4 em Autoestima/ Destaque/ Looks/ Moda no dia 07.11.2017

Look da Jô: peitos soltos, livres e não tão em pé!

E tá tudo bem…

macacão Karamello | colar vício da Francisca Joias 

Aos 28 anos eu me vi bonita pela primeira vez, comecei a entender de fato que eu era “gostosa” e curtir a maneira legal como eu vinha me vendo. Não foi um processo fácil, tampouco proveniente de frases motivacionais. Isso foi consequência de algum tempo em uma terapia certa pra mim, o caminho da terapeuta transpessoal me levou ao autoconhecimento de uma forma bacana, que aos poucos foi me deixando segura e me ajudando a fixar o olhar naquilo que eu gostava mais em mim tanto no corpo quanto no comportamento e na essência mesmo. Tudo entrou na conta, não era apenas sobre se sentir bonita, era sobre se sentir BEM de uma forma geral.

Nesse contexto comecei a aplicar o olhar mais amoroso e acolhedor com meu corpo, o que pra alguém com histórico de transtorno alimentar foi um ganho inimaginável. Eu me peguei ali curtindo as coisas que eu tinha de mais bonitas (a meu ver): pernas, bunda, cabelo, altura e outras coisas que falavam mais alto do que dobrinhas de gordura localizada ou o nariz que foge do padrão de beleza feminino e delicado que tanto vemos por aí. Aos poucos eu estava ali, vendo o que eu tinha de mais bonito e bacana, alimentando isso.

Foi 100% natural que todas as pessoas começassem a falar que eu nunca tinha estado tão bonita, era genuíno, era verdade e eu me sentia assim. Era vindo de amiga, de crush e de leitora, todo mundo falando e eu finalmente acreditando, afinal era o que eu via. Não foi fácil, não soluciona todos os problemas da vida, mas foi bom. Não posso negar que foi preenchedor me sentir bonita, inteligente e segura de quem eu sou.

Só que como eu digo sempre, não é um passe de mágica, não acontece de uma hora pra outra e também não abrange tudo. Se você perguntar se eu acho meu nariz lindo eu direi que não sei te responder agora, afinal eu cresci “sabendo” que ele era inadequado, então eu acho que ele é meu, faz parte de quem eu sou e quando eu tirei o meu holofote imaginário dele, ele se transformou “apenas em um nariz”. Ele não era real causador de nenhuma rejeição, era tudo coisa da minha cabeça, não do meu corpo. No entanto, minha luta não é para me obrigar a amar aquilo que não aprecio. Meu objetivo no meu processo é apenas me libertar, não sou obrigada a amar nada, mas não quero que nenhuma crença construída sobre meu corpo ou minha vida me aprisione.

Foi basicamente assim que aos poucos fui me libertando as crenças limitantes que eu nutria sobre meus peitos. Ao só ver mamilos pequenos e “perfeitos” à minha volta na midia, passei a achar os meus estranhos. Eu era do tipo de pessoa que sonhava em reduzir os mamilos até pouco tempo atrás, imaginem só (e nunca tinha falado isso pra ninguém, imaginem só de novo).

Não posso dizer em um minuto passei a achar meu peito super bonito, seria mentira. No entanto aos poucos comecei a achar ele bem mais bonito do que eu via antes, um pouco mais pra baixo do que eu “gostaria”, do que a sociedade ensina por “bonito” ou “perfeito”, mas eu comecei a olhar num olhar positivo até pra ele, conseguindo gostar cada vez mais.  O curioso é que mesmo achando ele caído aos poucos eu já vinha num processo de sair sem sutiã quando o “look pedia isso”, é engraçado como mesmo não achando ele PERFEITO eu já não me via com tanto medo do julgamento e preferia olhar de uma forma geral que se aquele decote me fazia sentir poderosa e ali não cabia sutiã, eu ia sem.

Macacão Karamello (Rio Sul) | bolsa Dolce e Gabbana | colar (bbb) Francisca Joias

Aos poucos eu vou descobrindo que eu adoro o sutiã porque ele é um item de moda que me faz sentir bonita, que me traz conforto em alguns looks e produções, mas ele já não é mais uma prisão. Se eu precisar ir sem, vou sem e vou feliz. Usar porque quero e não porque preciso é uma espécie de liberdade da qual eu gosto muito, me faz sentir ainda mais segura de mim. 

Quando me vi com esse macacão, sem sutiã e com os peitos soltos, me senti forte, bonita e consciente de mim. Se não achassem bonito, tudo bem, é apenas o olhar do outro, no meu olhar tudo estava bem. Eu não precisava gostar do meu peito, mas fato é que com tantas mudanças eu estou começando a ver o que ele tem de melhor e hoje, ao invés de te dizer 10 coisas que eu não gosto nele, diria apenas que gostaria que ele fosse mais em pé. O que eu quero fazer pra mudar isso, por enquanto eu não sei. Nem sei se de fato quero mudar isso um dia. Tá tudo bem. Eu estou me curtindo assim.

Aos poucos percebo que atraímos mesmo o que vibramos porque parece que me cerco de seres humanos que notam as mesmas coisas positivas que eu noto, e cada dia fica mais claro que julgamentos negativos têm mais a ver com as crenças limitantes da pessoa do que sobre mim. Isso tem a ver com liberdade genuína, isso tem a ver com segurança de sermos quem somos e com o autoconhecimento como ferramenta de busca de felicidade. 

Eu não sei vocês, mas eu vim aqui pra ser feliz e, pra mim, ser feliz implica em ser livre. 

Beijos



fotos: Luiza Ferraz

Gostou? Você pode gostar também desses!

4 Comentários

  • RESPONDER
    Joci
    07.11.2017 às 15:29

    “Se não achassem bonito, tudo bem, é apenas o olhar do outro” Pensei exatamente isso sobre meus braços gordos e fui ser feliz.

  • RESPONDER
    Andréia
    07.11.2017 às 15:40

    Vou emprestar a fala de alguém ( que não sei quem ). “Estou digitando com os pés, pois com as mão estou aplaudindo”. É isso, seu texto é digno de aplausos. Mil vezes “Parabéns”….

  • RESPONDER
    Bruna
    07.11.2017 às 18:03

    Amei amei amei! Falei isso pra Carla depois do piquenique aqui em NY! É um processo, e que no final do dia você chega a conclusão que não precisa ser refém do sutiã, eu tbm amo lingerie de paixão, mas pq me faz sentir bem, não pq eu não consigo viver sem.

    • RESPONDER
      Carla Paredes
      07.11.2017 às 19:35

      amei te ver por aqui! <3

    Deixe uma resposta