Browsing Category

Destaque

0 em Autoconhecimento/ Autoestima/ Cabelo/ Destaque no dia 23.05.2017

O dia que eu parei de depender do secador

Eu sempre tive uma relação muito tranquila com o meu cabelo. Não tenho como vir aqui dizendo que o odiava ou que não gostava dele por algum motivo porque isso seria uma mentira deslavada. Ao contrário, tirando uma época que eu achava que podia ter uma franja certinha ou o corte chanel da Posh Spice naturalmente, eu sempre amei meu cabelo e tirando a cor, eu nunca pensei em fazer outro tipo de química. Nunca gostei de mim com escova ou chapinha, nem nunca cogitei um alisamento porque acho que não fico bem de cabelo lambido.

Dito isso, a verdade é que apesar de não alisar meu cabelo, eu sempre fui refém do secador. Tipo, muito. Apesar de amar o volume e já ter brigado com muitos cabeleireiros que teimavam em querer cortar de uma forma que o diminuísse como se fosse um problema (como assim? Volume, no meu caso, é VIDA), eu sempre tive um pouco de medo quando meu cabelo adquiria vida própria. Isso é, quando ele secava naturalmente e eu não sabia como iria ficar o resultado.

E o motivo disso? Porque eu queria que ele secasse como se eu tivesse acabado de fazer babyliss, mas isso acontece em 5% das secagens naturais. Ou seja, quando não secava dessa forma eu encarava como algo não muito bonito, uma secagem meio selvagem e descontrolada que não me agradava. Por isso, para evitar as surpresas que até então eu considerava desagradáveis, eu preferia secar os fios sempre com a mão, pelo menos assim eu conseguia “domá-los” sem tirar muito o volume.

Só que ultimamente comecei a ficar muito incomodada com o resultado dessas secagens, porque achava que ele estava ficando muito sem graça, principalmente agora, que está chegando perto da hora de cortar o cabelo de novo. Soma essa minha insatisfação com as minhas referências que têm mudado radicalmente, já que várias meninas estão assumindo seus cachos ou ondulados naturais, e pronto, lá estou eu sendo virtualmente inspirada. O maior exemplo para mim foi a Bruna Vieira, eu fiquei encantada com ela mostrando seus fios naturais e acabei me inspirando a tentar fazer isso com os meus também.

Outra coisa que me ajudou bastante a tentar mudar minha relação com a secagem natural foi a forma que eu usava meus finalizadores. Eu sempre usei o finalizador para selar as pontas e proteger do secador (já que a maioria dos finalizadores da Bio Extratus têm proteção térmica), mas descobri que podia fazer melhor se os usasse com o cabelo quase seco, amassando as pontas e modelando as ondas para deixá-las mais definidas.

Esse foi o passo de mágica para mim, porque me ajudou a ver que meu cabelo poderia ficar com um ondulado bonito e volumoso (só não está mais porque, como disse, estou precisando cortar). E tem me ajudado, inclusive, a parar de ficar tirando pontas duplas, uma mania que eu tenho há anos e que só ajuda a deixar as pontas, que já são secas por causa das luzes, ainda mais detonadas.

A prova de fogo que me mostrou que eu realmente quebrei a dependência foi no final de semana retrasado, quando fui para San Diego e o hotel que ficamos não tinha secador. Meu primeiro instinto foi desesperar, meu segundo foi aproveitar que eu estava em um fim de semana completamente relax e testar. Esqueci minha escova (aquela de madeira que eu amo, lembram?), não tinha secador, mas tinha meu finalizador, meus dedos e uma vontade de confiar no meu cabelo. E não é que deu certo? Acho que nunca curti tanto meu cabelo natural quanto nessa viagem.

Desde então eu já estou há um mês sem usar o secador, apenas com finalizador e com as mãos amassando os fios.. E o melhor? Não estou com medo de como meu cabelo vai secar e nunca imaginei que iria me sentir tão livre.

Claro que não aposentei o secador, ainda amo babyliss, mas gosto de lembrar que o motivo de eu sempre ter gostado tanto do meu cabelo – isso é, por causa de sua versatilidade – está mais firme e mais forte do que nunca.

2 em Autoestima/ Destaque/ Looks/ Moda no dia 22.05.2017

Looks da Cá: minha nova relação com a cintura alta

Já contei aqui várias vezes sobre a minha relação com meus seios. Eu queria muito que ela fosse melhor e mais bem resolvida, mas a verdade é que eu odiava ter peitos tão grandes na adolescência. Além deles não me deixarem tão livres quanto outras amigas minhas mais despeitadas, que podiam sair de blusas sem sutiã ou biquinis tomara que caia sem se preocupar que eles realmente poderiam cair, eu acabava sendo vista como o “mulherão” que eu nunca fiz questão de ser, e isso me deixava desconfortável.

Tanto que mesmo depois que fiz a cirurgia de redução e comecei a me permitir decotes e saídas sem sutiã, eu ainda guardava esses sentimentos todos na cabeço e até hoje (que ganhei uns quilos desde meus 20 anos e os peitos aumentaram de novo) ainda acho muito dificil desassociar.

O resultado disso foi uma postura errada de encaixar os ombros pra frente para tentar escondê-los, uma certa aversão por decotes e outros tipos de modelagens que poderiam evidenciar os peitos grandes. Não que eu não tentasse, só que ao contrário de tantas mulheres que se olham no espelho com decotes gigantes ou com peitos em evidências e se acham maravilhosas, eu não conseguia me achar bonita ou sexy, só via mesmo peitos pulando.

Uma dessas roupas que eu evitava ter no armário era justamente qualquer coisa de cintura alta e mais colada ao corpo. Eu até tentava arriscar  e descobri nas saias de cintura alta – lápis, sino ou evasê – boas aliadas, pois elas acabavam equilibrando meu quadril e não deixando os peitos ficarem em destaque.

Até que cheguei aqui e comecei a ver muitas mulheres com calças e shorts de cintura alta. Calça skinny, coladinha, com corpos parecidos com o meu e peitos de todos os tamanhos, inclusive maiores do que os que estão aqui comigo.

Não demorou muito para eu descobrir um modelo que eu amasse: 9″ high rise skinny jeans, da Madewell. Comprei primeiro uma calça jeans e tive a “coragem” de botar a blusa pra dentro, um medo que sempre tive porque tinha certeza que aumentaria a comissão de frente.

Olha, me senti sexy. Como nunca tinha me sentido antes em uma calça jeans.

E aí depois comprei outra, preta com rasgos no joelho, também da Madewell e com a mesma modelagem. E tive outra “coragem”: usar com uma blusa bem justa, pra dentro. Ou seja, tudo coladinho, coladinho, sem medo de peitões ou qualquer outra neura que a gente pode ter quando resolve vestir um look mais justo.

De novo, me senti poderosa. Não tanto pelo look em si, mais pela minha ousadia de quebrar minhas próprias barreiras.

E eu vi que realmente tinha tirado meu preconceito total com cintura alta e peitos avantajados quando adquiri recentemente um jeans bem diferente: uma pantacourt cintura altíssima. Também da Madewell, porque eu viro cliente fiel quando eu curto muito alguma coisa. E apesar dos jeans de lá não serem baratos (variam de 100 a 130 dólares), a qualidade e o atendimento ao cliente me fazem sempre experimentar as novidades de lá.

Eu não me senti tão sexy nesse modelo quanto nos outros, mas acho que a proposta desse tipo de calça nem é essa e eu nem esperava isso dela. Eu queria algo mais fashion/ousado e, novamente, eu só me interessei por esse tipo de modelo porque cruzei com muitas meninas lindas e estilosas – com todos os tipos de corpos – que me convenceram a tentar. Tentei, gostei, achei que tinha a ver comigo, levei. E o peito ficou mais em destaque, sim, e sabem o que aconteceu? Milagrosamente, EU NEM LIGUEI.

Eu ainda estou na dúvida se o fato de eu não ter ligado está mais relacionado à minha autoaceitação ou se é porque eu tenho visto tantas referências inspiradoras e reais nas ruas que estão me fazendo ter vontade de testar coisas diferentes, mas a verdade é que eu estou mais feliz do que nunca de ver meu corpo em outras modelagens, tomando diferentes formas e proporções independente das minhas neuras. <3

Vocês têm alguma história de bloqueio com peças que foi superado? Me contem!

 

3 em Autoestima/ Destaque/ Relacionamento no dia 19.05.2017

Não é sobre ele, é sobre você

Essa é a frase que não saiu da minha cabeça nas últimas 24 horas depois de ter passado o final de semana angustiada por conta de um carinha novo. Poderia ser um clichê da pessoa que não quer ou tem medo de se entregar ou se envolver, essas coisas que todo mundo sempre me conta e que eu mesma já vivi algumas vezes.

No entanto esse texto não é sobre ele, nem mesmo sobre o quanto ele deu uma mexida nas minhas vontades e sensações. Esse texto é sobre mim e minha dificuldade de enxergar as coisas de uma forma mais objetiva. Por mais que eu fuja, sempre acabo criando expectativas sobre ser a prioridade do cara.

É gostoso quando “calhamos” de nos interessar pela pessoa que também se interessa pela gente, né? Sentir que você é prioridade durante esse processo de se conhecer, ainda que a gente viva nesse mundo de múltiplos matches, é bem bom. Priorizar conhecer alguém em 2017 não é algo tão rotineiro. Quanto mais histórias eu ouço, mais parece que prioridade é algo que ninguém quer dar. Não sei, parece que ela dá direito a um risco de se envolver ou qualquer coisa do tipo.

Como eu disse, esse texto não é sobre ele. O tal cara não fez nada demais, muito pelo contrário. Parece que jogou limpo e o momento é que pareceu não estar propício, mas mesmo assim eu fiquei me sentindo boba de ter tido vontade de priorizar alguém de novo depois de 7 meses fechada para balanço. Nesse caso, a “culpa” foi minha, das minhas expectativas e do peso que eu dei a tudo isso. Logo eu, que adoro falar em leveza. 

Em seguida o sentimento de frustração deu lugar a uma angústia. Porque por mais que eu seja intensa e atualmente bem seletiva, eu não quero me tornar aquela pessoa refém de expectativas românticas e nem mesmo quero que cada tentativa de conhecer melhor um cara legal se transforme numa grande reflexão sobre a existência humana na terra.

As circunstâncias podem não ser boas, o momento pode ser delicado ou mesmo a outra pessoa pode não estar tão afim e isso não precisa se transformar em uma sensação ruim e totalmente irracional dentro do peito. No entanto, o que posso fazer? Aconteceu e agora estou tentando tirar disso um aprendizado.

No fim, me pego no paradoxo possível de acolher a sensação enquanto ela acontece ou querer mudar isso em mim no longo prazo. Intensa eu sempre serei, mas desejo um dia aprender a criar menos expectativas mesmo quando tudo conspira para o maior interesse. Conhecer alguém fica mais gostoso quando consigo ser leve. Achei que estava pronta pra isso novamente, mas talvez esteja enganada.

Expectativas podem ser nocivas até mesmo para uma relação de curto prazo. Acho legal pensar em aprender a dosar tudo isso. Um encontro esperado que cai por terra, um desencontro ou um desejo – meio sem sentido – de querer ficar junto com alguém que não pode ou não quer, pode ser conduzido com mais tranquilidade.

Seria fácil generalizar o cara, colocar a culpa nele e dizer que nenhum cara presta, mas não seria justo nesse caso. Não posso culpar o outro por causa da frustração das minhas expectativas. Elas são minhas, só minhas. 

Nessa hora me lembro da forma como enxergo o universo e da entrega diária que faço dos meus planos e vontades ao meu poder superior e assim consigo acalmar um pouco esse meu coração. Eu dou o meu melhor, mas peço para que só o que realmente tem algum aprendizado, alegria e/ou significado tenha força pra acontecer. Se a gente pede, precisa saber lidar com as consequências. 

Particularmente eu gosto de trazer as frustrações para a consciência. Pra mim é uma ótima forma de enxergar que, no fim, eu também tenho medo das consequências de me entregar. Sentir é maravilhoso, mas quando a gente se abre pra isso, tudo pode acontecer. Da alegria à frustração, tudo faz parte. Prefiro me arriscar e sentir a me trancar dentro de mim, e nessa hora me abro para as consequências disso.

Se aos 28 eu me joguei de corpo e alma para as novas aventuras, aos 30 acho que tenho preferido me recolher, no entanto não quero transformar isso numa máscara ou escudo que vai me transformar numa dessas pessoas que não consegue se envolver. Talvez essa versão mais seletiva seja mesmo uma forma de se arriscar com equipamentos de segurança.

O melhor que posso fazer é trazer meus padrões de comportamento para a consciência e me lembrar que o que tiver que ser vai ser, o que não for, que seja aprendizado, diversão e colorido no caminho das nossas páginas pretas e brancas.

No fim, posso até ter ficado frustrada com essa minha mania de criar expectativa antes da hora, ou até mesmo me afligido por ter demonstrado interesse e prioridade. No entanto é aquela – velha – história do quase. “Embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu “. Assim sendo, eu prefiro sentir dor por correr riscos, do que por não tentar.

Enquanto isso sigo sozinha, com minha bagagem, equilibrando meus pratinhos escolhendo quando me abrir e quando me recolher. Buscando um equilíbrio entre me envolver, me interessar e priorizar, sem me tornar refém das minhas próprias expectativas.

Sem medo de viver, ainda que reticente em arriscar demais.