11 em Beleza/ pele no dia 29.03.2017

Pele: o dia que a acne voltou!

Quem conhece minha história sabe que a coisa mais grave que eu passei em relação à minha autoestima na adolescência foi a minha crise de acne, inclusive foi bem mais complicada do que os 20kg que ganhei na mesma época. Tive um grave problema em casa, estudava em um colégio que demandava muito e ainda estava numa enorme confusão hormonal – na época, desconhecida – tudo isso no ano do vestibular, aos 18 anos. Complicado, não? Realmente, foi bem difícil.

Para vocês terem uma ideia, nesse período eu fui parada na rua para me ensinarem receitas caseiras para tratar minha pele! A coisa ficou tão peculiar – para sermos gentis – que desconhecidos se sentiam solidários a me dar receitas de cura. A intenção até podia ser boa, mas eu sofria com isso. A coisa não estava legal e quando decidi com a minha dermatologista começar o Roacutan a pele deu uma piorada sensível – coisa que ela me avisou que iria acontecer – mas mesmo assim eu não estava preparada para tanto. As pústulas mudaram o formato do meu rosto e além de tudo, doíam muito. Da primeira vez que passei por isso quase não usei maquiagem e por causa de tantas mudanças, eu fiquei meio pra baixo e não encarei bem o tratamento.

Hoje, no alto do meu achismo, lembrando do meu quadro e dos meus sintomas, diria que foi naquele ano que eu desenvolvi a Síndrome dos Ovários Policísticos, que muita gente (eu, inclusive) chama de SOP. Eu pesquiso muito esse assunto, mas na época tudo era menos simples. Em 2004, o melhor que conseguimos pensar foi em tratar a minha pele com o Roacutan, que não é o tratamento mais leve do mundo mas foi o que pareceu mais possível naquele momento.

Depois de tudo que vivi de 2004 para 2005, eu fiquei absolutamente neurótica com a pele. Pensa numa pessoa que não sabia a real proporção do problema? Esse alguém era eu. Tudo era um real pavor de reviver a experiência de acne. Um ano e pouco depois minha pele desandou de novo e lá fui eu tratar novamente com o remédio. Foi chato tomá-lo de novo, mas ao mesmo tempo foi muito mais tranquilo. O anticoncepcional ajudou e tudo ficou muito mais fácil do que da primeira vez. Eu também já usava mais maquiagem e fui conseguindo lidar.

De 2007 até 2017 esse monstro da acne me assombrou muito pouco mesmo. Os primeiros meses sem o anticoncepcional foram chatinhos, eu parei em outubro de 2014 e eu diria que só no segundo semestre de 2015 minha pele ficou BOA. Demorou uns meses para o tratamento que a minha ginecologista passou começar a fazer efeito, mas eu já sabia que seria assim e tudo correu conforme ela me disse que seria. Fui levando a pele numa boa, era uma queixa, mas muito pontual.

Outros efeitos colaterais do SOP, por sua vez, não se resolviam. Eu sempre fazia ultra e lá estava o quadro, minha menstruação não regulava, tudo isso ia se repetindo até que minha homeopata em pouco tempo resolveu tudo. Deu muito certo pra mim. Saiu um cisto, regulei a menstruação e nunca mais vimos a cor do SOP nas minhas ultras. O que não quer dizer que a síndrome não seja uma questão, quer apenas dizer que não tem mais o mesmo quadro que antes no exame de imagem. Em nome de rever quais remédios de alopatia eu realmente precisava tomar, resolvemos tirar o tratamento que vinha segurando a pele desde junho de 2015 e vinha cuidando da questão da testosterona.

As duas únicas queixas da retirada do primeiro tratamento? Queda de cabelo e acne. A queda de cabelo tem diminuído muito, então diria que em crise hoje só temos a acne. Motivo pelo qual eu estou fazendo esse post, que eu jamais pensei que teria que escrever de novo.

Hoje eu fico impressionada comigo por várias razões. A primeira e mais importante é pela tranquilidade com a qual estou lidando, mesmo nos dias mais difíceis. Durante esses dez anos eu passei a ter pavor da oleosidade da minha pele, das espinhas mínimas do dia da menstruação e de qualquer acne eventual que aparecia. Ter uma espinha era SUPER DIMENSIONADO pra mim, o trauma me fazia reagir de uma forma exagerada.

Fato é que a Joana de uns anos atrás estaria no poço sem fundo com a crise de acne na qual eu estou passando hoje. No entanto, eu fiz todas as escolhas muito consciente, pensando na minha saúde a longo prazo e eu sei que vamos encontrar uma solução, seja na homeopatia ou de novo na alopatia. Só estou me dando uma chance. Eu sei que vai ficar tudo bem e isso me ajuda a não cair na armadilha de super dramatizar o quadro – que já não é fácil – de acne.

Eu confio muito na minha homeopata, dermatologista e ginecologista, todas elas me explicaram tanto sobre essa questão que eu já entendo e vejo o que há em comum em todos os discursos, assim sendo, eu resolvi correr esse risco.

É mais difícil do que imaginei que seria? Com certeza. Mas nesse aspecto minha dermatologista Dra. Vanessa Metz está me dando uma bela retaguarda. Estamos fazendo um tratamento combinado de três ponteiras que eu nunca vi igual, nunca nada reduziu tanto meus poros. Além disso tento fazer uma ou duas vezes por mês limpeza de pele na clínica.

Para minha felicidade,  a SkinCeuticals comprou meu barulho e me mandou todos os produtos que estão na receita que a Dra. Vanessa me passou. Hoje eu uso desde o gel de limpeza da marca, até o blemish e o retinol. Já para dormir eu coloco a máscara de argila branca como secativo. Toda noite, em cima de cada espinha. Gasta a máscara? Com certeza, mas ela dorme doendo e acorda menos inflamada. É realmente impressionante.

gel de limpeza LHA 

BLEMISH + retinol 0.3

máscara de argila (tem tudo sobre ela nesse post aqui)

Se lá no passado me contassem que eu passaria por isso novamente eu diria que seria o fim, que eu ia sofrer muito. Agora, com a causa, o grupo e o projeto “papo sobre autoestima”, eu estou conseguindo olhar pra tudo de uma forma tão mais tranquila e redimensionara  Por causa desse olhar diferente eu me sinto mais forte, mais corajosa e pronta para qualquer coisa. 

Eu escolhi passar tudo isso por uma boa causa, eu estava tendo uns quadros que se repetiam e no fim, eu vivia à base de remédios pesados.  Eu era refém de remédios chatos, refém da emergência de otorrino e vivia com questões que hoje eu não tenho. Se o preço que tive que pagar é essa fase? Tudo bem, eu vou passar por ela e vai ser só uma fase. Por mais frágil e vulnerável que eu possa vir a ficar, eu tenho consciência real de que vai passar, e vamos encontrar uma solução pra isso.

Enquanto isso eu vou seguindo, fazendo instastories sem maquiagem, com máscara de argila ou com uma super base, com a pele toda corrigida. Eu me amo e me respeito das duas maneiras e quanto mais meu emocional me ajudar, melhor vou passar por tudo isso.

Coloquei todo o problema no seu tamanho real, nem sempre é fácil, mas nesse caso eu tenho conseguido e isso me deixa orgulhosa de mim. Eu jamais estaria passando assim por isso assim, sem o coletivo. 

Eu fico muito grata por tudo e por isso vim compartilhar minha experiência.

Beijos

Gostou? Você pode gostar também desses!

11 Comentários

  • RESPONDER
    Camila
    29.03.2017 às 12:48

    Oi! Passo pelas mesmas questões, afeta demais a auto estima e chegou ao absurdo das pessoas indicarem tratamentos sem eu pedir. É mt tenso.
    Vc usa o blemish de manhã e o retinol a noite e por cima dele a argila nas espinhas?
    Amo os produtos dá skinceuticals, mudaram minha vida

    • RESPONDER
      Joana
      29.03.2017 às 13:29

      Camila,
      Cada médico prescreve de um jeito.
      Eu to usando do jeitinho que combinei com a Dra Vanessa, mas não posso passar pra frente. Tem que ver com seu dermatologista.

      Eu to adorando usar esses produtos, mas uso de acordo com a receita que ela fez pra mim! :)

  • RESPONDER
    Bianca Collet
    29.03.2017 às 13:22

    Achei seu blog por acaso e dei de cara com essa postagem e fiquei muito curiosa sobre a homeopatia e alopatia no tratamento da SOP. Pode me dar mais detalhes sobre teu tratamento? Fiquei curiosa porque nunca ouvi falar sobre esses métodos. Obrigada!

    • RESPONDER
      Joana
      29.03.2017 às 13:28

      Bianca,
      Eu não posso receitar nada pra ninguém, até porque as doses são muito específicas, mas tanto minha ginecologista e minha dermatologista há anos estudam e falam de tratar sop com metformina+espirolactona. Quando eu o fiz tive um resultado ótimo meses depois, mas precisa ser na dose certa PRA CADA CORPO, então PRECISA ser receitado por um médico.

      Pra mim, como pra muita gente, deu certo, mas tem que ver com SEU medico. Eu já conheci ginecologistas que me disseram que não daria certo, perfeito não era, mas era bem okay.

      Hoje eu larguei essa proposta pra cuidar com homeopatia porque tenho uma homeopata muito competente aqui no Rio. Por isso estou tratando de outra forma, tomando apenas os remédios que preciso de Alopatia.

  • RESPONDER
    Bruna Lima
    29.03.2017 às 14:16

    Jo, eu sofro com SOP há anos também: pele, cabelo, etc. Mas o pior está agora, tenho 36 anos e não consigo engravidar, meus ovários são recobertos de micro-cistos =(
    Já tentei vários medicamentos e nada. Minha gineco me indicou agora tomar Espirolactona+Diane por uns três meses, para ver se dá uma “limpada” nos ovários. Vc, quando tomou a Espirolactona sentiu alguma reação? Li alguns relatos de mulheres que tem muitos efeitos colaterias devido ao medicamento. Estou com um pouco de medo de tomar. Beijos

    • RESPONDER
      Joana
      29.03.2017 às 14:54

      Sozinha não, só com metformina.
      Ainda assim demorou uns meses pra pele melhorar bem.

      Eu não tomo AC hoje de forma alguma, mas isso sou EU.

      Eu estou muito feliz por ter passado a ter a menstruação regulada por conta do lance da fertilidade, hoje acredito que eu não teria problemas com essa parte!

  • RESPONDER
    Lyssa Iami
    29.03.2017 às 14:22

    Como esse post veio numa hora necessária <3
    Tô num intercambio, longe da família e amigos, louca de ansiedade e a acne resolveu dar mais uma de suas crises… Mas tamo junto e não vamos super dimensionar o problema, já passei por muito pior e não são 2, 3 (ou 5!) espinhas que definirão quem eu sou.
    Beijinhos

    • RESPONDER
      Joana
      29.03.2017 às 14:52

      EXATAMENTE, você pegou a ideia central! :)

  • RESPONDER
    Dan
    29.03.2017 às 16:18

    Me enxergo em cada palavra que você descreveu, tenho 20 anos, e desde os 12, vivo sofrendo com acne, sempre foi bem complicado, não consigo sair sem maquiagem, e já teve uma época, que chorava e era muita revoltada com a minha vida devido a acne… e que muitas pessoas ousam falar que é besteira… nunca usei Roacutan, por ser um tratamento “caro” mas sei que tem pelo SUS, aqui na minha cidade, as dermatologistas nunca aprovaram eu usar, dentre as minhas condições, os valores desses produtos, são mais caros que os custos da minha facul… meu sonho é usar aquela base da Vichy que falam cobrir tudo… mas estou trabalhando pra isso, se puder, dá algumas dicas mais acessíveis ficarei grata !! E ah, essa parte de algum estranho na rua falar como cuidar é muito eu… agora não imaginava que vc tinha acne ainda, nas suas fotos, não transparece..

  • RESPONDER
    Marcela de Vasconcellos
    29.03.2017 às 20:50

    Hoje uma mulber disse pra mim uma frase e vou devolver pra ela: ” obrigada por ser tão maravilhosa”.

    Eu fui adolescente zero acne mas a questao hormonal estragou tudo quando parei de usar estrogênio. Foi mais de ano pra conseguir estabilizar a pele e o que mais melhorou foi o Blemish mesmo. Mas nada funciona sem rotina, boa alimentação, muita água e MUITA calma e mente centrada.
    No fim São só espinhas.

    E meninas, a metformina altera a questão glicose x insulina no corpo então quando a Jo diz que é preciso ir ao médico é preciso meeesmo. Não é só tomar o remédio mas estar atenta ao que come, horários do remédio…tem muita coisa envolvida. É uma porcaria sim mas marca com um médico do sus que seja, vale a pena esperar mais três meses por uma consulta que acabar ferrando mais ainda com seu corpo no desespero de ficar com a pele boa.

  • RESPONDER
    Caroline
    29.03.2017 às 23:21

    Por que vc parou o anticoncepcional e qual vc tomava antes?

  • Deixe uma resposta