1 em Autoestima/ Moda no dia 13.09.2017

Look da Cá: tudo larguinho, do jeito que eu gosto

Não tenho dúvidas que o #paposobreautoestima e todas as histórias que cruzam meu caminho todos os dias têm feito maravilhas para a forma que eu lido com meu corpo. Se há dois anos alguém me dissesse que em 2017 eu estaria postando fotos de biquini – e mais surreal ainda, que logo depois a gente teria uma marca de moda praia, lingerie e fitness como uma das patrocinadoras do blog – eu talvez não acreditasse. Mas isso tudo aconteceu e tem sido incrível.

Só que uma coisa não mudou: minha preferência por roupas largas. Nesses 7 anos de blog e vários looks postados, já recebi alguns feedbacks curiosos quanto à essa minha escolha fashion. Já teve gente achando que eu estava me escondendo, já teve gente que quis dar a dica que usar roupas largas me deixava maior e, ainda nessa levada, já recebi um “não sabia que você era magra” em um dia que estava usando uma regata com uma calça cintura alta.

Por um tempo fiquei me questionando se o fato de eu escolher esse tipo de roupa tinha realmente a ver com uma insatisfação com meu corpo, se eu queria mesmo me esconder. Acabei concluindo que não, eu curto mesmo um look confortável sem nada marcando, apertando ou correndo o risco de sair do lugar. Aí, quando eu to afim, eu encaro algo mais fora da minha casinha.

Esse look que eu usei outro dia, por exemplo, me define tanto que eu não me importo se ele não é dos mais populares com quem espera ver um look do dia com as últimas tendências da temporada, tampouco estou preocupada se ele me deixa parecer maior mais larga ou mais gorda.

Camisa e calça Zara | Sapato Chanel

Essa calça é o maior exemplo. Ela é jogger de material sintético (dá para vê-la melhor nesse look, onde relato toda minha insegurança com ela), assim que eu a comprei achei super fashionista, mas como toda peça mais “””ousada” que eu compro, sempre fico um pouco insegura. Até que a primeira vez que eu botei um look no instagram com ela, recebi um comentário dizendo que ela era feia, muito larga, não valorizava.

Não sou de me incomodar muito com gente que não curte o que eu postei, mas como eu já estava insegura na hora da compra, fiquei com a pulga atrás da orelha. Deixei ela abandonada por uns meses no armário até que depois vi que era besteira não usar algo que eu realmente tinha gostado por causa de um comentário (e apenas um) que reprovou minha calça. E provavelmente foi feito porque o gosto da pessoa é diferente do meu e ela curte looks mais colados, sei lá.

Deixei de bobeira e passei a usar mais vezes, mas toda vez colocava com uma blusa mais ajustada para fazer o contraponto. No dia desse look aí de cima eu resolvi quebrar essa regra e combinei com a camisa mais oversized que eu tenho no armário, esculhambei com as proporções. E me senti mais eu que nunca.

E não, esse não é um post para mostrar para vocês como esse look é lindo e precisa ser copiado (pelo amor de Deus, a foto foi tirada de qualquer jeito no metrô só porque foi o único momento que eu consegui parar para fotografar), como a tendência oversized e esportiva está em alta, é mais um grito de liberdade mesmo. :D

Gostou? Você pode gostar também desses!

1 Comentário

  • RESPONDER
    Tici
    14.09.2017 às 9:38

    Engraçado como gosto é realmente algo bem pessoal, pois eu adorei a calça! E digo mais: não que eu não tenha gostado do outro look (eu adorei também), mas achei que com essa camisa ficou ainda melhor.
    Também sou do time de roupas mais larguinhas e tenho cada vez mais me libertado da ideia de ter que sempre contrapor com algo mais sequinho.
    Viva a liberdade de podermos usar o que tivermos vontade e que mais traduzam nossa personalidade!
    Beijos

  • Deixe uma resposta