Browsing Category

Autoconhecimento

2 em Autoconhecimento/ Autoestima no dia 27.03.2017

Autoconhecimento, a chave da minha mudança!

Eu recentemente fiz dois textos diferentes falando do meu corpo. Um foi look do dia e o outro um desabafo chamado “Será que você me entendeu?“. As duas vezes eu falei do meu corpo, como já falei várias vezes e quase sempre resulta num comentário (aqui, no insta ou no grupo) que contém um “eu ainda não tenho a sua autoestima” ou “ainda não consigo me enxergar como você”.

Bom, se eu for muito honesta, preciso dizer que fiz praticamente 7 anos de terapia com uma psicanalista numa linha meio Freudiana e agora já estou há 3 num processo de imersão com uma terapeuta bem diferente. Aprendi recentemente que o “nome” bonitinho da minha linha de terapia é transpessoal. Pois bem, obviamente nada disso aconteceu do dia pra noite. Também não quer dizer que ninguém precisa de 10 anos para crescer ou mudar.

Hoje eu posso afirmar sem medo que em 2015 comecei um processo de mudanças profundas que ainda não terminou. Acho que nesses dois anos de terapia eu mergulhei para dentro de mim mais do que todos os outros 8 anos juntos. Então me enxergar dessa forma é fruto de dois anos muito dedicados ao meu processo terapêutico, além de um ano de 2016 de muita dedicação aos cursos da Trilha dos Lobos. Posso dizer que nesses 3 anos de escola minha vida MUDOU completamente. Acho que nunca expandi tanto minha consciência, o que é incrível e desafiador ao mesmo tempo. Afinal, eu tenho que aprender e reaprender coisas que antes desse processo eu simplesmente fazia no automático.

Se eu disser que passei os últimos 3 anos tratando meu transtorno alimentar e minha autoimagem eu estarei MENTINDO. Isso mesmo, MENTINDO. Não foi a minha compulsão ou as minhas dobras ou minha dieta que dominaram a minha terapia. Foram meus comportamentos, minha forma de ver a vida e minhas experiências como um todo que me levaram a mudar.

Não foi uma mudança no corpo ou na alimentação que resultou numa nova imagem minha no espelho. Foi uma mudança na cabeça, no processo de me conhecer e me olhar de outra forma, outro comportamento, que me trouxeram a uma nova autoestima.

Quando eu emagreci antes eu não achei a nova autoestima. Quando eu mudei o cabelo ou alguma outra coisa na imagem eu encontrei mais beleza, mas não estima por mim mesma, autoconfiança ou segurança de ser exatamente quem eu sou. O que me trouxe a isso foi uma única palavra: autoconhecimento. 

Não existe uma receita padrão de autoconhecimento. Pra mim isso se deu através da minha terapeuta – que muito competentemente me ajuda a ver quem eu sou – além do meu processo de espiritualidade e das aulas da escola. Eu queria mudar meus pensamentos viciados, eu queria emanar pro mundo a minha vibração de essência e saí em busca disso. 

Me lembro claramente da minha terapeuta me dizer que quando eu abrisse mão de me importar com o julgamento dos outros eu iria me sentir incrível, eu iria brilhar, transparecendo toda minha essência. E que nessa hora viria a verdadeira segurança, felicidade e caminho para o reconhecimento. Dito e feito. Nunca me senti tão plena antes.

Eu abri mão das minhas inseguranças quando me senti segura de quem eu era, de qual era a minha – real – missão. Não me senti segura porque mudei meu corpo ou porque eu passei a “me aceitar como eu sou”. Não, não mesmo. Eu me senti segura no meu processo de autoconhecimento, na terapia, nos cursos, nos livros e conversas que me inspiraram a conhecer a verdadeira Joana. A essência, não a persona que a gente apresenta pro mundo.

Vejo inseguranças em mulheres de todas as cores, tamanhos e cabelos, em mim, em você e nada disso tem a ver com a imagem. A gente coloca pra fora na imagem. Talvez o padrão imposto de beleza ressalte isso, mas não é ai que mora a verdadeira questão, não na minha opinião. O reflexo no espelho reflete algo dentro. Por isso, seja lá como for, em qual caminho for, pra mim se conhecer ainda é a melhor receita para se tornar uma mulher segura.

Quanto mais eu me conheço, mais eu descubro aspectos positivos e negativos sobre a minha personalidade, quanto mais os conheço, mais eu consigo usar o que tenho de melhor e de pior a meu favor. Mais completa eu me sinto e quanto mais completa me sinto, mais segura eu fico.

Eu mudei minha relação com meu corpo porque eu me conheci, eu me conheci com ajuda de profissionais. Na terapia transpessoal, na espiritualidade, nos estudos sobre sombra, sobre Jung e num caminho novo de expansão de consciência. A consequência foi a responsável pela mudança da minha autoestima no corpo, no trabalho e nos relacionamentos, a consequência foi a segurança e a força de lutar pra ser exatamente quem eu sou.

Descobrir que a felicidade não estava num peso de balança, num corpo alheio ao meu ideal a inatingível ou mesmo numa peça de uma determinada tendência ou marca me fez parar de PRECISAR pertencer. Parece que eu me reconheci como indivíduo.

O meu caminho foi esse, o de outra pessoa pode estar num livro do Prem Baba ou Augusto Cury. Pode estar numa terapia cognitiva comportamental, ou mesmo nesse Freud que funciona pra tanta gente. As vezes a resposta vai estar na sua igreja, no que você lê ou assiste, em tudo que te provoca a experiência de se conhecer.

Não acredito em um só caminho, acredito no caminho que ressoa para cada um de nós. Pra ajudar que a gente viva de acordo com a nossa essência, vibrando o que a gente acredita e emanando isso. Ainda que o resto do mundo queira me taxar de inadequada, se eu sentir a minha verdade ressoando ali, está tudo bem.

Eu não vim ao mundo pra agradar todo mundo, eu vim para dar o meu melhor e ser exatamente quem eu sou, da maneira mais verdadeira, feliz e positiva que eu conseguir…

0 em Autoconhecimento/ Convidadas/ Destaque/ Devaneios da Mari no dia 03.03.2017

Quando a gente muda o olhar pra gente e para o mundo

ilustração: Henn Kim

Depois de algum tempo já fazendo parte dessa história linda que o Futi vem contando reparei que o meu olhar mudou completamente. Não só estou me enxergando melhor como meu olhar para o mundo também está infinitamente mais benevolente. E essa é uma mudança tão inacreditável que não poderia deixar de compartilhar aqui.

Pois é, eu nunca imaginei que um dia enxergaria a vida como tenho enxergado nos últimos tempos. Admito que passei muitos anos focando nos defeitos – os meus e os dos outros – onde quer que fosse. Em fotos, em vídeos, nas redes sociais… E essa visão não se limitava apenas à questão física/visual. Também se estendia para opiniões, estilo de vida, decisões. Basicamente existia julgando o mundo à minha volta e ao mesmo tempo tendo uma visão completamente embaçada, turva, disforme, de mim mesma.

E vou te falar o que fez com que virasse a chavinha de uma vez por todas: a empatia. Falando parece bem simples; o conceito é óbvio. Se colocando no lugar do outro a gente entende melhor de onde vem aquela atitude e consegue pesar menos a mão no julgamento. Mas sabe com quem eu comecei a ser assim? Comigo mesma. Porque antes de me colocar no lugar de qualquer um eu precisava me colocar no meu lugar, precisava me achar, me enxergar, me amar, me conhecer e me ler melhor.

Estou me abrindo aqui para te incentivar a fazer o mesmo. Porque não tem um dia que eu não olhe pra trás e não sinta genuinamente como sou uma pessoa melhor, mais leve, dessa forma. Autoestima é se amar e tratar bem e também tratar bem o outro. A verdade é que mesmo quando conhecemos alguém muito bem, nem sempre vamos saber de onde partiu certa atitude. Afinal, a gente não sai contando por aí o que contamos, por exemplo, pra psicóloga. E tem coisas que nem pra ela conseguimos falar. Então se lembre sempre disso.

José Saramago diz que “todo homem é uma ilha”, o poeta inglês John Donne diz que “nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra”, pois eu acho que somos na verdade um arquipélago, uma reunião de ilhas que precisa uma da outra pra formar esse coletivo, mas que tem suas individualidades. E essas individualidades são tão particulares que algumas delas nem nós mesmos conhecemos – sobre nós mesmos. Se a maneira que eu ilustrei não faz tanto sentido pra você não tem problema, só tente se apegar ao conceito. Se você ainda está se conhecendo, por que o outro não pode estar também? Sei lá, só um devaneio…

6 em Autoconhecimento/ Convidadas/ Destaque/ Juliana Ali/ maternidade no dia 22.02.2017

Esse é um texto sobre mãe

A Carla é a mamãe aqui do Futi, sempre escrevendo relatos sensíveis, admiráveis e honestos sobre sua relação com a maternidade. Hoje, vou pedir licença para a Carlota e, se ela me permitir, falar um pouco sobre esse assunto também. Amiga, posso?

Tenho dois filhos. Teodoro tem oito anos e Carmen tem dois. Não sou o tipo de pessoa que romantiza a maternidade. Como ela costuma ser mostrada pelo lado bom, levei um susto quando ela chegou pra mim. Descobri que vem um montão de coisas ruins, junto com o bom. Aliás, como com tudo na vida. Não tem bom sem ruim, e vice versa, não é mesmo?

No entanto, hoje, vou falar, sim, de algo bom sobre a maternidade (quem sabe um outro dia, conto meus perrengues. São montes. Não tem fim. Mas não hoje). Hoje, vou falar sobre o que a maternidade fez por MIM. Esse não é um texto sobre filho, é um texto sobre mãe.

( *DISCLAIMER: Antes de tudo, queria dizer que não sou uma dessas pessoas que acha que mulher tem que ter filho pra ser feliz. Que só conhece o amor quando tem filho, que mulher sem filho é frustrada, e esse monte de blablablá horroroso que só inventaram para limitar a vida de quem não tem a menor vontade de ser mãe. Tenho muito orgulho das mulheres que desafiaram a sociedade e disseram: Não, isso não é pra mim! Sou feliz assim! E também não acho que o que vou falar abaixo não possa ser alcançado de outra maneira que não seja através da maternidade. Só foi o jeito que eu, Juliana, consegui alcançar. <3)

Ok, então vamos.

Fiz quarenta anos no último domingo, e essa passagem de década, tão marcante, naturalmente me botou pra pensar em um monte de decisões que tomei durante minha vida. No que fiz certo, no que errei.

Concluí, entre montes de decisões que achei que arrasei e outros montes que achei que fui uma bela de uma anta, que ter filhos foi minha melhor decisão entre todas da vida.

Cheguei a essa conclusão ao pensar no quanto mudei desde que virei uma mamãe. O que ser uma mamãe fez por mim, para mim, como pessoa, como Ju.

A maternidade me fez abandonar o supérfluo. Me fez colocar a vida em perspectiva. Deixei pra lá muita bobagem, seja por agora ter outras prioridades, por ter que focar minha energia porque o tempo é mais curto, ou mesmo por puro cansaço. E isso foi um alívio.

A maternidade me fez forte. Parei de sofrer por muita coisa, que passaram a se tornar menores, sem sentido, bobas.

A maternidade me trouxe foco. Objetivo. Razão. “Vamo lá, levanta, é pelas crianças”.

A maternidade me fez humilde. A arrogância que me acompanhava até então – eu, que sempre me achei tão sabida – foi pro lixo. Olhar para uma criança e pensar desesperada “e agora, o que eu faço”, pode mesmo quebrar a cara de uma espertona.

A maternidade me aproximou da minha própria mãe. Eu, tão crítica dela, compreendi tudo. A angústia, o medo, a culpa, o esforço, as dificuldades, as tentativas diárias de fazer o seu melhor com todo o amor desse mundo, e mesmo assim errar, sem querer.

A maternidade me aproximou de todas as outras mães, e de todas as outras crianças. Hoje, vejo uma mãe na rua, com seu filho pendurado no pescoço, muitas vezes cansada, e minha vontade é ir lá dar um abraço. “Tamo junta, amiga. Força”. E quando vejo uma criança chorando? “Tá tudo bem meu amor, eu te acalmo”. Sou mãe de todas elas, um pouquinho.

Tem gente que sonha em, quando for embora desse mundo, deixar sua presença nos livros de história, talvez em um filme sobre si próprio, talvez em discos, livros, ou outra coisa que marque pra sempre sua passagem pela Terra. Eu não. Não ligo pra isso. Me enche de orgulho imaginar que talvez, um dia, muito tempo depois que eu morrer, Teodoro vai cantar “O Segundo Sol” da Cássia Eller para seus netos e dizer “minha mãe cantava essa música pra mim antes de dormir”. Ou então, daqui 30 anos, Carmen vai ver uma amiga triste e falar pra ela, “amiga, calma, minha mãe sempre diz que não tem ruim sem bom”. Esse é o meu legado. É o legado que eu quero. O que vai ficar de mim, neles.