Browsing Category

maternidade

2 em Autoestima/ feminismo/ maternidade no dia 20.07.2018

A modelo que amamentou no meio do desfile e a importância de naturalizar a amamentação

Imaginem a cena: você é amiga de uma modelo acabou de desfilar para a linha de biquini da Sports Illustrated e recebe a mensagem “amiga, você não vai acreditar no que aconteceu, mas acabei de entrar com minha filha mamando no meu colo no meio do desfile!”

amiga

Tradução: Para todos com comentários negativos: Mara é minha melhor amiga na vida real. Ela passou 12 horas no casting, em cima do salto e com seu bebê de 9kg durante cada dia de eliminação. A equipe toda amou a bebê e até sugeriu que ela fizesse uma de suas entradas com ela no colo. Quando chegou a hora dela desfilar, assim que o show começou, a bebê estava mamando. O produtor sugeriu que ela desfilasse com o bebê no colo e mandasse ver. Não foi planejado; ela inclusive me ligou logo depois para contar o que aconteceu. Não tem nada de errado nessa história. O bebê estava com fome. Final da história. / É necessário ter uma mulher sem uma perna no desfile? Não, mas eles colocaram uma e foi lindo. O motivo da Sports Illustrated ter feito um casting aberto foi justamente para celebrar todo tipo de mulher, incluindo mães. E eles deixaram claro sua posição: mães têm que poder alimentar seu filhos QUANDO, ONDE e COMO elas quiserem, sem aturar comentários de um monte de guerreiros do teclado sem nada melhor para fazer que preferem criticar alguém que eles nem conhecem. Mara é uma mãe incrível, mulher e amiga. Ela não merece nada mais do que suporte.

No momento seguinte, a tal amiga, cujo nome é Mara Martin, aparece em manchetes ao redor do mundo como a modelo que andou uma passarela com um dos lados do biquini pra baixo, amamentando enquanto desfilava.

Foi uma imagem forte, impactante, marcante. E tudo isso no sentido mais positivo do mundo, pelos mais diversos motivos.

Eu não me considero uma militante do aleitamento materno, inclusive eu não consegui amamentar por uma série de questões físicas e psicológicas (que inclusive eu demorei muito para entender isso, e hoje desconfio que tais questões foram mais psicológicas do que físicas) e lembro que no auge das minhas tentativas e frustrações, eu me sentia bem mal a cada mensagem que me passava a mensagem que a amamentação, além de fácil, linda, criadora de vínculos e amor, era absolutamente necessária.

Lembro quando fui comprar a primeira mamadeira do Arthur. Me deparei com umas linhas pequenas que, naquele momento, pareciam ter um alto falante que praticamente gritava pra loja inteira ouvir que se eu optasse pela mamadeira, eu iria expor meu filho a doenças e não estaria dando todo o amor que eu poderia dar. Demorou para eu deixar de me culpar e achar uma tranquilidade nessa página da minha história como mãe.

Quando eu fiz as pazes com esse capítulo da minha vida e comecei a entender o tamanho dos milhares de sapos que mães têm que engolir para conseguir alimentar seus filhos em público, finalmente caiu a ficha da importância de cada campanha e cada post feito falando sobre amamentação. Eu tinha minhas questões e encarava cada incentivo como atestado da minha incompetência, mas essa não é uma discussão sobre mim, então eu não deveria ter levado para o pessoal. Mesmo assim, achava que algo ainda estava faltando.

Até que vi essa história da Mara Martin, e fiquei maravilhada com cada decisão tomada para que essa cena tenha acontecido. Em tempos onde as regulamentações da OMS sobre amamentação estão sendo questionadas, essa imagem é um verdadeiro ato político.

Achei corajoso e maravilhoso as pessoas que estavam comandando o desfile terem incentivado Mara a entrar amamentando. Não importa se foi de caso pensado ou não, mas em uma sociedade onde mulheres perdem vagas de emprego (quando não perdem seu trabalho) porque têm (ou estão na idade de ter) filhos, ver um lugar onde a mulher pode ser mãe e profissional ao mesmo tempo é maravilhoso. E amamentar faz parte da maternidade, por isso, nada mais natural.

Aliás, naturalizar esse ato e tirar a sexualização do seio da mulher é urgente e necessário. E acabei percebendo que para mim, esse era o ponto que faltava. Não adianta fazer mil campanhas falando sobre a importância do leite materno e como só a amamentação cria vínculos insubstituíveis com seus filhos se quando a mulher resolve amamentar em público ou posta uma foto amamentando, chovem comentários chamando de desnecessário, de exposição ou surgem sugestões de aparatos para esconder o peito. Será que ninguém percebe que é mais uma forma de cercear a liberdade da mãe? Talvez, se eu tivesse crescido com mais imagens tipo essa, minha história com a amamentação (e até mesmo com meus peitos) teria sido diferente.

0 em Comportamento/ Destaque/ Futi em NYC/ maternidade no dia 12.07.2018

Summer camp brasileiro em NY, uma experiência muito bacana para quem está criando filhos bilingues

Se tem um assunto que é muito debatido por toda mãe que eu converso e vive a mesma realidade que eu – isso é, criar um filho brasileiro no exterior – é como conseguir o equilíbrio para que o português não se perca enquanto o inglês é aprendido. Antes eu entrava nessas discussões apenas para aprender, hoje percebo palavras novas sendo inseridas diariamente no repertório do Arthur e, desde então, passei a ficar mais de olho nisso.

É engraçado porque toda vez que eu mostro o Arthur pela internet, perguntas sobre criação de filhos bilingues surgem. “Como você faz? Ele só fala inglês? Você só fala com ele em português?”, são alguns dos questionamentos que eu mais recebo.

Eu não tinha noção do desafio até uns 6 meses para cá, quando ele começou a juntar palavras em pequenas frases por conta própria, e várias das frases eram em inglês, ou então uma mistura das duas línguas. Muitas vezes eu só conseguia entender quando ele repetia na escola e a professora me traduzia (imagina se o fantasma da péssima mãe que não consegue entender o filho não aparecia de vez em quando?). É inevitável, o contato com o inglês é constante: com as professoras da escola, na televisão, na rua, com os amiguinhos do prédio ou do parque. E até então eu tentava resolver isso lendo livros em português e traduzindo os que eram em inglês, além de falar português em casa (apesar de as vezes eu achar fofo alguma coisa e acabar misturando inglês com português do tipo “não é your turn”ou “não é hora de lollipop”), mesmo assim eu entendi que estava chegando no momento que muita gente tinha me alertado: aquela hora que ou a gente fica em cima do português ou a criança corre o risco de perdê-lo.

brazil-ahead-1

Foi justamente nessa época que eu conheci a Cris. Na verdade, a irmã dela é seguidora do Futi há anos e quando viu que eu estava aqui em NY com o Arthur, quis fazer a ponte entre nós duas. Ela é dona de duas escolas por aqui, ambas com mais de 10 anos de mercado: a Brazil Ahead, que visa ensinar português para adultos e crianças, e a American Ways, que é especializada em aulas de inglês para brasileiros.

Marquei um café para a Cris me explicar tudo (e tive que cancelar quando eu já estava no local que combinamos porque recebi uma ligação da escola do Arthur porque estavam com suspeita dele ter torcido o dedo brincando), mas acabamos conversando mesmo pelo telefone. E ali ela me contou tudo sobre a Brazil Ahead e sobre o summer camp deles, que era o assunto que iríamos conversar no café. Acabou que a conversa foi do summer camp para educação bilingue dos filhos (a Cris tem um filho de 14 anos, então ela já passou por tudo isso que irei viver rsrs), e eu fiquei apaixonada pelo projeto. 

Aqui nos Estados Unidos, as férias maiores (equivalentes às nossas férias de fim de ano no Brasil) são entre Junho e Setembro e é muito comum que várias escolas disponibilizem summer camps para as crianças se divertirem durante as férias. E a Brazil Ahead tem um feito que é especialmente para crianças de 3 a 10 anos, filhas de pais brasileiros e que funciona como uma imersão não só na língua portuguesa como na cultura brasileira também. As atividades são pensadas cuidadosamente para que as crianças aprendam e estimulem seu português de forma lúdica e natural, enquanto aprendem mais sobre o Brasil.

brazil-ahead-5 brazil-ahead-6

Brincadeiras que faziam parte da nossa infância (morto vivo, estátua, adoleta), livros sobre histórias do nosso folclore, aula de teatro, shows de artistas brasileiros (vocês conhecem os Grandes Pequeninos, projeto infantil do Jairzinho, Tania Khalil e suas filhas? É uma fofura) e até mesmo aula de capoeira, que foi meu ponto fraco, confesso. Achei incrível e emocionante ver o Arthur se divertindo com as músicas, com os passos, com o berimbau – e pedindo para ir para a “papoeira” quando chegou em casa rs. 

Arthur era o mais novinho da turma, então meu coração de mãe achava que ele não ia se enturmar ou pegar o ritmo das outras crianças. De fato, muitas das ordens ele ainda não entende e algumas brincadeiras não eram suficientes para prender sua atenção, o que fez com que ele virasse o pequeno rebeldezinho da turma, mas as professoras conseguiram enturmá-lo com as crianças mais velhas e elas acabaram tomando ele como mascote, e foi de um jeito tão fofo e compreensivo que eu fiquei emocionada de novo.

brazil-ahead-3 brazil-ahead-2 brazil-ahead-4

Arthur ficou duas semanas no summer camp (o legal é que você pode fechar quantas semanas ou dias você quiser) e confesso que esse gostinho que tive me fez ter certeza que vou querer repetir todo verão. Poder oferecer uma parte da cultura brasileira para o Arthur é um dos melhores presentes que eu posso dar para ele. E é engraçado pensar que eu precisei sair do Brasil para perceber isso. E também fiquei mais tranquila de saber que, caso ele precise de um reforço no português quando for mais velho (muitos pais de filhos bilingues contam que em algum momento chamam professores particulares de português), eu já sei onde ir. Foram poucos dias, mas foram muito bem aproveitados, e como vocês acompanham toda essa minha caminhada como mãe morando fora e crescendo com essa experiência, achei que valia a pena contar para vocês mais essa experiência que tive. :)

E quem mora em Nova York e tem filhos pequenos, fica a dica de um summer camp que vale a pena em vários sentidos. Leitoras do Futi têm 5% de desconto tanto nas aulas quanto no summer camp, é só informar o código FUTILIDADES. :) Quem quiser mais informações pode entrar em contato no instagram da Brazil Ahead.

Beijos!

1 em Destaque/ maternidade no dia 11.07.2018

A melhor foto de pós parto que eu já vi (e como as pessoas julgam, não é mesmo?)

Essa semana participei de um post lá no grupo do Papo que temos no Facebook, onde uma foto postada não saiu da minha cabeça durante a semana toda.

A imagem do pós parto da blogueira australiana Constance Hall, registrada maravilhosamente por Trina Cary, mostra uma cena de pós parto um tanto quanto inusitada. A mãe, sentada na cama, está tomando um refrigerante e olhando para o celular enquanto o bebê está sendo cuidado pelo pai do outro lado da foto.

constance-hall

Quando eu vi a foto pela primeira vez, fui seriamente impactada por um alívio muito grande. Um alívio que eu nem esperava sentir. Um alívio que só aconteceu porque eu romantizava demais o momento pós parto, mais até do que o parto em si.

Eu jurava na minha cabeça cheia de referências hollywoodianas e de fotos do instagram, que a jornada na maternidade no dia do parto seria igual aos registros fotógraficos que eu já tinha visto. Repleta de momentos cheios de sentimentos tão viscerais. Achei que ia chorar copiosamente a ponto de gritar, que iria ficar inebriada e só ter olhos para o bebê e que imediatamente todos os meus interesses se diluiriam para focar apenas naquela pessoinha nos meus braços. Que eu iria virar uma leoa, uma pessoa completamente diferente, uma mãe. Não foi isso que aconteceu comigo.

Ou melhor, o momento mais inesquecível da minha vida com certeza foi o momento que eu vi o Arthur pela primeira vez. Mas quando o peguei nos braços, não tinha leoa, não tinha mãe, não tinha choro dramático, não tinha foco. Eu era apenas eu, segurando meu filho, assustada com o que viria pela frente, sem entender direito as proporções de mudanças que aconteceriam com aquela pessoinha tão pequena que eu havia acabado de conhecer. E um pouco incomodada com a falta de sensibilidade nas pernas, por causa da cesárea.

Lembro que quando voltei do quarto de recuperação, umas 3 horas depois do parto e já sentindo meu corpo todo novamente, fiquei esperando trazerem o Arthur para o quarto. E nessa espera, fiz algo que eu jurava que não aconteceria no dia que ele nasceu: pedi o celular. Centenas de mensagens de pessoas próximas nos parabenizando e querendo saber como tinha sido. Gente que eu nem sabia como tinha ficado sabendo do nascimento (ah, lembrei, meu pai foi um dos primeiros a postar no instagram). Ligações, whatsapp, Facebook. E eu ali, respondendo com poucas horas de atraso e recebendo mensagens surpresas por eu ter respondido tão rápido. Amigas que não eram mães e que, assim como eu até à véspera do meu filho nascer, não sabiam que existia vida no celular no mesmo dia do parto.

Ali, naquele momento, me caiu a ficha de que eu estava sendo ingênua por achar que o que eu via em 20 ou 30 fotos era exatamente aquilo que acontecia durante toda a estadia no hospital. Da mesma forma que não sabemos de fato da vida de ninguém que seguimos nas redes sociais, não dá para entender a real dimensão de um parto/ pós parto, só olhando ensaios de maternidade.

Mesmo não tendo contratado fotógrafa para esse momento, eu tinha na minha cabeça um roteiro de todos os clichês que iriam acontecer: nós na mesa do parto segurando o Arthur (essa foto a gente até tem rs), ele pegando no dedo de um de nós e esse fragmento ficaria eternizado como um símbolo de confiança e amor entre nós, Bernardo apresentando o Arthur para a família atrás de um vidro, enfim…Lembre de qualquer foto típica de ensaio de maternidade, que ela com certeza está presente no meu roteiro imaginário.

É por isso que eu achei essa foto da Constance tão genial. Porque esse momento da mãe pós parto, tirando um momento para dar uma olhada no celular e comer alguma coisa é impactante porque foge do padrão que estamos acostumadas a ver quando o assunto é maternidade, mas é muito real.

Você olha as fotos de outras mães que comentaram no perfil da Constance no Facebook e muitas mulheres se identificaram e postaram fotos com sacos de biscoito, com caixa do McDonald’s, com alguma coisa que elas estavam loucas para comer depois de ter tido o filho.

Nunca entenderei a quantidade de comentários negativos (a maioria foram apagados já) que essa foto teve e os julgamentos que Constance recebeu. Mas entendo que é uma foto provocativa e de certa forma incômoda, justamente porque ela quebra muitos paradigmas que não estamos acostumadas a ver quando entramos na seara da maternidade. Não é só a mãe ocupada com outra coisa além do filho recém nascido, é também o pai, que deixa de ser coadjuvante (o que é bom comum nesse tipo de registro) e vira um segundo protagonista. Ele não aparece ali apenas segurando o filho para mostrar para a família ou apoiando a mulher enquanto ela está ali naquele momento de criação de laços com o filho recém parido. Ele está cuidando, sendo pai, não aquele que “ajuda” e sim o que mete a mão na massa porque sabe que ele também faz parte desse momento.

E para quem sentiu falta de algo mais romantizado,  as outras fotos que a Trina Cary tirou do dia têm tudo aquilo que a gente gosta de acompanhar. A expectativa do parto, a emoção de conhecer o filho, o companheirismo do casal, e até mesmo o protagonismo do pai em outros momentos, tudo está registrado. Mas é claro que só essa gerou polêmica. Será que era mesmo necessário?

  • Obrigada Jacqueline, por ter trazido um tema tão bacana para o grupo. :D