0 em Oriente Médio/ Trip tips/ Viagem no dia 23.08.2017

Emirados Árabes Unidos: informações gerais

Visitar o Oriente Médio fazia parte dos meus planos distantes de viagem. Distantes por medo mesmo de visitar uma região conturbada e com uma cultura tão distinta da nossa (principalmente em relação às mulheres). Por algum motivo que eu não sei explicar, não associava os Emirados ao Oriente Médio (que louca!) e talvez por isso o país nunca tenha me atraído como um destino turístico.

Pensava que os Emirados se resumiam a Dubai e que essa era uma cidade artificial, de pura ostentação, toda construída na marra e sem muito para oferecer. A verdade é que é artificial, com muita ostentação e foi construída na força bruta, sim, mas isso não é necessariamente uma coisa ruim. A oferta de programação, passeios, restaurantes e shoppings é enorme, o que é muito importante para quem está de passagem por alguns dias. O país é muito organizado e super seguro, as pessoas são educadas e todos falam inglês (também né, mais de 85% da população é de estrangeiros). Com um GPS você chega a qualquer lugar pelas grandes avenidas largas sem semáforos  e muito bem sinalizadas, onde o trânsito flui sem o menor estresse. Pra quem mora no Rio, isso parece um sonho.

Pra mim, Dubai é a Las Vegas árabe (mas com praia e sem cassino!). E sim, tem outras coisas para visitar além de Dubai nos Emirados: na realidade, são 7 emirados que juntos compõem os Emirados Árabes Unidos, sendo os mais famosos Dubai e Abu Dhabi.

Por ser um país com cidades tão cosmopolitas e abertas aos estrangeiros, com uma baita infraestrutura para receber turistas, não há dúvidas que a visita aos Emirados é o “Oriente Médio para iniciantes”.


Como Chegar

Chegar nos Emirados do Brasil é super fácil. Existem vôos diários direto de São Paulo e Rio de Janeiro para Dubai da Emirates, vôos direto de São Paulo para Abu Dhabi da Etihad, além de vôos com escalas de outras companhias, como British e Ethiopian. A passagem não é das mais baratas, mas de vez em quando pinta uma promoção para a rota com valores de R$ 2.500 – R$ 3.000 (ainda salgado, mas bem abaixo do valor de tabela da Emirates que gira em torno de R$ 4.000).

Nós fomos de Emirates (compramos as passagens com milhas Smiles), em vôos super tranquilos com duração média de 14 horas de/para o Rio de Janeiro (direto!). Foi a primeira vez que viajamos pela companhia e amamos! Serviço, comida, entretenimento, conforto, tudo excelente.

Tanto Dubai quanto Abu Dhabi são hub para muitos destinos na Ásia, motivo pelo qual muita gente opta por parar 1 ou 2 dias quando está indo para outros destinos, mas a verdade é que dá para se divertir lá durante muito mais tempo.

Quando ir

A primeira coisa que você tem que considerar quando planejar uma viagem para os Emirados é que o país fica no meio do deserto. Isso significa que os verões, em especial julho e agosto, são muito muito quentes (dias com mais de 40oC de temperatura são uma certeza). Já no outono e inverno, entre novembro e abril, as temperaturas ficam mais amenas (por volta dos 20oC), sendo considerada por muitos a melhor época para visitar o país.

Na realidade a escolha da época vai de cada um. Nós estávamos indo atrás de um fenômeno nas Maldivas que só ocorre no meio do ano, então o jeito era ir justamente na meiuca do verão (fim de julho e início de agosto) para os Emirados, e lá fomos nós!

É quente? É sim, demais! A sensação quando você sai na rua é que você está entrando numa sauna seca, simples assim. Mas é ruim? Como tudo na vida, tem vantagens e desvantagens:

Vantagens de ir no verão:

  • Os hotéis ficam mais em conta e mais vazios.
  • Grande parte da população está de férias, então espere atrações com pouca ou nenhuma fila. Achei isso especialmente importante para os parques de diversão e parques aquáticos.
  • Com a mesma quantidade de dias, você aproveita mais as cidades: como não tem filas, é possível fazer mais programas no mesmo dia.
  • Você pode se refrescar nas piscinas dos hotéis e nos parques aquáticos, o que tornam a sensação de forno um pouco mais suportável.

Desvantagens de ir no verão:

  • É realmente muito quente, mesmo comparado ao calor do verão do Rio (é realmente muuuuito pior).
  • Entrar no mar é uma missão impossível. A água fica fervendo, então aquele mar azulzinho que você vê nas fotos é só para olhar mesmo.
  • Nessa época, tem algum fenômeno que faz a areia levantar e a cidade fica constantemente com uma névoa, o que prejudica um pouco a visibilidade de grandes distâncias.
  • Algumas atrações, a exemplo do Dubai Miracle Garden, fecham no verão. Outras ficam parcialmente em reforma.

Eu achei que as vantagens superaram as desvantagens e que realmente valeu a pena irmos nessa época. Conseguimos aproveitar demais os 8 dias que passamos lá e fizemos tudo que tínhamos planejado.

A única época que eu realmente evitaria é o ramadã. Não podemos esquecer que a religião dos Emirados é o Islamismo e que eles são bastante sérios em relação ao super jejum que é feito do nascer ao por do sol durante o mês inteiro do ramadã, o que pode ter alguma interferência na sua programação. As datas não são fixas mas ocorrem em meados do ano, vale sempre a pena pesquisar antes de fechar sua viagem.

Como montar um roteiro?

Uma boa forma de começar a montar o roteiro nos Emirados é começando por Dubai e decidindo que atrações você quer visitar. Meio óbvio? Mais ou menos.

Eu disse que o país (e especialmente Dubai) tem um quê meio Vegas, o que pode agradar a uns e não agradar a outros. Então minha dica é ver as programações que interessam e daí ver a quantidade de dias necessários para fazê-las. Muita gente acaba fazendo a base em Dubai e faz bate-e-volta para Abu Dhabi. Acho que é uma opção para quem tem pouco tempo, mas eu não deixaria Abu Dhabi de fora.

Nosso roteiro se iniciou em Dubai, onde ficamos por 5 noites, depois o deserto, onde dormimos 1 noite, fechando com Abu Dhabi, onde ficamos por mais 2 noites. Foram 8 noites no total e eu achei pouco. Para ficar perfeito mesmo acho que faltou 1 noite em cada um dos lugares que passamos (é sério, tem muita coisa pra fazer!).

Mas é certo que por ser hub de 2 grandes companhias aéreas, acabaremos passando pelos Emirados outras vezes, então tudo bem se algumas coisas acabaram ficando de fora. Aliás, o país está sempre crescendo e construindo novas atrações (tipo uma roda gigante que é o dobro do London Eye), motivos pelos quais eu acho que uma paradinha por ali sempre será necessária e diferente.

Então em resumo: Dubai é obrigatório enquanto Abu Dhabi é opcional mas altamente recomendado. Já o deserto pode ser conhecido através de um bate-e-volta de Dubai (muito comum), ou, como nós optamos, se hospedando em um hotel por lá.

Como se locomover?

Como falei, as cidades são largas e com muitas avenidas, o que torna o carro (ou táxi ou uber) uma opção bem confortável.

Em Dubai também tem metrô, que na verdade é tipo um monorail, em cima do solo. Mas gente, para chegar no metrô tem que andar na rua, algo que está fora de cogitação para quem vai no verão.

Por isso e para nos dar mais mobilidade, optamos por alugar um carro e achei que foi uma ótima escolha. A gasolina lá é ridícula de barata (o litro estava R$ 1,60 quando aqui no Rio está R$ 4,10) e os aluguéis também são em conta. Os táxis também são baratos, mas como as distâncias percorridas são bem grandes, dependendo de onde você pretende ir pode não ficar tão em conta assim.

Visto

A parte chata da viagem para os Emirados é o visto. No início do ano, o Brasil assinou um acordo com o país para isentar os brasileiros de visto de turismo. Isso está em tramitação mas ainda é necessário pedir o visto antes de embarcar para os Emirados Árabes.

O chato é que você precisa de um sponsor para te ajudar, que normalmente são as companhias aéreas (preferencialmente) ou os hotéis, e eles são bastante enrolados se alguma coisinha sai do planejado.

Nosso caso foi um tanto quanto caótico. Na volta das Maldivas precisaríamos entrar nos Emirados para mudar de aeroporto e refazer o checkin e, portanto, precisávamos de um novo visto. O problema é que não imprimimos uma cópia e na hora o pdf enviado pela companhia aérea não abria!!! Para piorar o nervosismo, o responsável pela companhia não estava nem um pouco a fim de ajudar e queria mesmo deixar a gente de fora do vôo, dá pra imaginar? Conclusão, quase viramos o Tom Hanks em O Terminal no aeroporto das Maldivas! Depois de dar um ataquezinho básico, o tal senhor se sensibilizou e resolveu se comunicar com os Emirados para checar se o visto era válido mesmo (e era!) e acabou nos deixando embarcar. Ufa, altas emoções no retorno pra casa.

Então a dica é: veja com calma e antecedência qual o tipo de visto você vai precisar (1 entrada, múltiplas entradas) e sempre leve uma cópia impressa com você para evitar dores de cabeça.

Como se comportar

Roupas ocidentais

Muita gente pergunta se nos Emirados precisamos andar cobertas. A resposta é não!

É certo que vimos muitas mulheres com lenço na cabeça (que não é burca gente, é hijab, burca é outra coisa) e abayas (aquela roupa comprida que cobre o corpo todo), mas as blusinhas de alça, saia e biquini estão liberadas para quem quiser usar. O único lugar em que tive que me cobrir foi na Grande Mesquita em Abu Dhabi, o que é muito razoável né?

Don’t show affection!

Vimos várias plaquinhas na entrada de shoppings e souks mostrando que era proibido andar de mãos dadas. Há quem diga que não tem problema, mas já que estava ali, explícito, evitamos as mãos dadas e os beijinhos em público. Não custa nada, não é mesmo?

Álcool é regulado

Se você é daqueles que não passa o dia sem uma cervejinha, prepare-se para gastar. Bebidas alcóolicas são reguladas e taxadas, e são vendidas apenas por estabelecimentos com uma licença específica, na sua maioria hotéis. Não precisa dizer mais nada, os preços são salgadíssimos!

R$ 40 numa long neck de Heineken? Não obrigada, vou fazer um detox de álcool.

Pode fumar

Cigarro, charuto, narguilê (ou shisha, como eles chamam lá) são legalizados, é só verificar quais são as áreas designadas para fumantes.

Pedestre pode ser multado

Eu li em algum lugar que os pedestres podem ser multados por atravessarem fora da faixa. A verdade é que no verão eu não vi um policial na rua e muito menos pedestre (muito quente mesmo rsrsrsrs). Mas deve ser verdade!

Nos próximos posts vou contar mais em detalhes como foi nossa experiência pelas arábias.

Gostou? Você pode gostar também desses!

Sem Comentários

Deixe uma resposta