1 em Beleza/ pele no dia 07.08.2018

Melasma e algumas das dúvidas mais frequentes!

pele-3

Dentre os assuntos de pele que mais foram pedidos por vocês que lêem o Futi, além da rosácea, o melasma foi super abordado. A Joana tem melasma e controla com ajuda da Dra. Vanessa Metz, que também explicou um pouco sobre o assunto para quem já tem ou quer prevenir a pele das manchas, com por aqui a Jô ainda está ensaiando como vai escrever sobre sua experiência com o melasma, resolvemos tirar algumas dúvidas antes.

pele-2

O melasma é um assunto abrangente, mas de forma resumida, é uma doença crônica geneticamente estipulada, mas não é exatamente hereditária. Não é porque sua mãe tem que você obrigatoriamente vai ter também, mas é sim genética no sentido de que as pessoas que desenvolvem as manchas possuem células que estavam programadas para em algum momento da vida apresentar o melasma”, explicou.

pele-1

A Dra. Vanessa explicou que não apenas os fatores hormonais e o sol, são as únicas formas de apresentar melasma. “Antes, as pessoas acreditavam que o melasma era desencadeado apenas por fatores hormonais como uso de anticoncepcional e a gravidez ou pela exposição ao sol, porém, já se sabe que outros fatores também desencadeiam o melasma, como o stress e mesmo a luz dos eletrônicos e a claridade dos ambientes”, conta.

pele-4

Não, mas tem tratamento e pode regredir. Para cuidar do melasma existem diversas formas e o seu dermatologista vai indicar o que considerar mais eficiente para cada tipo de mancha, no entanto, Vanessa ressaltou que o segredo mesmo, continua sendo a boa e velha prevenção. “Prevenir é fundamental, porque mesmo que você já tenha o melasma, serve para evitar que ele fique mais pigmentado”, explica, afinal ele pode sempre piorar.

O protetor solar segue sendo nosso melhor amigo nessas horas, porém a Dra. Vanessa explicou uma técnica eficaz para proteger a pele duplamente: uma combinação de protetor químicos e físicos com cor!

“O protetor químico é a maioria dos que estão no mercado que são absorvidos pela pele e quando a radiação penetra ocorre justamente uma reação química da UV + creme que faz não deixar que a radiação prejudique a pele. Já o físico não é absorvido ficando sobre a pele evitando a penetração do raio UV. Melhor ainda usar o que tem cor. A cor é importante não apenas para fins estéticos de poder usar como base, mas porque o pigmento faz uma barreira física, que rebate a radiação solar e não permite que penetre na pele. Porém, como uma parte dessa radiação ainda atinge o nosso rosto, o protetor químico deve estar por baixo do físico para o pouco que ainda entrar de radiação, ele combater os efeitos do sol”, diz.

Ainda assim, a Dra. Vanessa explica que não precisamos deixar de frequentar a praia, piscina ou fazer atividades ao ar livre. “Tendo cuidado, o melasma fica sob controle e mesmo que ele pigmente, voltar com a rotina de cuidados da pele e os tratamentos de consultório ajudam a despigmentar com o tempo”.

Acho que esse assunto de melasma vai aparecer mais por aqui, a Joana cuida de forma muito cautelosa do que ela tem, que já regrediu bastante. Ela faz de tudo para previnir uma pigmentação maior, por isso esses cuidados vão ser mais assunto por aqui. Vocês sempre podem mandar suas dúvidas de pele para nós.

Gostou? Você pode gostar também desses!

1 Comentário

  • RESPONDER
    Bruna
    07.08.2018 às 10:51

    Vocês poderiam fazer uma lista de protetores físicos e químicos para usar em conjunto conforme a orientação da dra. Vanessa

  • Deixe uma resposta