0 em Camilla Estima/ Convidadas/ Saúde no dia 13.04.2017

Coitado do chocolate…

Chega a Páscoa e todo ano é a mesma coisa. Uma enorme oferta de chocolates, que nos remete à diversas memórias afetivas e lembranças mas também uma carga emocional que traz pensamentos obsessivos de culpa em comer chocolate e doces em geral, sensação de perda de controle, de incapacidade de controlar seus impulsos, de que a qualquer momento você pode desembestar em comer todo o chocolate do mundo.

Como adoro o exercício, vamos desconstruir isso? Vamos começar por essa piadinha:

Por que ela é muito perigosa e me assusta demais?

As pessoas tem essa crença que se comerem demais na Páscoa ou em qualquer feriado, elas terão uma mudança corporal brusca e imediata, de um dia para o outro. ISSO NÃO É VERDADE!!!! Além disso pense em pessoas que tem questões reais de distorção de imagem corporal. Esse meme é um verdadeiro perigo e que pode mexer muito com sua autoestima, pois elas vão achar que isso vai acontecer com elas. E a avalanche de emoções, sentimentos, ações e comportamentos que isso pode desencadear é devastador.

Para resolver esse problema, ideias mirabolantes são propostas para você “não cair em tentação”. Te dão dicas de como substituir o chocolate por frutas, por versões diet/light desse doce, receitas fitness, medicações sempre como estratégia para enganar o cérebro contra a “tentação” que é o chocolate. Vamos lá no exercício da desconstrução:

– Frutas: Não substituem chocolate….de forma nenhuma e em tempo algum! Há lugar na sua vida e na sua alimentação para qualquer tipo de alimento…..tem espaço para as frutas como tem para o chocolate e os doces em geral.

– Chocolate diet: Ele é indicado para quem é diabético. Ele não tem menor valor calórico. Muita gente por achar que ele não tem açúcar e por isso não engorda e não gera culpa. M-I-T-O! Ele tem gorduras iguais à versão normal e promove, sim, ganho de peso se consumido em grandes quantidades.

– Doces fitness: Você pode até partir para essa estratégia mas é bem provável que emocionalmente ela não vai te suprir a vontade do chocolate. Resultado disso: você vai acabar comendo o fitness, continuar a pensar obsessivamente no chocolate/doce comum, e acabar comendo também. Ou seja, você estará comendo calorias a mais.

Você acha que, honestamente, vai conseguir enganar o seu cérebro assim quando se tem vontade de comer doce? Pra falar a verdade, dificilmente a gente engana nosso cérebro…..em qualquer situação que seja na vida. Ele comanda a grande maioria de todos os nossos processos fisiológicos.

Além de memes de mau gosto, tenho visto inúmeras pessoas nas redes sociais (os chamados influenciadores digitais, como modelos, artistas, blogueiras) sugerindo estratégias para driblar o consumo de chocolate, como por exemplo, dar o ovo que ganhou para outras pessoas que estão presentes e pedir para que elas contem o que acharam, enquanto a presenteada filma para as redes sociais e nem encosta no doce. Já vi também pessoas dizendo que quando ganham um ovo de Páscoa e elas não podem comer “por que estão de dieta”, elas abrem a embalagem, cheiram o chocolate e não come.

Essa prática parece ser bastante inofensiva, mas é uma estratégia bastante usada por pacientes com diagnóstico de transtornos alimentares, como a Anorexia Nervosa. Veja, não estou afirmando que esses influenciadores digitais têm esse diagnóstico, mas isso mostra um comportamento inadequado quanto aos alimentos, pautado em muita culpa e angústia por consumi-los. Cheirar chocolate não diminui a sua vontade por ele, muito pelo contrário. Muitos estudos na linha do mindful eating, ou comer consciente, dizem que se você tem um desejo muito forte por um alimento e não se permite comê-lo por qualquer crença, pensamento ou sentimento que seja, você desenvolve pensamentos repetitivos a respeito daquele alimento e a sua mente só “sossega” quando você o consome. Essa privação auto-imposta pode ser tão importante que na hora que você finalmente se permitir comer, você acaba comendo uma quantidade muito maior do que teria comido se no primeiro momento do desejo em comer você tivesse se permitido. Isso pode ser um fator de risco importante para o acontecimento de episódios reais de compulsão alimentar.

Não vamos demonizar o chocolate, não é mesmo?

Algumas sugestões que podem te ajudar a comer o chocolate em paz nessa Páscoa:

– Que tal investir em um chocolate que você realmente ama e que te faz feliz?

– Escolha o chocolate que vai comer, e não coma qualquer um apenas por comer

Coma devagar, apreciando o sabor e os sentidos que o chocolate te traz

– Relembre memórias que você tem desta data, do chocolate. O que tudo isso lhe remete? Quais situações? Quais personagens da sua vida? Traga leveza à esse momento.

– Compre tamanhos menores de ovos de Páscoa.

– Não dê mais importância do que é. É apenas um chocolate. Um chocolate que você gosta. Um chocolate que te traz prazer. E ponto final.

Chocolate não tem super poderes…..nem poderes extraordinários. Ele não é um bicho papão engordador. É apenas chocolate! Em vários aspectos da vida temos que dar o real valor e importância que as coisas exigem da gente. Supervalorizar tudo pode ser uma armadilha pra te acessar a questão da culpa por ter comido. Além disso, não devemos usar a Páscoa como uma desculpa para comer chocolate desenfreadamente, assim como não é um momento de se privar por conta de crenças, culpas e modismos.

Temos que entender que essas datas comemorativas fazem parte da nossa cultura e que temos que saber lidar com a presença delas na nossa vida.

Coma seu chocolate e seja feliz!

Beijo e Boa Páscoa!

Gostou? Você pode gostar também desses!

Sem Comentários

Deixe uma resposta