9 em Relacionamento no dia 06.04.2017

Eu só descobri depois que ele tinha namorada…

Tem mais de ano que vivi uma história muito louca, nada digna da minha vida de mulher adulta soleira. No entanto não contei aqui no blog por duas razões: vergonha de falar no assunto (ainda que eu não tenha tido culpa direta) e porque eu estava no final de uma história – romântica – que foi muito importante pra mim e não queria que o cara que eu gostava se sentisse mal. Assim sendo, uma boa pauta ficou escondida lá no fundo da minha gaveta de pautas que eu pensei que nunca teria coragem de postar. 

Para um breve contexto: eu estava há quase 5 meses num relacionamento confuso, sem nome e não monogâmico. A gente se gostava muito, mas por razões que não sei bem explicar simplesmente não deu certo, pra ambos.

Então emocionalmente eu estava numa fase difícil, minha autoestima não ia bem com o começo do fim daquele relacionamento e eu estava tentando terminar um trabalho que me atormentava há meses. Havia sido uma semana difícil e para minha sorte ela iria fechar com chave de ouro, no aniversário de uma amiga. Ia ser uma festa cheia de gente bacana e eu estava muito ansiosa, até mesmo pra me forçar a parar de me sentir frustrada por insistir em algo que não estava mais dando tão certo.

Foi nessa situação que cai na velha história de “pegar o cara que tem namorada sem saber”. Não querendo expor nenhuma das partes, achei que nunca poderia falar sobre isso aqui, mas fato é que mais de um ano depois eu mudei de ideia.

Era uma sexta-feira normal, eu tinha terminado esse trabalho de meses e estava cansada, só queria me divertir. Fiz uma maquiagem linda, coloquei uma saia que nunca tinha usado e saí, pronta pra dançar a noite inteira. Cheia de amigas, amigos e boas companhias. Sabe aquele dia que você sai de casa tão feliz e segura que todo mundo olha pra você? Mesmo tendo uma semana com a autoestima no pé, consegui recarregar as energias e eu diria que esse foi o dia em que eu comprovei para mim mesma que dá pra trabalhar o borogodó. Nunca vivi um mel igual ao desse dia, nem antes, nem depois. Vinha de dentro e reverberava fora foi a primeira e única noite da minha vida em que eu me senti a menina mais incrível, linda e desejada da balada.

Como eu estava com muita gente foi fácil me divertir, mas ao longo da noite, entre um ou outro desconhecido que vinha chegando perto eu notei que um amigo de um amiga estava sendo extremamente simpático, cheio de gracinhas toda hora. Sabe aquele cara carismático? Então, era ele,  mas eu preferi não levar em conta porque estava tentando não me envolver com ninguém antes de decidir se ia ou não pular fora daquela minha história.

Um tempo depois a amiga aniversariante foi embora, eu fui comprar uma água e lá veio a figura. Na hora fui muito ingênua, não me dei conta que ele só se aproximou – de verdade – quando a gente estava longe dos amigos em comum, mas eu não notei.

Quando o “escondidinho” não é tão romântico assim

 

Deixei ele falar, esse foi “meu erro”. Sabe aquele cara que fala o que você quer ouvir? Brinco que acho que é uma vocação que a pessoa tem de ser “conquistador profissional”. Ele sabe exatamente o que você quer que ele diga, impressionante. Ele não estava focado em dizer que eu estava bonita ou algo simples assim, ele falou coisas tão bacanas do meu jeito, jogou minha autoestima lá no alto e quando eu vi, já estava achando que ele era “super sensível” por ter notado aquilo que eu sabia, mas achava que ninguém ia perceber. Ele percebeu que era a “noite do mel”, ele sacou o que estava rolando e de acordo com ele, dos amigos em comum, ele foi o que teve a coragem de chegar perto.

Pronto, eu resolvi ficar com ele. Foi bacana, divertido e sem margem pra nenhum arrependimento, mas algo estava estranho pra mim. Achei que era por causa da minha história cujo fim ficava mais evidente a cada momento. Eu achei que era “culpa minha” aquela sensação de algo fora do lugar que eu tive.

Na hora não estranhei coisas que depois fizeram todo sentido: Não ficamos escondido, afinal era uma festa, mas ficamos longe do nosso grupo. Em algum momento ele me disse pra não contar pra nossa amiga em comum, nessa hora achei estranho, mas querendo evitar a fadiga eu disse que tudo bem. Fato é que nunca contei pra ela.

Acho no mínimo curioso que eu contei pra ele que eu tinha uma pessoa e que não sabia se ia namorar ou terminar aquela história sem nome, então pra mim tudo era meio confuso naquele momento. Foi legal ficar com ele, mas na hora que cheguei em casa confesso que achei ótimo ele não ter pedido meu telefone. Ia ser uma aventura engraçada pra minha história, fechando com chave de ouro o meu dia do mel (que merece um post só pra isso).

O fim de semana foi rolando e bateu uma intuição de que algo estava bastante errado, pelo menos pra mim. Eu não tinha nenhum motivo prático pra me arrepender de nada, mas algo estava soando pesado e minha intuição me avisando de que algo não estava certo. Uma sensação de arrependimento sem razão.

Joguei um verde, colhi maduro e no fim corri atrás de confirmar. Fato era que o cara tinha uma namorada, que não morava no Rio.

Nunca contei nada pra ninguém envolvido. Quando eu o encontrei de novo numa festa não falei nada. Quando eu soube não tive coragem de contar pra minha amiga, num misto de vergonha, com um sentimento de ter sido enganada. Jamais teria coragem de expor o relacionamento da outra pessoa. Jamais faria nada pra atrapalhar ninguém, mas eu me senti péssima.

Ele nunca me procurou, ainda bem, eu nunca disse nada, mas a verdade é que o sentimento foi BEM BOSTA.

Estou sendo Pollyana de achar que ele devia ter me contado? Que eu devia ter o direito de escolher ou não ser parte disso? Obviamente eu não ficaria com ele, mas poxa, tive a atitude “anti feminista” de pegar o namorado de uma garota sem saber. Me senti invadindo o espaço de alguém que eu não conheço e nem quero conhecer.

Parto do princípio de não fazer com os outros o que não quero que façam comigo. Não deveria ter carência, baixa autoestima ou desejo carnal que mudasse isso. Eu venho dando meu melhor nesse aspecto, mas é muito chato eu ter que me preocupar se o cara que está chegando em mim tem alguém. Mais chato ainda é ele ter alguém e não me contar.

Eu SEI que eu não fiz nada errado com relação a ele, que o relacionamento era só DELE, mas achei muito desagradável descobrir depois que algo desse tipo tinha acontecido comigo. Quero poder ESCOLHER não me envolver, ficar ou dormir com alguém que está num relacionamento monogâmico. Aliás, tenho minhas questões com ficar com pessoas em relacionamento – sério – namoro – casamento aberto também, mas isso é papo pra outro post e essa é outra história pra contar.

Gostou? Você pode gostar também desses!

9 Comentários

  • RESPONDER
    marcela de vasconcellos
    06.04.2017 às 22:48

    Dá nem pra dizer que é surpresa, eu já fiquei com cara casado sem saber. E pior é que o pessoal em volta sabia e não me contou.

  • RESPONDER
    Heloise
    07.04.2017 às 8:33

    Infelizmente, também já passei por isso, e pior que fiquei com o cara por algumas vezes, até descobrir.

  • RESPONDER
    Aline
    07.04.2017 às 11:28

    Estava falando exatamente sobre isso hoje com as colegas de trabalho. Eu opinei que vc não deve tomar isso pra si, nem se envergonhar nem nada, afinal vc foi tão enganada quanto a namorada. Mas as meninas que já passaram por isso dividiram esse mesmo sentimento…

  • RESPONDER
    Monique
    07.04.2017 às 13:23

    E quando você namora o cara que tem outra namorada que existe antes de você? hahahaha hoje dou risada, mas na época aquilo ACABOU com minha auto estima, quando ele finalmente terminou comigo por E-MAIL e sem motivo aparente após eu ter passado a noite anterior na casa dele e no fds seguinte postar fotos no facebook com a namorada real oficial.

    Essa história é MUITO longa, qualquer dia eu conto ela inteira aqui. Fato é que demorou um belo tempinho até eu me reeguer e ver que eu não era aquele lixo que estava me sentido. É fogo, viu.

    Não sei que dizer, apenas sentir hahahaha.

    beijos

  • RESPONDER
    Marcela Freixo
    07.04.2017 às 14:57

    Falar que sinto sua dor e angústia é pouco pra esse post. E quando você só descobre depois de ter ficado várias vezes e já estar apaixonada?
    Hoje sei que era melhor ter corrido, um relacionamento que começa assim já está condenado.

    Queria eu poder voltar no tempo e não machucar a mim mesma e a mulher incrível com quem ele namorava.

    • RESPONDER
      Joana
      07.04.2017 às 15:43

      Não se preocupa com ela não, foi um favor que você fez levando um cara babaca desse embora.
      Tenho certeza que ela acha isso viu? ;)

      Temos que agradecer é que no fim você também se livrou do traste.

      Tem hora que a gente não entende bem o que acontece, mas o nome disso é livramento de Deus. rs
      Tenho CERTEZA!

      • RESPONDER
        mari
        07.04.2017 às 17:34

        falou tudo, nome disso ‘e livramento de Deus.

  • RESPONDER
    Tati
    17.04.2017 às 12:13

    Já passei por isso, mas no meu caso eu já estava bem envolvida quando descobri :( Disse pra ele contar pra namorada, porque cabia a ela decidir se queria continuar num relacionamento com alguém que a havia traído ou não, e também não quis me meter porque era uma questão que tinha que ser resolvida pelos dois! E seria muita invasão de privacidade eu chegar e contar algo do tipo pra ela… Enfim, eles acabaram terminando o namoro mais ou menos um mês depois, mas ele não contou, acredito que pra não magoá-la mais do que o necessário. Até hoje me sinto mal com a história, fico pensando que ela deve ser uma pessoa tão legal, e, assim como eu, não merecia sofrer na mão dessa cara babaca.

    • RESPONDER
      ELY
      17.09.2017 às 23:54

      TAMBEM ESTOU PASSANDO POR UM CASO PARECIDO QUANDO DESCOBRIR QUE ELE TINHA OUTRA , JA ESTAVA HA MAIS DE MES COM ELE, E JA GOSTANDO MUITO DELE ,ELE DISSE QUE VAI LARGA A OUTRA SO QUE ESTOU ESPERANDO ATE HOJE ,JA ESTA COM CINCO MESES E ELE NUNCA A LARGOU E EU VIVO DIZENDO PARA ELE QUE NAO SUPORTO MAIS
      ELE FALA PAR MIM TER PACIENCIA E ESPERAR UM POUCO MAIS ESTOU VIVENDO UM FOGO CRUZADO.

    Deixe uma resposta