3 em #paposobremulheres/ Autoestima/ Comportamento no dia 23.03.2018

Papo Sobre Mulheres: A costura mudou minha autoestima

Eu sempre fui uma mulher com boa autoestima. Mesmo nos altos e baixos com meu peso, consegui construir em mim uma imagem que agradasse independente do número de manequim que eu usasse. Porém, era exatamente nesse quesito que eu tive algumas crises de autoestima na vida: quando o número do manequim passou a ser um problema nas lojas que frequentava.

Usar manequim 48/50 começou a se tornar um desafio e uma frustração porque não é em todo lugar que se encontra roupas da “moda” em numeração grande. E eu, sempre apaixonada por moda, me vi refém de roupas que não condiziam com meu gosto pessoal e minha idade. Não que haja uma idade certa pra usar determinada roupa, mas a maioria das roupas para mulheres gordas são roupas sem boa padronagem, sem apelo fashion, sem graça, com tecidos ruins e estampas duvidosas.

Além disso, uma roupa bacana na minha numeração nunca custa menos do que três dígitos e isso é muito desanimador. Paralelo à essa situação, crescia em mim uma vontade há muito tempo adormecida no meu íntimo, um sonho: a de aprender a costurar! Minha avó costurava e quando criança eu era fascinada pela máquina de costura dela. Pra mim, era de uma magia sem tamanho a possibilidade de transformar um pedaço de pano em uma roupa!

costura-heloise-fernandes

Quando começou 2017, uma das minhas resoluções de ano novo foi exatamente a de me matricular em um curso de corte e costura. O ano foi passando e eu fui deixando pra depois até que em novembro eu encontrei o ateliê da minha professora e me matriculei. Foi a melhor coisa que fiz por mim nos últimos tempos! Quando comecei a criar minha primeira roupa a partir do zero um mundo inteiro de possibilidades se abriu pra mim!

Poxa, agora eu poderia fazer qualquer roupa que eu quisesse sem o constrangimento de ouvir da vendedora que não tinha o meu tamanho! Eu me senti tão dona de mim, dona das minhas vontades e agora tinha a possibilidade de criar minhas próprias roupas e isso impactou tão diretamente na minha autoestima que ficou impossível não querer compartilhar com o mundo. E isso não se resume ao fato de criar peças de roupas, mas sim ao prazer ao dizer “eu que fiz” quando elogiada!

As aulas de corte e costura me fazem tão bem quanto uma sessão de terapia. É um ambiente totalmente feminino, com mulheres de várias idades aprendendo juntas, incentivando umas às outras, saboreando o prazer de aprender uma arte tão bonita quanto a da costura. A sensação que eu tenho é de que ali nós fazemos parte de algo maior!

ROUPAS-HELOISE-FERNANDES

Minha professora teve papel fundamental nessa minha jornada porque, além de me ensinar a costurar, ela me ajuda a ser uma mulher melhor, a enxergar em mim todo o meu potencial e eu sou toda gratidão por esses momentos que dividimos. Fazer algo por mim mesma, algo tão grandioso quanto aprender um ofício novo, me conduziu a uma nova forma de ver meu corpo, de me ver como uma mulher capaz de transformar e de ajudar outras mulheres a encontrar em si algo de bom. E sabem o resultado disso? Liberdade pra ser quem sou, com toda minha verdade!

Gostou? Você pode gostar também desses!

3 Comentários

  • RESPONDER
    larissa
    23.03.2018 às 12:49

    Olá. Adorei! Onde é sua aula?

  • RESPONDER
    Julianna
    23.03.2018 às 13:54

    Muito legal! Mulher que não lamenta, faz! Uma inspiração! Amei os looks!

  • RESPONDER
    Silvia
    23.03.2018 às 16:25

    parabéns. Lindos os looks! Sucesso

  • Deixe uma resposta