Browsing Category

afiliado

1 em afiliado/ Beleza/ pele no dia 01.05.2018

Para o feriado, uma seleção de máscaras faciais

Eu não sou a mais entendida dos produtos de beleza. Não saio correndo atrás de novidades, dificilmente sou aventureira a ponto de comprar só para experimentar e dificilmente troco também. Só que como tudo na vida tem uma exceção, a minha se chama “máscara facial”.

Aí, amigas, eu saio do 8 para o 80. Amo descobrir novidades, costumo ter em casa sempre uma variação de 5 a 6 máscaras e de marcas diferentes, estou sempre procurando novidades e geralmente não passa uma semana sem que eu não aplique pelo menos uma delas.

São práticas, a maior parte têm fácil aplicação, muitas são baratas e todas me fazem ter aquela sensação de que eu posso parar para tirar 15 minutos do meu dia só para relaxar, sem ficar pensando em todo o resto que tem pra fazer.

Como faz um tempo que não temos falado sobre esse assunto por aqui, resolvi dividir com vocês a minha seleção de máscaras preferidas. Umas que têm aqui e aí, outras que só tem aqui porque se tem uma coisa que me pedem é para dividir mais produtos de beleza daqui (coisa que eu não dou muito pelo motivo citado lá no primeiro parágrafo rs).

Recentemente uma amiga, a Laura, fez no seu instagram um desafio de 30 dias/30 máscaras. Quem quiser ter mais indicações de produtos desse tipo, pode correr lá para achar muitas novidades.

Não vou fazer um desafio de 30 dias, mas vou contar aqui as que eu tenho usado ou já usei:

MASCARAS1

 

Máscara facial Sephora: acho que foi o produto que me fez entrar no mundo das máscaras faciais. Aquele tipo de compra que você só efetua porque está na fila da Sephora e vê uma nas gôndolas que delimitam as filas, para mim foi o começo de um caminho sem volta. Cada sheet mask (tipo uma folha que você coloca no rosto) custa R$34, Levando em conta que custa $6 por aqui, diria que no Brasil acho cara para o que é. Existem melhores com preços mais amigos. Minhas preferidas: Pomegranate (anti cansaço e energizante) e Pearl (iluminadora).

Máscara Facial Mineral efeito peeling, da Vichy: Fui influenciada pela Joana, que fez post aqui no blog e eu fui imediatamente na farmácia comprar. Desde então, essa tem sido uma das minhas preferidas. Ela revitaliza a pele e deixa super iluminada. Aqui nos Estados Unidos eu só encontro o potinho de mais ou menos 60ml, cujo preço varia entre $15 a $20. Eu confesso que prefiro a versão brasileira, cujos sachês que rendem duas aplicações custam em torno de R$18. É mais prático e dá para variar mais.

Máscara de carvão vegetal, Óceane: As máscaras de carvão dificilmente têm erro. Essa da Óceane é bem relaxante e deixa a pele com um viço bem lindo. Compro só quando estou no Brasil mesmo, até porque acho o preço – em torno de R$18 por uma aplicação – muito bom para a qualidade do resultado que sinto na pele. Essa máscara tem efeito peel off, ou seja, ela endurece, vira realmente uma máscara e sai por inteiro (em termos, né? Nem sempre consigo esse feito rs).

Máscara de hidratação, Missha: na verdade, a primeira vez que experimentei uma máscara dessas foi aqui nos Estados Unidos, mas durante minha caça aos links para esse post, fiquei sabendo que a marca coreana chegou no Brasil. Se a gente for converter, a gente dá uma choradinha ($3 por aqui, para R$33 aí), mas mesmo estando bem mais cara, ela vale a pena. É mais uma sheet mask e vem tanto produto dentro do sachê que fiquei com a impressão que dava para dividir em duas aplicações. rs

Como eu tenho experimentado muitas por aqui, vou dividir algumas que já usei/estou usando. A maioria compro na CVS, que é a farmácia com mais variedade de marcas de máscaras, mas já comprei também na Sephora e na Urban Outfitters. Outra dica novaiorquina para loucas por máscaras é a The Mask Bar, uma loja que fica na Bleecker Street QUE SÓ VENDE MÁSCARAS. Tem para rosto, para olho, para boca, de todos os preços, marcas e indicações que você puder imaginar. Resumindo, é o paraíso em Nova York.

mascaras-2

Lemon & Mint, CVS – Essa máscara foi uma bela surpresa. É da própria CVS e custou menos de $2. Comprei só porque realmente estava barata, mas não esperava nada dela. Na embalagem diz que é para detox, mas eu diria que o efeito dela é mais clareador. A sensação de frescor da menta é uma delícia e o limão clareou sensivelmente a pele, tanto que as olheiras gritaram quando tirei a máscara. Levei um susto. Fiquei com vontade de experimentar as outras da mesma marca, mas por enquanto só usei essa mesmo.

Animal Face Mask, The Crème Shop – também vende na CVS, essa foi outra máscara que comprei só pela fofura da proposta: cada máscara tem um bichinho diferente estampado. Só que além de fofa, ela também é super boa. A máscara vem tão encharcada de produto (acho que isso é uma característica das máscaras coreanas rs) que eu não consegui seguir as instruções de deixar a pele absorver o produto naturalmente depois de tirar a máscara. Mas a pele fica com um viço lindo e super hidratada. Adorei. Minhas preferidas: “Glow Up, Skin (unicórnio)”, “Calm Down, Skin (gato)” e “Cheer Up, Skin (zebra)”, mas na verdade todas são legais.

Tonymoly, na Urban Outfitters: Me ganhou pela embalagem, que achei tão bem resolvida. Já experimentei a de rosa (revitalizante), a de limão (iluminadora) e a de aloe vera (hidratante) e gostei de todas. A marca também é coreana mas curiosamente não vem tão encharcada quanto outras marcas coreanas. Dá para comprar 2 por 5 dólares nas lojas da UO.

Mini Meow Chrome Mask Trio, da I Dew Care: Vi a máscara disco kitten, que vem com pó de pérola e pó de diamante para esfoliar gentilmente, iluminar e remover impurezas, no desafio das máscara da Laura e fiquei morrendo de vontade de comprar. Fui na Urban Outfitters e achei o trio de mini máscaras, ou seja, dá para testar tanto a Disco Kitten (iluminadora), a Space Kitten (esfoliante) e a Sugar Kitten (hidratante). Todas as 3 são peel off e o curioso delas é que cada uma quando seca fica com um brilho diferente. A Disco fica realmente perolada e a Sugar tem um efeito holográfico. Mas não é só carnaval, não. As 3 realmente funcionam e o resultado quando tira a máscara é visível e sensível.

Alguém aqui também ama máscaras faciais e quer dividir suas dicas?

0 em afiliado/ Beleza/ corpo no dia 16.02.2018

Ajudando a pele no frio

Eu já falei muitas vezes que eu não sou das maiores fãs de hidratante, principalmente o corporal. A sensação de ficar melada com a roupa grudando (porque eu não tenho paciência de esperar secar) nunca foram as minhas preferidas, até eu encarar meu primeiro inverno no ano passado.

Mais ou menos 3 meses de frio + calefação foi destruidora para a minha pele (aliás, acho que para todas as peles). Corpo, rosto e mãos sofreram e eu passei a usar hidratantes somente para o rosto e para as mãos, o corpo eu continuei dando uma negligenciada por causa da minha aversão à tal da sensação.

Até que esse ano eu não aguentei. A pele estava pedindo arrego de tal forma que eu resolvi passar por cima e usar um creme que eu ganhei da La Roche Posay e trouxe na mala em Outubro. Também adicionei nessa lista um creme para pés, porque a rotina de andar muito e de fazer o pé apenas de 15 em 15 dias deixa minha sola bem destruída. Quem diria, né.

Resolvi pegar esse assunto para contar do que eu venho usando e gostando aqui. Mas já adianto que to aberta a novidades:

hidratantes-frio

Lipikar Loção para pele seca – Esse foi o hidratante que eu trouxe na mala e que ganhei das meninas de L’Oreal. Segundo elas, essa loção era perfeita para o inverno, e depois de 1 mês e meio de uso, estou concordando. Sua textura mais leve e aquosa garante uma absorção mais rápida, mas a hidratação continua duradoura (até o dia seguinte pelo menos). Não tem fragrância e, apesar de eu sempre ter preferido cheirinhos gostosos, estou até preferindo.

Manteiga Hidratante de Lavanda, da Bio Extratus – Esqueci a minha no Brasil e só fui lembrar disso quando vi a Joana usando a dela na Noruega, só que ela basicamente foi a minha maior salvadora do ano passado, quando eu não sabia direito o que fazer com a minha pele no inverno e ainda evitada hidratante. Usava principalmente nas áreas mais críticas e desidratadas que não costumo dar atenção: cotovelos e joelhos. E também é ótimo para usar antes de dormir, já que o cheiro da lavanda fica pairando no ar e ajuda a dar uma relaxada.

Hydro Plumping Re-Texturizing Serum Concentrate, da Kiehl’s – Gosto de usar à noite. Ele foi criado para suavizar linhas de expressão causadas pela desidratação causada pela idade, que acaba dando aquela impressão de pele cansada. Até acho que ele suaviza, sim, mas gosto dele porque oferece uma hidratação super eficiente e resiste até mesmo uma noite inteira na calefação, coisa que não senti com o Mineral 89, produto que vou falar abaixo.

Ultimate Strenght Hand Salve, da Kiehls – Ele também não está na foto porque eu acabei substituindo pelo da Caudalie no meu dia a dia, mas enquanto fazia o post, lembrei como ele é bom. Ele é um hidratante feito para “mãos ativas”, e apesar de dar exemplos de trabalhos manuais e industriais pesados, eu digo que ele é perfeito para usar no dia a dia. Ele forma uma película protetora que resiste inclusive à água (eu lembro que alguém me falou que dava para lavar as mãos umas 5 vezes antes do hidratante sair de vez, mas não tenho certeza se essa informação está correta). Agora pensando bem e na minha realidade de dona de casa, to achando que vou substituir o da Caudalie por esse. rs

Creme Gourmande Mains et Ongles, da Caudalie – Ele não aparece na foto porque minha mãe roubou quando esteve aqui em Dezembro e eu ainda não comprei outro. Eu amo a hidratação, amo o cheiro, amo a textura.

Mineral 89, da Vichy – Conheci esse produto na casa da Joana no ano passado, quando Maraisa resolveu me maquiar e passou esse booster na minha pele antes da base. Foi um presente da marca que ambas ganharam, mas ela me vendeu tão bem e eu gostei tanto dele no meu rosto que no dia seguinte eu estava na farmácia comprando. Ele é um gel hidratante e fortificante que deixa a pele com um viço bem maravilhoso e eu gosto de usá-lo antes da maquiagem.

E vocês? O que usam para ajudar na hidratação do inverno?

1 em afiliado/ Book do dia/ Comportamento no dia 25.01.2018

Book do dia: Origem, de Dan Brown

Vocês são que nem eu, que também sentiram muita falta dos livros do Dan Brown? Depois de quase 5 anos sem lançar nenhum título novo – o último, Inferno, tem resenha aqui no blog – eu quase não acreditei quando vi Origem, que foi lançado no começo de outubro e marca o retorno de Robert Langdon.

dan-brown-origem

Eu já falei aqui uma vez, mas vou falar de novo: eu sou louca com a forma que Dan Brown consegue misturar simbologia, conspiração e história da arte em um só livro. Se em 2013 ele revisitou A Divina Comédia, dessa vez vamos com o Professor Langdon para a Espanha. A sinopse é essa aqui:

De onde viemos? Para onde vamos?

Robert Langdon, o famoso professor de Simbologia de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbao para assistir a uma apresentação sobre uma grande descoberta que promete “mudar para sempre o papel da ciência”. O anfitrião da noite é o futurólogo bilionário Edmond Kirsch, de 40 anos, que se tornou conhecido mundialmente por suas previsões audaciosas e invenções de alta tecnologia. Um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, há 20 anos, agora ele está prestes a revelar uma incrível revolução no conhecimento… algo que vai responder a duas perguntas fundamentais da existência humana.
Os convidados ficam hipnotizados pela apresentação, mas Langdon logo percebe que ela será muito mais controversa do que poderia imaginar. De repente, a noite meticulosamente orquestrada se transforma em um caos, e a preciosa descoberta de Kirsch corre o risco de ser perdida para sempre. Diante de uma ameaça iminente, Langdon tenta uma fuga desesperada de Bilbao ao lado de Ambra Vidal, a elegante diretora do museu que trabalhou na montagem do evento. Juntos seguem para Barcelona à procura de uma senha que ajudará a desvendar o segredo de Edmond Kirsch.
Em meio a fatos históricos ocultos e extremismo religioso, Robert e Ambra precisam escapar de um inimigo atormentado cujo poder de saber tudo parece emanar do Palácio Real da Espanha. Alguém que não hesitará diante de nada para silenciar o futurólogo. Numa jornada marcada por obras de arte moderna e símbolos enigmáticos, os dois encontram pistas que vão deixá-los cara a cara com a chocante revelação de Kirsch… e com a verdade espantosa que ignoramos durante tanto tempo

Quem conhece o estilo de Dan Brown já sabe o que esperar. Narrativa ágil, leitura rápida e capítulos curtos e que te deixam curiosa para o próximo, por isso cuidado para não fazerem que nem eu, que comecei a ler antes de dormir e quando reparei já passava das 2 da manhã e eu ainda estava me prometendo que aquele seria o último capítulo que eu leria (mentira, claro).

Tudo bem que eu sou uma entusiasta dos livros digitais, mas eu tinha esquecido como é uma delícia ler os livros de Dan Brown com o Google do meu lado. O autor cita tantas referências de lugares e obras de arte que a leitura fica muito mais especial e interativa quando você consegue visualizar imediatamente tudo que ele está falando.

Em Origem, Dan Brown flerta com inteligência artificial e o futuro da tecnologia e mistura isso tudo no cenário artístico espanhol, tão rico e tão moderno.

A única coisa que me incomodou foi um detalhe que sempre acontece em todo livro que eu já li dele, mas nem sempre me incomoda: a teimosia de tentar arrumar um romance para Robert Langdon. Eu não vou falar muito para não dar spoilers, mas acho que dessa vez foi uma das mais incômodas, porque não existiu um momento durante o livro que me fizesse achar que existia uma conexão amorosa entre ele e Ambra, a mulher que o acompanha nessa aventura. O livro já é tão rico como suspense e aventura, tão rico em detalhes de lugares e obras de arte, que não vejo sentido nenhum de tentar botar um romance no meio, vocês também têm essa sensação?

Tirando isso, vale a leitura. Certeza que ninguém aqui vai demorar mais de uma semana para terminar. :)

Quem quiser comprar, achei para vender na Saraiva (versão impressa e ebook) e nas Americanas.