Browsing Category

Destaque

0 em Autoestima/ Destaque/ maternidade no dia 29.03.2017

Que tal devolver um pouquinho do protagonismo às mães?

“Ah, mas quando você tem filho é assim mesmo, Carla, ninguém pergunta pela mãe, só quer saber da criança”. Essa frase eu ouvi quando eu estava brincando com a minha avó quando ela disse que ia sentir muita falta do Arthur quando eu voltasse para NY. “Poxa, vó, mas e eu? Não vai sentir minha falta?”, e recebi essa resposta de uma mãe que estava ouvindo a conversa.

Aí me lembrei do Faustão. Sim, do Faustão. Não sei se vocês repararam, mas ele sempre apresenta os famosos dizendo em algum momento que eles são mães ou pais de alguém. Isso sempre me incomodou, muitos anos antes de ter filho. É simpático e dá um toque “pé no chão” e família, claro, mas eu sempre pensava que a pessoa estava sendo convidada por algum motivo nada relacionado à maternidade ou paternidade e não fazia sentido misturar isso justamente na hora de apresentar.

Fiquei pensando sobre o assunto, sobre esse fato ser comum entre mães e comecei a reproduzir essa história entre amigas que têm filhos e até mesmo no grupo do Face e acabei descobrindo que isso irrita a maioria. Por que?

Porque quando você vira mãe você assume toda uma nova identidade bem diferente de quem você era antes do bebê nascer. Nem pior, nem melhor, apenas diferente e muito de repente. Sua liberdade não é mais integralmente sua, seu tempo não é mais totalmente seu, seu corpo não é mais o mesmo e se achar no meio dessa confusão – que ninguém te prepara – não é tarefa das mais fáceis. Aí, enquanto a mãe está tentando se achar novamente, todo mundo que vem falar com ela começa a puxar assunto sobre filho e maternidade. E a mulher volta para a estaca zero na lição de achar quem ela era antes de virar mãe.

Claro que boa parte dessa redescoberta tem que partir de nós mesmas. Temos que descobrir como achar a pessoa que éramos antes dos filhos, temos que fazer coisas que nos deem prazer e nos tirem da rotina materna, temos que redescobrir interesses, até mesmo sermos um pouco egoístas. Mas é claro que se as pessoas ao nosso redor nos ajudarem, isso é uma baita ajuda!

Look do dia (que acontece entre 1 e 2 vezes na semana haha), um dos meios que eu arranjo para retomar o protagonismo – mesmo com o Arthur do lado, como a mochila dele não deixa mentir rs <3

Uma das conversas que mais me marcou foi com uma amiga que escolheu largar tudo para viver a maternidade e nunca duvidou que essa foi a melhor escolha que ela fez. Até que um dia ela desabafou para mim sobre o quanto ela se sente desatualizada, desinteressante e monotemática quando passa o dia e ela vê que só falou sobre a vida materna. Que ela ama poder ficar com a filha, mas que não aguenta quando esse vira o único assunto com seus pais, suas amigas e com outras mães.

Eu sei que é muito mais fácil falar sobre crianças, é muito mais tranquilo e agradável puxar esse tipo de assunto. Eu, inclusive, adoro quando querem falar sobre o Arthur só para eu poder puxar o celular sem culpa e começar a mostrar meu arsenal de vídeos e fotos (eu nunca faço isso de primeira porque morro de medo de acharem chato haha). Mas vamos praticar o exercício de querer saber como as mães estão antes de saber dos filhos?

Se você encontrou uma amiga na rua com um bebê recém nascido, depois do “oi, tudo bem” pergunte o que ela tem feito, elogie, bata um papo antes de passar a atenção para o bebê. Se aquela conhecida largou tudo para ser mãe em tempo integral, saiba que ela tem outros interesses e não é porque ela virou dona de casa que agora ela só quer saber do preço do mercado, técnicas de faxina ou como fazer uma papinha nutritiva. Duvido que ela não queira debater aquela série ou sobre política, sei lá. Se sua colega de trabalho acabou de chegar da licença maternidade, não a trate como alguém que agora só sabe falar sobre tamanho de fraldas e horários das mamadas. Claro que ela está com saudades e com o coração na mão de ter que deixar aquela criança tão importante, pequena e indefesa com outra pessoa que não ela, mas o trabalho é uma ótima forma dela se reconectar e enxergar que ela pode ser muitas coisas além de mãe.

Pode soar chatice, pode soar problematização – ou melhor, é – pode até mesmo parecer uma reclamação – o que não é. Mas vocês não têm ideia do bem que podem fazer à autoestima de uma mulher ao mostrar para elas que elas são mais do que mães – e que elas têm outros assuntos além da maternidade. E não é nada muito difícil ou trabalhoso de se fazer, é só por um momento, lhe devolver o protagonismo.

E para todas as amigas e pessoas que me deixam ser a Carla sem o Arthur – que são muitas, para a minha sorte – muito, muito obrigada! <3

0 em Autoestima/ Destaque/ Relacionamento/ Zenklub no dia 24.03.2017

Ser solteira depois dos 30 não precisa ser um problema

A gente já sabe que não é impossível ser feliz sozinha e que nossa melhor companhia somos nós mesmas. Mas, não há como mentir que quanto mais nos distanciamos dos padrões sociais, como a idade certa para casar, por exemplo, mesmo a mais segura e feliz das mulheres se sente um pouco vulnerável.

Não importa o quão satisfeita você esteja na sua vida profissional ou quantos dos seus sonhos e metas você já realizou. Se você passou dos 30 e não está casada, é quase certo que em algum momento será cobrada sobre isso – por você ou pelos outros.

Ananda Nascimento, psicóloga e mestre em psicologia clínica que atende por videochamada no Zenklub, falou sobre o lado emocional de fugir dos padrões sociais e se viver de acordo com a própria essência: “As consequências são as mais diversas. Dentre as positivas, destaco o bem-estar psicológico e espiritual ao aceitar a si mesmo por ser quem se é, respeitando a sua própria essência. Assim, é possível se relacionar com os outros de modo mais franco e honesto, reconhecendo seus limites e necessidades. No entanto, como consequências negativas, assinalo o sofrimento psíquico gerado pelo sentimento de exclusão e de não pertencimento a um grupo social”.

No final do ano passado, a neuropsicóloga e coach de vida Andrea Cunha, que também atende Zenklub, escreveu um artigo inspirador sobre como explorar os pequenos momentos de felicidade do dia a dia. “Muito se fala da busca pela felicidade e que, no fundo, todos nós, do bom mocinho ao bandido, estamos em busca de sermos felizes. Mas a felicidade não é o destino e nem o ponto final, mas sim momentos presentes no percurso, na estrada da vida” (dá pra ler o artigo completo aqui).

Mas o que felicidade tem a ver com estar ou não solteira depois dos 30? Tudo! Reconhecer que se é feliz nas pequenas coisas do dia a dia é uma forma de lembrar que felicidade e plenitude não precisam ter a ver com status de relacionamento. Muito pelo contrário: quanto mais a gente se conhece – e a terapia pode ajudar muito nesse processo de autoconhecimento – mais a gente sabe o que cabe e o que não cabe na nossa vida.

Muitas mulheres relatam que conseguiram viver plenamente depois dos 30 – e isso tem menos relação com o fato de estarem ou não solteiras do que com o domínio que têm de si mesmas.

O Zenklub é uma plataforma que promove bem-estar e democratiza o acesso ao atendimento psicológico com consultas por vídeo-chamada. Possui mais de 80 psicólogos e produz conteúdo sobre saúde mental. Entre em contato: conteudos@zenklub.com

————————————— Esse post foi feito pelo nosso parceiro de conteúdo Zenklub <3
18 em Autoestima/ Destaque/ Saúde no dia 22.03.2017

Será que você me entendeu?

Nossa, volta e meia eu dou de cara com algum comentário ou mesmo elogio mascarando uma crítica velada de quem parece que não me entendeu. Uma coisa é não concordar ou não gostar, outra é não entender. Eu sei que meu discurso como um todo incomoda algumas pessoas, desce quadrado e pra alguns ele pode até ser agressivo. Quanto mais refém das verdades impostas da sociedade for a pessoa, mais a possibilidade de se desconstruir dói, eu sei disso, eu respeito isso. 

Nem por isso me torno dona da verdade universal, de forma alguma. Eu só sou dona da verdade do MEU CORPO. E nem todo dia é fácil ser dona da verdade do MEU corpo, porque muita gente parece ter algo a dizer sobre ELE, alguma dica pra dar para eu melhorar o MEU CORPO, com queixas que às vezes nem eu tenho. Curioso, não?

Essa semana uma pessoa conhecida começou a me dar dicas de perda de peso usando minha saúde, ou melhor uma questão hormonal, como desculpa. Querendo dizer que eu me sentiria mais bonita quando cuidasse do meu corpo “por saúde”. Será que eu sou a única pessoa louca que vê o quanto esse comentário é carregado de preconceito? No entanto eu fui fofa, vaselina e resolvi que não iria explicar para aquela pessoa que eu gosto DESSE CORPO. Não gosto da disfunção hormonal (que atenua na perda de peso, mas não resolve), mas gosto dessas curvas, dessa perna e desse peito. Posso querer mudar muitas coisas, com calma, mas isso não quer dizer que eu não posso gostar de mim durante o processo, seja lá qual for o meu processo ou momento. Eu me olho pelada no espelho e vejo uma mulher gostosa, por mais que eu não seja a maior entusiasta das minhas bochechas, mas isso é um problema meu, só meu.

Parecia impossível explicar para aquela pessoa que eu não preciso gostar do meu corpo quando ele for magro e desgostar dele quando ele não estiver tão magro assim. Parecia mais impossível ainda explicar que eu poderei mudar todo meu quadro de saúde gostando do meu corpo como ele é e mais complexo ainda provar que existem processos que são devagar e sempre. Nem só de dieta restritiva vive o emagrecimento, principalmente o saudável. Cada dia mais concordo com a linha de nutrição comportamental que a Camilla Estima segue e fala aqui no blog, cujo foco é mudar o comportamento alimentar, mais do que a alimentação em si. Não é um modismo, é um aprendizado. Mudando o comportamento com a comida, fazendo as pazes com ela, devagar e sempre. Sem rompantes, sem radicalismos e muitas vezes sem neuroses. O emagrecimento – se esse for o objetivo – pode demorar mais, mas essa linha para quem tem transtornos pode significar viver numa fase de paz constante com o próprio corpo.

Hoje eu não tomaria remédios para emagrecer, eu não faria nada que me levasse a ficar neurótica, paranóica e ansiosa com a minha alimentação. Para mim, que tenho um histórico de transtorno alimentar, sair dessa aflição é maravilhoso. É uma vitória, minha, do meu processo de terapia transpessoal.

É curioso como uma pequena parte das pessoas que veem o que eu posto, o que conto da minha história e da minha trajetória ainda vêm me dar conselhos – que eu não pedi – de como emagrecer, de qual grupo alimentar tirar, qual exercício ajuda ou como no fim do dia emagrecer é mesmo a chave da beleza e felicidade. Parece que ou a pessoa acha que eu to falando isso para aparecer ou ela não consegue conceber que eu estou MESMO tentando viver um processo INTERNO de me enxergar muito além dessas crenças limitantes que me fariam me sentir inferior a outras pessoas.

Eu acredito em sermos como quisermos e respeitarmos o outro como ele quiser ser. Acredito que magreza não é sinônimo de felicidade nem de saúde, qualquer pessoa que convivesse com a quantidade de gente magra que eu convivo que me conta de doenças psicológicas provenientes dessa pressão fit não faria essa associação tão rápida do corpo magro ao corpo saudável. Como eu sempre gosto de repetir, existe magro saudável, existe magro doente. Existe gordo saudável, existe gordo doente.

Na mesma proporção que anorexia nervosa e bulimia – doenças muito comuns mas que não enxergamos a olho nu – são doenças graves, a obesidade também é, só que essa todo mundo vê. Não existe doença melhor ou pior, então precisamos parar de rotular tudo muito rápido. Se os exames da pessoa estão bons, se o corpo dela está funcionando bem e se existe um equilíbrio da saúde física e mental, quem somos nós para julgar que alguém precisa ou não emagrecer? Existe um abismo entre ser obeso e ser fit. Ninguém precisa ser um OU outro, entre preto e branco tem muito cinza. Muita gente tem a estética da saúde física perfeita, mas ao ter que lidar com tanta pressão de atender o padrão imposto de beleza acaba no psiquiatra tratando depressão, crise de pânico, transtornos alimentares e afins. Nem tudo que parece é, principalmente na internet.

Quando eu tive meu corpo aparentemente mais saudável, em 2008, foi o ano em que eu tive meu quadro de saúde mais agravado. No meu menor peso eu sofria porque ainda via só o que não estava perfeito no meu corpo e tomava medicação para o quadro de depressão que desenvolvi e para tentar tratar a compulsão alimentar. Nunca tomei medicações tão pesadas, mas muita gente que não fazia ideia do que eu estava passando, dizia que eu ficava bem melhor magra.

Nunca diga pra alguém que você gosta que ela fica melhor magra. Pode parecer inofensivo, mas pode ser um gatilho muito perigoso dependendo do quadro. 

Eu hoje quero perder parte do meu sobrepeso para ter uma capacidade cardiorrespiratória boa para fazer minhas trilhas, para fazer minhas viagens e ter a longevidade que eu desejo. Analiso com meus médicos o histórico familiar e baseado nisso tomo as minhas decisões, que se aplicam só a mim. Quero fazer isso sem pagar um preço alto, mantendo minha saúde psicológica e minha sanidade mental, só quem já tomou uns remédios brabos de emagrecer sabe o quanto eles podem confundir nossas ideias e embaralhar os pensamentos.

Eu quero ter saúde equilibrada, física, mental e emocional. É isso que eu defendo nesse projeto do PAPO SOBRE AUTOESTIMA. Que a gente olhe a saúde como um todo, leve a sério o exercício não para ter um corpo fitness, mas para atender a recomendação da OMS de que façamos exercícios físicos para termos menos doenças e aliviarmos o estresse. Não para pagar a conta do brownie de ontem, essa coisa de compensação é um mecanismo muito perigoso, quase um gatilho para doenças nas quais muito pouca gente fala e que os profissionais especializados alertam.

A gente incentiva o exercício, a alimentação balanceada com vários grupos de alimentos e nutrientes, sem neurose ou paranóia. Sem culpa no dia que comermos aquele brigadeiro gostoso ou sem sofrimento no dia de comer um hambúrguer no Outback. Ninguém está incentivando uma alimentação vazia e rica em gordura ou cheia de muitas calorias na rotina, mas sim realmente fazendo as pazes com a comida. Cada um com seu nutricionista, cuidando do seu caso com os profissionais da área.

Como a Camilla diz: suco verde é ótimo, mas é só um suco. Ele não opera milagres. Na mesma linha um pedaço de bolo é só um pedaço de  bolo e sozinho ele não destrói a alimentação e o resultado de ninguém.

Aqui a gente incentiva um olhar individual sobre si mesmo, um olhar amoroso, acolhedor e sem comparações. Não adianta querer ter o corpo da Gisele quando seu biotipo é o oposto do dela. Não adianta buscar um padrão inatingível se você vê valor em curtir alguns prazeres que aquele perfil de estilo de vida não comporta. Não se comparar é um primeiro passo, cuidar do nosso próprio jardim é fundamental.

Minha vida mudou o dia que fiquei segura de quem eu sou. Foi ao longo de um processo intenso de terapia e espiritualidade. Nesse processo pude entender o quão incrível era ser a Joana, do jeitinho que ela é, com as curvas que ela tem e com muita coisa pra mudar e melhorar, mas podendo enxergar o que há de melhor nela HOJE, no aqui e agora. 

Hoje eu não me escondo atrás de alguém que não sou, não mascaro minhas fotos e nem fico procurando defeitos em mim ou no meu corpo. Eu encaro na terapia o que preciso melhorar, analiso e aprendo. O autoconhecimento foi a chave da minha segurança. A minha segurança me permitiu uma autoestima totalmente nova, essa por sua vez permitiu que eu fizesse as pazes com minhas curvas e minhas dobras. Eu comecei a ver beleza nesse corpo, que para alguns é curvilíneo e gostoso, para outros “gordo” e imperfeito, mas no fim do dia só importa o que eu realmente acho dele. 

E o que eu achar de mim, vai ser o que eu vou vibrar pro mundo. Quanto mais segura e confiante eu me sinto, mais sinto que as pessoas me veem segura e confiante, parece bobo, mas isso faz com que eu me sinta de bem comigo na grande maioria do tempo. Pra mim funciona muito. Não existe um único caminho, mas o que eu me proponho inclui não ser cruel e rígida demais comigo mesma. A ideia aqui é lançar um novo olhar sobre si, menos viciado.

Eu não sei se me fiz entender, mas um dia eu chego lá!

Beijos