Browsing Category

Saúde

3 em Autoestima/ Saúde no dia 20.04.2017

Vida Saudável: (des)construindo um conceito

Não é difícil ouvir, em qualquer lugar que eu frequente, sobre o assunto da moda: exercício físico, alimentação e estilo de vida saudável. Seja em uma academia ou em meio à outra rodada de chopp no bar, entreouvidos é possível perceber que há sempre o “personagem fitness” do grupo que vai puxar esse assunto. Está nos programas de televisão em horário nobre, nas redes sociais, na fila do mercado e até no almoço de domingo em família. Advogados, economistas, empresários e estilistas começaram a participar de grupos de pedal, se inscreveram – e começaram a ir – na academia e já até admitem diminuir o consumo de doces; ser saudável se tornou não só algo benéfico para a saúde, mas um estilo de vida. Até aí tudo ótimo, não é?! Quando essa busca se torna uma obsessão, a resposta é não. Definitivamente, precisamos conversar.

“A dieta desse mês é o corpo do mês que vem” – não, pensar assim não deveria ser considerado saudável.

Acompanho diariamente as redes sociais e, como não poderia ser diferente, sigo pessoas que possuem algum tipo de influência no mercado fitness, nutrição e qualidade de vida em geral, seja com dicas de treino ou ditando um lifestyle. Mas afinal de contas, já parou pra pensar o que é qualidade de vida? Dentre as diversas definições, a que eu acho mais completa diz assim: “Qualidade de vida indica o nível das condições básicas e suplementares do ser humano. Essas condições envolvem o bem estar físico, mental, psicológico e emocional, além dos relacionamentos sociais como família e amigos, a educação e outros parâmetros que afetam a vida humana.” Percebeu a complexidade? Hoje o que se prega na internet é o reducionismo dessa definição, nos induzindo a pensar que ser saudável é APENAS ter um baixo percentual de gordura e um bom punhado de músculos. Pelo menos é assim que muita gente propaga, de forma muito equivocada e perigosa, a imagem do saudável. E o pior é que muitas pessoas estão sendo influenciadas por esses “gurus” e estão construindo suas vidas e pensamentos em cima desse alicerce!

Primeiramente, é importante saber a diferença básica entre exercício físico e atividade física. Isso mesmo, eles não são a mesma coisa. Atividade física é toda e qualquer atividade que promova gasto energético, em eventos cotidianos e despretensiosos como carregar uma sacola de mercado, subir uma escada ou passear com o cachorro; exercício físico faz parte de uma rotina programada e planejada de atividades que promovam a melhora de diversas variáveis físicas. Enquanto uma se relaciona com hábitos cotidianos, a outra tem horário marcado e duração programada. Fazer exercícios físicos é muito importante, mas é só uma parte do quebra-cabeça. Enquanto a atividade física não for inserida na sua rotina diária, seu corpo e sua mente irão sempre te dizer que parar, seja lá o que você estiver fazendo, para ir à academia ou dar uma corrida é um mega sacrifício! E enquanto isso for um sacrifício, a chance de suas expectativas serem maiores do que os resultados são enormes. As consequências disso? Frustração, desânimo, depressão e distorção de autoimagem são as mais prováveis. A tendência é que o ciclo insatisfação – quebra de expectativa – culpa – insatisfação se perpetue.

Praticar exercícios físicos é extremamente benéfico pra todos e suas consequências positivas são incontestáveis. Para exemplificar, estudos demonstram que ele é capaz de regular a qualidade do sono através da maior duração da fase REM (sono profundo); prescrito de forma correta diminui os níveis de ansiedade e depressão, tanto por fatores fisiológicos (maior liberação de neurotransmissores como a endorfina e dopamina), quanto por fatores ambientais (socialização, contato com a natureza e mudança momentânea de foco); melhora a cognição e memória, através da capacidade de aumentar as sinapses neurais e ativar o hipocampo, entre outros. Quem não quer experimentar todos esses benefícios? O problema é que, em alguns casos, esses efeitos podem não existir ou até mesmo serem invertidos. Estar em privação de sono, em alto nível de stress ou em condições nutricionais desfavoráveis por um longo período interfere na forma como o seu corpo reage a esses estímulos.

Na outra ponta está o que chamamos de dependência ao exercício. É o desenvolvimento de um comportamento patológico na necessidade da prática excessiva de exercício físico. Existe uma corrente de estudiosos que indica que a necessidade de se exercitar em demasia seja um gatilho para o desenvolvimento de transtornos alimentares. É mais comum do que você imagina e tem gente se vangloriando por isso.

Percebe que é possível que você esteja praticando exercícios físicos regularmente, se alimentando melhor e mesmo assim não estar conseguindo adquirir qualidade de vida e saúde?

Mas como encontrar esse equilíbrio? Pode começar aceitando seu corpo do jeito que ele é hoje. Claro que todos nós temos o direito de buscar melhorias para nós mesmos, mas isso tem que ser uma busca interna, não para os outros. Dito isso, tente buscar alguma atividade que lhe dê alguma satisfação. Nós já somos bombardeados com obrigações, portanto as chances de você seguir com uma atividade que não é uma obrigação são maiores. Não precisa ser exatamente o que sua amiga magra gosta. Vale dança, luta, crossfit, esporte e tudo o que puder experimentar! Está mais do que comprovado que as pessoas que se exercitam para buscar uma melhora na saúde em geral (incluindo a estética) permanecem por mais tempo nessa prática do que os que visam simplesmente a aparência física – e no final das contas alcançam os objetivos estéticos mais frequentemente porque permanecem engajados por mais tempo. Esse é um ciclo que vale a pena seguir.

Você pode estar perseguindo um modelo de corpo que foi construído em cima de privações severas de alimento, treinamento intenso diário e toda uma equipe em volta dando o suporte para que se alcançasse aquele resultado. Agora me diz, isso parece ser saudável?

0 em Camilla Estima/ Convidadas/ Saúde no dia 13.04.2017

Coitado do chocolate…

Chega a Páscoa e todo ano é a mesma coisa. Uma enorme oferta de chocolates, que nos remete à diversas memórias afetivas e lembranças mas também uma carga emocional que traz pensamentos obsessivos de culpa em comer chocolate e doces em geral, sensação de perda de controle, de incapacidade de controlar seus impulsos, de que a qualquer momento você pode desembestar em comer todo o chocolate do mundo.

Como adoro o exercício, vamos desconstruir isso? Vamos começar por essa piadinha:

Por que ela é muito perigosa e me assusta demais?

As pessoas tem essa crença que se comerem demais na Páscoa ou em qualquer feriado, elas terão uma mudança corporal brusca e imediata, de um dia para o outro. ISSO NÃO É VERDADE!!!! Além disso pense em pessoas que tem questões reais de distorção de imagem corporal. Esse meme é um verdadeiro perigo e que pode mexer muito com sua autoestima, pois elas vão achar que isso vai acontecer com elas. E a avalanche de emoções, sentimentos, ações e comportamentos que isso pode desencadear é devastador.

Para resolver esse problema, ideias mirabolantes são propostas para você “não cair em tentação”. Te dão dicas de como substituir o chocolate por frutas, por versões diet/light desse doce, receitas fitness, medicações sempre como estratégia para enganar o cérebro contra a “tentação” que é o chocolate. Vamos lá no exercício da desconstrução:

– Frutas: Não substituem chocolate….de forma nenhuma e em tempo algum! Há lugar na sua vida e na sua alimentação para qualquer tipo de alimento…..tem espaço para as frutas como tem para o chocolate e os doces em geral.

– Chocolate diet: Ele é indicado para quem é diabético. Ele não tem menor valor calórico. Muita gente por achar que ele não tem açúcar e por isso não engorda e não gera culpa. M-I-T-O! Ele tem gorduras iguais à versão normal e promove, sim, ganho de peso se consumido em grandes quantidades.

– Doces fitness: Você pode até partir para essa estratégia mas é bem provável que emocionalmente ela não vai te suprir a vontade do chocolate. Resultado disso: você vai acabar comendo o fitness, continuar a pensar obsessivamente no chocolate/doce comum, e acabar comendo também. Ou seja, você estará comendo calorias a mais.

Você acha que, honestamente, vai conseguir enganar o seu cérebro assim quando se tem vontade de comer doce? Pra falar a verdade, dificilmente a gente engana nosso cérebro…..em qualquer situação que seja na vida. Ele comanda a grande maioria de todos os nossos processos fisiológicos.

Além de memes de mau gosto, tenho visto inúmeras pessoas nas redes sociais (os chamados influenciadores digitais, como modelos, artistas, blogueiras) sugerindo estratégias para driblar o consumo de chocolate, como por exemplo, dar o ovo que ganhou para outras pessoas que estão presentes e pedir para que elas contem o que acharam, enquanto a presenteada filma para as redes sociais e nem encosta no doce. Já vi também pessoas dizendo que quando ganham um ovo de Páscoa e elas não podem comer “por que estão de dieta”, elas abrem a embalagem, cheiram o chocolate e não come.

Essa prática parece ser bastante inofensiva, mas é uma estratégia bastante usada por pacientes com diagnóstico de transtornos alimentares, como a Anorexia Nervosa. Veja, não estou afirmando que esses influenciadores digitais têm esse diagnóstico, mas isso mostra um comportamento inadequado quanto aos alimentos, pautado em muita culpa e angústia por consumi-los. Cheirar chocolate não diminui a sua vontade por ele, muito pelo contrário. Muitos estudos na linha do mindful eating, ou comer consciente, dizem que se você tem um desejo muito forte por um alimento e não se permite comê-lo por qualquer crença, pensamento ou sentimento que seja, você desenvolve pensamentos repetitivos a respeito daquele alimento e a sua mente só “sossega” quando você o consome. Essa privação auto-imposta pode ser tão importante que na hora que você finalmente se permitir comer, você acaba comendo uma quantidade muito maior do que teria comido se no primeiro momento do desejo em comer você tivesse se permitido. Isso pode ser um fator de risco importante para o acontecimento de episódios reais de compulsão alimentar.

Não vamos demonizar o chocolate, não é mesmo?

Algumas sugestões que podem te ajudar a comer o chocolate em paz nessa Páscoa:

– Que tal investir em um chocolate que você realmente ama e que te faz feliz?

– Escolha o chocolate que vai comer, e não coma qualquer um apenas por comer

Coma devagar, apreciando o sabor e os sentidos que o chocolate te traz

– Relembre memórias que você tem desta data, do chocolate. O que tudo isso lhe remete? Quais situações? Quais personagens da sua vida? Traga leveza à esse momento.

– Compre tamanhos menores de ovos de Páscoa.

– Não dê mais importância do que é. É apenas um chocolate. Um chocolate que você gosta. Um chocolate que te traz prazer. E ponto final.

Chocolate não tem super poderes…..nem poderes extraordinários. Ele não é um bicho papão engordador. É apenas chocolate! Em vários aspectos da vida temos que dar o real valor e importância que as coisas exigem da gente. Supervalorizar tudo pode ser uma armadilha pra te acessar a questão da culpa por ter comido. Além disso, não devemos usar a Páscoa como uma desculpa para comer chocolate desenfreadamente, assim como não é um momento de se privar por conta de crenças, culpas e modismos.

Temos que entender que essas datas comemorativas fazem parte da nossa cultura e que temos que saber lidar com a presença delas na nossa vida.

Coma seu chocolate e seja feliz!

Beijo e Boa Páscoa!

0 em Autoestima/ Saúde no dia 24.03.2017

Camilla Estima + Daiana Garbin batem um papo sobre dietas!

A nutricionista comportamental Camilla Estimacolunista do futilidades, bateu um papo com a Daiana Garbin, do canal no youtube Eu Vejo. Ela falou dos pontos abordados naquele texto que ela escreveu aqui, sobre a influência das blogueiras fitness.

Os vídeos tocam nos pontos que Camilla trouxe de maneira bem interessante e achamos que valia compartilhar com vocês aqui no blog:

 

Acho legal pararmos pra pensar sobre isso, todas nós!

O que vocês acharam?

Beijos