preciso ser eu antes de ser mãe me fazia achar que estava escolhendo ser uma péssima mãe. E não era uma sensação fácil de ser ignorada ou fácil de deixar escondida. Isso ficava martelando na minha cabeça, como se uma coisa fosse sinônimo da outra.

Eu fui criada por uma mãe que largou tudo para ser mãe. E por mais que ela diga que nunca se arrependeu da decisão que tomou (e nem sempre eu acredito quando ela fala isso), eu me projeto nela e não me vejo sendo feliz se fizesse essa mesma escolha.

O ano que eu vivi a maternidade em tempo integral com pouquíssima rede de apoio (que basicamente consistia do meu marido, que trabalha fora diariamente) foi um dos mais difíceis da minha vida. Sei que foi a melhor coisa que poderia ter feito pelo Arthur, e também foi o ano que eu mais aprendi sobre mim mesma, mas também foi o ano que eu não sabia onde achar a minha felicidade, que eu passei me afogando e procurando por ar, e que eu descobri que quantidade e qualidade de tempo não eram necessariamente proporcionais. E que eu não era minha melhor versão de mãe quando eu passava o dia na função materna (que inclui aí a versão dona de casa, afinal, com filho pequeno os dois se misturam bastante).

E aí, quando eu li esse trecho da Shonda, eu percebi que eu não quero receber parabéns por ter me anulado ou por ter me doado completamente. Eu não quero ser vista como uma mulher – muito menos uma mãe – maravilha, infalível, incansável, idealizada. É muito difícil permanecer nessa posição. E eu não me vejo segurando esse papel por muito tempo. E vou contar pra vocês, é uma sensação de liberdade maravilhosa se dar conta que não precisamos dos elogios da “mãe perfeita” para nos sentirmos valorizadas.

Então, vou aproveitar esse post para trazer um exercício. Que tal elogiarmos as mães de forma que a gente tire o foco de tudo aquilo que as invisibiliza? Adianto que não vai ser fácil – estamos muito condicionadas a acreditar em tudo aquilo que os cartões de datas especiais nos contam – mas façam o teste. Tenho certeza que teremos muitas mães mais realizadas e menos pressionadas.

1 em Destaque/ maternidade no dia 18.09.2018

Coisas que não devem ser ditas a mulheres que estão tentando engravidar

Oi, eu sou a Carol. Sou mãe da Maria e, por longos 10 anos, tentei realizar o meu sonho de ser mãe. Antes dela tive quatro gestações, todas sem sucesso. Mas esse não é o foco do meu post aqui pro Futi.

Todo mundo tem uma amiga ou parente que está tentando engravidar. Algumas há pouco tempo, outras há anos. O sentimento natural diante dessas mulheres acaba sendo a compaixão e muitas vezes a nossa mente já engessada e moldada por uma sociedade que obriga a mulher a ser mãe faz a boca falar o que não deveria (e isso não é um crime, ok? É apenas cultural, e podemos mudar isso!).

ilustra: Ju Ali

ilustra: Ju Ali

Abaixo eu enumero algumas coisas que ouvi ao longo dos anos em que passei tentando engravidar. Outros relatos poderão trazer mais pontos a serem abordados. Mas vamos lá:

1- Você não precisa dizer que está rezando por ela.

Mesmo que você esteja, e isso é lindo, nunca diga a ela que colocou o nome nos pés de Nossa Senhora do Parto. Também não vale indicar centro espírita, simpatia ou novena. Acredite, a mulher que tenta engravidar já revirou o Google atrás desse tipo de informação e provavelmente já pôs metade disso em prática.

2- Não insista para que ela marque uma consulta com a sua ginecologista.

Mesmo que a sua experiência com a médica tenha sido excepcional, não significa que ela será tão boa com a sua amiga. Se você achar que vale muito a pena, passe o contato, e só.

3- Pare de perguntar “e o baby, quando vem?” aos seus amigos sem filhos.

Muitos não planejam filhos a curto ou longo prazo, alguns nem querem, mas muitos estão em uma batalha silenciosa em busca desta realização. Sempre digo que, mesmo em tempos de vidas escancaradas em redes sociais, as nossas maiores dores sempre serão apenas nossas.

4- Não tente arrumar justificativas baseadas na vida da pessoa.

Quantas vezes eu já ouvi coisas como “de repente Deus não quer que você seja mãe para poder focar na sua carreira” ou “de repente não é pra você ser mãe porque você não tem perfil”. Pobre Deus, sempre recebe a culpa da infertilidade alheia.

5- Seja ombro e ouvidos.

Não é algo que não deve ser dito, mas achei importante estar na lista. Se a sua melhor amiga está nas tentativas há muito tempo e estiver em um mau dia, apenas fale “estou aqui”. Seja a ouvinte, não a locutora. Mesmo que você já tenha passado por isso.

6- Você engravidou? Não precisa esconder da sua amiga tentante!

Pode ser que a sua amiga tenha aquela pontinha de inveja, e esse sentimento de “todo mundo consegue, menos eu”, sim. É absolutamente normal e humano, mas passa. Mesmo que a sua intenção seja a melhor, a mágoa de ser preterida da notícia é pior, ok?

Por fim, não pressione. A gente bem sabe que é uma delícia ter um bebê por perto, mas deixe que o tempo se encarregue. Certamente a ansiedade dela já é grande demais para ter mais uma cobrança, e os danos emocionais que essas meninas sofrem podem ser até potencializados com tanta pressão. Menos é sempre mais nesse caso :)

Grande beijo, Carol

4 em Comportamento/ maternidade no dia 17.09.2018

Diálogos para depois da escola

Quem nunca voltou da escola e ouviu dos pais: “e aí? como foi a escola?”. Parece uma forma neutra de iniciar a conversa, e na verdade ela nunca tinha me incomodado tanto até eu ver um comercial na TV, onde pais tentavam conversar com seus filhos (uma adolescente e outro com cerca de 7, 8 anos) na mesa de jantar e simplesmente nada acontecia. “Foi tudo bem”, o mais novo murmurava baixo, com cara de entendiado. “Legal”, falava a adolescente. Mas a conversa não seguia em frente.

Me deu uma angústia aquele comercial, porque fiquei imaginando o tanto que as crianças poderiam estar escondendo dos pais. Bullying, frustração, brigas, decepções.

Meu filho até responde quando eu pergunto como foi a escola. Ele está numa idade fofa, interativa – e que, infelizmente, eu sei que não vai durar pra sempre. Mas a gente pode tentar fazer com que ele seja mais aberto aos pais, né? Aliás, acho que todos nós podemos.

Outro dia cruzei com uma imagem em uma hashtag que eu sigo de memes sobre parentalidade e quis mostrar aqui para vocês. São algumas ideias de perguntas que podemos fazer para nossos filhos ao invés do clássico “como foi a escola”. Uma forma interessante de tentar trazer mais conversas para dentro de casa, e quem sabe, saber mais sobre o que está acontecendo com eles.

brooke-smart-parenting

Algo me diz que isso deve ser bem bacana com crianças de 4, 5 anos:

  • O que fez você sorrir hoje?
  • Você pode me dizer alguma gentileza que você viu hoje ou que você mesmo praticou?
  • O que você fez hoje de criativo?
  • Com quem você sentou hoje no almoço?
  • Alguém faltou hoje na sua sala?
  • Me diz alguma coisa que você aprendeu hoje e que você não sabia ontem
  • Qual foi a regra mais difícil de seguir hoje?
  • Se você pudesse mudar uma coisa sobre seu dia, o que seria?
  • O que fez sua professora sorrir hoje?
  • Se você pudesse mudar de lugar com uma pessoa hoje na sala, quem seria? E por quê?
  • Que tipo de pessoa você foi hoje?

Eu sei que algumas perguntas parecem vir diretamente daquele livro “uma pergunta por dia” – e deve ter vindo de lá mesmo. Algumas dessas perguntas também me parecem super difíceis de responder, ainda mais depois de adultos, quando já estamos engessados de tantas caixinhas e padrões que tentamos nos encaixar por uma vida toda. Mas são iniciadores de conversa, são formas de puxar papo que geram reflexão, que geram análise crítica, o que é algo muito bacana de se estimular desde cedo.

Não são perguntas feitas para cumprir a função, são questionamentos que realmente demonstram interesse e atenção. Vi, quis dividir e quis saber também: alguém já testou esse tipo de conversa e viu efeito?