4 em Autoestima/ maternidade no dia 26.09.2017

O dia que eu me descobri bonita

Eu nunca me achei feia, mas também nunca me achei dona de uma beleza estonteante. Sempre me considerei na média, com alguns traços que chamam atenção. E é claro, sempre convivi com dias que acordo, olho no espelho e me pergunto quem é aquela pessoa me olhando de volta – quando isso acontece, curiosamente nunca é no momento que estamos nos achando lindas, já repararam? Até que outro dia me dei conta do dia que eu me descobri bonita.

Por ironia do destino dessa pessoa que ama desromantizar a maternidade, foi depois que eu me tornei mãe. Não, não vou entrar naquela ideia que começa ainda na gravidez, onde dizem que mães têm uma luz diferente, o cabelo fica mais bonito, a pele melhor e tantas outras mudanças incríveis. Não vou entrar naquele lugar comum de que “nossa, depois que você virou mãe você ficou ainda mais linda”. Mas eu me descobri bonita através de uma associação.

 

É só dar uma olhada no Arthur para ver que ele parece comigo. Eu hoje vejo muito do Bernardo nele também, mas entendo que os olhos são muito marcantes e é o que faz com que todo mundo bata o olho no meu filho e diga que ele é a minha cara. Se ficassem apenas nessa constatação, provavelmente eu continuaria na mesma, a questão é que muitas vezes ela vem seguida de elogios sobre como ele é bonito. E eu sempre acabo concordando, afinal, lamber a cria acontece mesmo e eu acho ele lindo, apesar de ser suspeita pra falar. rs

Depois de um tempo ouvindo isso, acabei fazendo aquela associação super boba no estilo de “se o biscoito é feito de água e sal e o mar é feito de água e sal, então o mar é um biscoitão”. Se o Arthur é a minha cara e o Arthur é bonito, isso quer dizer que eu também sou bonita? No fim, concluí: Quer saber? Quer dizer, sim!

Por um momento achei narcisista, achei meio doido visto que eu nunca fiz questão que ele fosse parecido comigo, mas no fim, acho que é muito mais fácil a gente aceitar um elogio que é para nossos filhos do que para a gente.

Hoje me vejo enxergando meus olhos meio puxados com pálpebra escondida, a característica herdada que nos une, de uma forma mais carinhosa justamente porque eu olho para ele e acho a coisa mais linda desse mundo.

Talvez eu precisasse passar por essa experiência para aceitar de uma vez por todas que eu posso não ser bonita como tantas mulheres que eu acho maravilhosas, mas eu posso ser bonita como eu.

Gostou? Você pode gostar também desses!

4 Comentários

  • RESPONDER
    Bárbara
    26.09.2017 às 15:30

    Engraçado isso… comecei a seguir o blog há muito tempo, e sempre te achei tão bonita. Amava (e ainda amo) todas as suas combinações de roupas, seu jeito de usar roupa mais larguinha, seu cabelo que tem a onda que acho perfeita. Cada uma é linda a sua maneira, a gente é que tem que olhar com mais carinho pras nossas qualidades.

  • RESPONDER
    Ana Luiza Palhares
    26.09.2017 às 19:13

    Que texto lindo, Cah! Uma baita de uma reflexão. Você e o Arthur são maravilhosos!

  • RESPONDER
    Larissa Lima
    27.09.2017 às 10:28

    Nossa adorei ler este artigo muito interessante.
    visite meus blog; https://www.noticiasdaweb.com.br/resultado-da-tele-sena/

  • RESPONDER
    Livia Kerr
    27.09.2017 às 15:17

    Perfeito esse texto Cá! Amei! <3 E SIM o Arthur é lindo d+ e a sua cara!! Eita família bonita da P.!!

  • Deixe uma resposta