22 em Autoconhecimento/ Comportamento no dia 13.09.2016

Quase 30: desconstruindo antigos sonhos para construir novos só meus!

Sei que esse blog não é diário, mas também sei que ele reflete fragmentos dos meus aprendizados. Através dos textos de relacionamento, autoestima,  autoconhecimento e também das crônicas, muitas de vocês acompanham meus caminhos e de alguma forma se conectam comigo. Claro que na vida nem tudo é o que parece e sei que na internet a maioria adora mostrar que tudo são flores, mas nós sabemos que esse tipo de projeção e idealização não existe. Seja online ou não.

foto-joana-1

Meu jardim não é e nem nunca foi perfeito, está muito longe disso. No entanto ele é o meu jardim e mesmo imperfeito, sei que ele é o melhor lugar pra mim. Minha grama tem que ser o mais verde que ela puder ser, a do vizinho não pode importar. Por mais que as vezes seja difícil não se comparar, ou mesmo não sentir “inveja” de alguém ou alguma situação

Somos todos humanos e estamos aqui para aprender. Por isso, tento trabalhar minha humildade, quebrar minha arrogância e alimentar minha segurança para viver o melhor de todos os meus aprendizados. Para depois, de alguma forma trazê-los para o blog e poder ajudar algumas pessoas, mesmo que poucas, a se enxergarem com mais amorosidade e acolhimento, como eu vim fazendo comigo.

A verdade é que não foi muito simples ser a “Joana Cannabrava” nos últimos 3 anos. Foram muitos aprendizados, muitas quebras de expectativas e muitas oportunidades de reavaliação, de sonhos, de carreira, de planos e desejos.

Uma pessoa muito importante pra mim me disse que o real dia do seu nascimento é aquele em que você você lança um olhar inteligente sobre si mesmo. Foi isso que eu fiz naquele dia 18 de maio de 2015, quando as fichas da minha vida começaram a cair na Chapada Diamantina.

Em 5 dias eu mudei minha vida. Descobri que sabia muito pouco sobre mim e que queria de forma alucinada entrar em contato comigo mesma, com a minha essência, pra saber quem eu era de verdade. Quem era a Joana além do que todo mundo já sabia…

Foi ai que eu descobri que quase todos os meus sonhos não eram meus sonhos. Eles eram fruto do meio em que eu fui criada. Foi assim que precisei mudar tudo à minha volta e começar um processo intenso de autodescoberta.

Em maio saímos oficialmente do Fhits, eu terminei meu  namoro anterior e desisti da briga com a balança. Meu sono se foi, meus sonhos mudaram e eu deixei pra trás uma garota muito legal, mas que simplesmente já não me pertencia mais.

As pressões externas começaram com muita gente me dizendo que ser solteira aos quase 30 não seria fácil, que era uma loucura, que eu não tinha juízo. A verdade é que eu nunca tive tanto juízo antes. Muita gente associou minha mudança apenas à essa decisão, quando na verdade não foi bem por ai. Mudar dói, mas essa mudança foi necessária para que eu pudesse me descobrir e deixar antigas verdades de lado para construir novos caminhos.

Nunca me senti tão dona do meu corpo, do meu dinheiro, do meu nariz, da minha autoestima, das minhas curvas e vontades. Nunca aprendi tanto sobre mim e sobre os outros. Nunca pratiquei tanto desapego e apego ao mesmo tempo.

Minhas decisões aos 28 não foram as mais fáceis, mas elas me trouxeram aos 29, dos quais logo me despeço. Nesse meio tempo descobri que abrindo mão do luxo obrigatório me encontrei versátil, forte e nova. Foi na simplicidade de me descomplicar que encontrei a Joana que eu vinha procurando nos últimos anos.

Eu, que achava que vinha buscando uma religião ou uma prática de fé há mais de 10 anos, descobri que estava mesmo procurando a Joana. Sua essência, seus sonhos, sua verdade e seu processo de cura.

Foi na busca pelo autoconhecimento que se revelou a importância de uma autoestima melhor. Eu vi que precisava executar essa melhora em cima de uma rocha, firme e sólida. Para que nenhum vento derrube a estima que tenho, o respeito que tenho por mim mesma.

Pra mim vem sendo tão importante desconstruir os sonhos que absorvi no meio em que fui criada. Já não é fácil lidar com as nossas expectativas, imagina com a dos outros?Está sendo muito especial descobrir que posso ser quem eu quiser e que tá tudo bem. Não preciso atender expectativas externas ou mesmo absorver conceitos de terceiros se eu não quiser. Foi deixando de lado a necessidade de casar e ter filhos que aceitei que posso ter isso se assim eu desejar. Foi tentando gostar das pessoas que “pareciam certas” que eu descobri que o amor não é assim.Foi tentando desapegar de crenças religiosas que minha fé em Deus e no Universo ficou ainda maior, que minha capacidade de entrega para o processo cresceu. 

Pra mim foi preciso me desconstruir inteira para construir algo à altura do que eu sonhei antes do sistema me consumir. Foi me colocando vulnerável que permiti que a mágica entrasse na minha vida. Sem muros, sem prisões, sem anestesias, traumas ou medos. 

Hoje vejo que fiz certo em todas as vezes que deixei algo pra trás por achar que era pouco pra mim. Descobri que eu podia tudo, sem limites, para então compreender que eu queria menos. Eu não queria títulos, fama, dinheiro, o emprego perfeito, o marido rico ou uma casa em Miami. Eu quero tão mais, ao mesmo tempo tão menos.

Minha intuição estava certa: eu só queria viver o amor de forma plena. Construir algo que pode ser pequeno ou grande, durar pouco ou pra todo sempre, mas que pulsasse visceralidade nas minhas veias. E é isso que tenho pra começar meus 30 anos.

O melhor estava por vir, o melhor continua por vir.

Agora, a poucos dias dos meus 30 anos posso dizer que tenho pouco, mas tenho muito. Tenho muitos novos sonhos pra descobrir, planos pra executar e sou rica, muito rica, sob o ponto de vista do meu coração.

Estou construindo novos sonhos, novos planos, novas prioridades, aceitando um novo amor e cuidando daqueles que sempre serão importantes pra mim. Assim me pego contando os dias para mudar para minha 3ª década: com mais vontade, mais sentido e menos medo. 

A verdade é que nunca foi tão complicado, mas também nunca foi tão incrível ser eu mesma.

Beijos

banner-snap

Gostou? Você pode gostar também desses!

22 Comentários

  • RESPONDER
    Karol
    13.09.2016 às 12:06

    Jo, me emocionei com seu texto.

    Faço 30 tb no próximo dia 29 e vou te falar que tá brabo. É um misto de “não construí nada” com “tá todo mundo bem, menos eu”, que me faz querer pular pela janela (mas moro no segundo andar, então nem isso serve rs). Mas é aquilo: todo mundo quem?? Se tá ruim até pra Bel Pesce, imagina pra mim hahahaha

    Assim como você, também iniciei há dois anos um processo de mudança, mas que ainda tá longe de terminar. De alguém que planejava a viagem pensando nos outlets mais próximo, hoje me vejo com um armário de 2 portas e uma bolsa que só cabe o celular e o porta-cartão. Mas que orgulho que eu tenho do meu armário!!! De um salário bom e emprego bacana, me vi abrindo mão de tudo por um sonho e virando estudante de novo.

    Ainda não sei onde isso tudo vai me levar. Mas só tenho a opção de seguir tentando. E que venham os 30!!

    bjoo

    • RESPONDER
      Joana
      13.09.2016 às 12:38

      Também faço 30 anos no dia 29 de setembro! :)

      Acredito muito na mudança dos sonhos, mudei muita coisa, mudei no que acredito, mudei minha opinião sobre mudar e hoje, mesmo estando longe do ideal esperado pelos outros estou mais completa. Então, acho que temos mesmo que jogar a melhor energia nesses 30, muita coisa boa está por vir e enquanto isso temos que ser felizes durante o processo! :)

  • RESPONDER
    Fany
    13.09.2016 às 12:24

    Joana querida, amei o seu texto. Vc está no caminho certo, tenho certeza. Siga o que o seu coração te diz e com certeza vc ficara cada dia mais feliz. Bjs minha linda! Torço para que tudo dê certo e dará! Bjks, Fany

    • RESPONDER
      Joana
      13.09.2016 às 12:39

      Já está dando tudo certo! :)
      Obrigada por estar sempre aqui, esse é seu comentário 275 e eu só posso agradecer por estar sempre conosco, na torcida e no carinho.
      Muito muito muito obrigada Fany!

  • RESPONDER
    Livia
    13.09.2016 às 12:35

    Eu tenho quase 30 também e só agora “acordei” no sentido de que falta muito para eu saber quem eu realmente sou. Mas honestamente, nem sei por onde começar a pesquisar sobre mim mesma. Alguns questionamentos já começaram e com eles, uma crise interna gigantesca… Não sei dos 30 ou existencial mesmo. Mas fico feliz por pelo menos ter entendido que eu preciso me conhecer mais e entender o real sentido de algumas coisas.
    Jô, amei seu texto e sua eterna busca por evolução me motiva muito!
    Beijinhos http://www.UmPinguinho.com.br

    • RESPONDER
      Joana
      13.09.2016 às 12:42

      Oi Livia,
      Tudo bem?
      Me lembro de você, nos conhecemos no Zaza né?
      :)

      Tenta não entrar nos questionamentos existenciais comuns, busca descobrir quais são os seus vazios, suas angústias, o que te distancia da sua essência e assim invista seu tempo em se acolher, se amar, se respeitar, se conhecer.
      Acredito genuinamente que o autoconhecimento é o caminho para a autoestima, a autoestima por sua vez é o caminho para ter felicidade no meio da jornada e não só no fim da estrada.

      Fez sentido? hehehe

  • RESPONDER
    Aline
    13.09.2016 às 12:51

    Que texto mais lindão!
    Me identifico porque já passei por esse processo de mudança em um certo momento, que não faz muito tempo, e também tenho quase 30! O que importa é ser feliz, o que os outros vão pensar? Bem, isso é problema deles!

  • RESPONDER
    Camila
    13.09.2016 às 12:55

    Que lindo, Jô! É muito bom ler esse tipo de coisa e saber que tem gente por aí passando pelas mesmas desconstruções que a gente, e que tá tudo bem.

    Lembrei de um texto da Milly Lacombe publicado na TPM de que eu gosto muito: “A experiência de estar vivo é sofrida e envolve inúmeras perdas, mas a recompensa é ter coragem para mergulhar em si mesmo, enxergar os lugares mais feios e sombrios que existem dentro da gente e deixar que a criança amedrontada cresça e amadureça. Não é fácil, mas é importante. Morrer é doído, mas renascer é lindo, e essas viagens para dentro de nós mesmos começam com a morte da pessoa que fomos”

    A gente acaba descobrindo a felicidade no processo, né? Coisa boa saber como você tá bem. Um beijo.

    • RESPONDER
      Joana
      13.09.2016 às 14:29

      Nossa, adorei MESMO esse texto.
      Como queria conseguir dizer tanto escrevendo pouco, para o “azar” de vocês eu não consigo. Falo muito! rs
      :)

      Obrigada por compartilhar!

  • RESPONDER
    Joice
    13.09.2016 às 13:34

    …” Foi ai que eu descobri que quase todos os meus sonhos não eram meus sonhos. Eles eram fruto do meio em que eu fui criada.”
    Nunca comentei no blog, mas depois de ler esse texto sou obrigada hahaha amei muito, me sinto com sentimentos muitos parecidos, vou fazer 29 no próximo dia 25, mas já percebo desde o ano passado um processo de mudanças, de ver o que realmente importa, da busca do auto-conhecimento. Bom saber que isso acontece com outras pessoas também. Um abraço e seja muito feliz!

    • RESPONDER
      Joana
      13.09.2016 às 14:29

      Acho que com as librianas está acontecendo mais que o normal hehehe :)

  • RESPONDER
    Wal
    13.09.2016 às 13:43

    Eu vi tua carinha feliz no snap (e os olhos sorrindo que davam gosto) e fiquei contente demais.

    Coisa boa é ter coragem pra se descobrir e seguir o coração! :)

    Beijos

    • RESPONDER
      Joana
      13.09.2016 às 14:28

      Wal que coisa fofa pra se dizer, fico feliz que todas as fases do processo tenham ficado tão transparentes.
      Como disse, minha vida não é um conto de fadas, muito menos melhor do que a de ninguém, mas que eu to tentando viver o melhor de cada fase, sendo feliz com o que tenho de melhor, eu estou. <3
      Obrigada pelo carinho!

  • RESPONDER
    Bia
    13.09.2016 às 15:00

    Jô,

    Adoro demais ou seus textos!!! Também estou nessa fase de mudança e busca pelo autoconhecimento… Fiz 26 anos domingo agora. O meio em que nós vivemos impõe tanta coisa que hoje vejo que não me faz feliz! Também fiquei solteira recentemente, tudo isso porque acredito no amor! Prefiro estar sozinha do que viver um relacionamento fracassado onde a sociedade julga perfeito!

    Beijo Jô!
    Muitas e muitas felicidades!

  • RESPONDER
    Renata Ferreira
    13.09.2016 às 15:02

    Jo, impossível não comentar esse texto incrível… Como quem já passou dos 30, posso te assegurar que esse processo de “imersão” não termina com o apagar das velas… Como vc bem disse, “o melhor estava por vir, o melhor continua por vir”. Siga confiante nisso e o céu será o limite pra vc…Eu jamais trocaria meus 30 pelos meus 20.
    Bjos

  • RESPONDER
    Lyanna
    13.09.2016 às 15:39

    Joana eu dramatizei tanto quanto fiz 30. Na verdade eu digo isso hoje, mas na época foi um tanto quanto complicado. Mas hoje olho para a aquele menina de 30 e é isso o que eu vejo: uma menina grande! Eu não sei se a vida começa depois dos 40, mas que o mundo muda e você cresce incrivelmente depois dos 30, isso é fato. O processo de crescer pode ser às vezes meio doloroso, mas é uma experiência bem legal e acho que tudo é mais sereno ou descomplicado ou simplesmente melhor vivido. Bem vinda aos 30!!!

  • RESPONDER
    Maiara
    13.09.2016 às 15:49

    Como sempre, amei seu texto! É engraçado mas me sinto feliz com a sua felicidade!

    “Já não é fácil lidar com as nossas expectativas, imagina com a dos outros?” Muito bom saber separar que o que é do outro (expectativas, pressões, etc) é do outro e não nosso!

    Um beijo e seja feliz!

  • RESPONDER
    Renata
    15.09.2016 às 8:50

    Ai Jô!
    Texto lindão.
    Você merece tanto ser feliz!

  • RESPONDER
    Taty
    15.09.2016 às 10:44

    Jô… Você é um espelho para nós leitoras… Eu me identifico muito com os seus textos…
    Estou com 27 anos… Trabalho 7 anos na mesma empresa, ganho mais que o meu namorado… Mas não casei, não moro junto, não tenho filhos, não tenho pretensão de tê-los… Mas a sociedade , a família, e principalmente o meu namorado meio que exigem, colocam pressão para receber isso de mim… E eu estou bem feliz do jeito que sou… Sem compromisso, sem responsabilidades… È isso … Sejas feliz… Estarei aqui torcendo por você… Beijos.

  • RESPONDER
    HELOISE VIDAL
    15.09.2016 às 13:21

    Jô, que texto incrível!!
    Obrigada por partilhar sua vida nos altos e baixos, é importante saber que não estamos sozinhas!
    Faço 30 no próximo ano, mas sem dúvidas essa está sendo a melhor fase para mim, nunca havia me sentindo tão segura antes, acho que essa mudança de década trás isso.

  • RESPONDER
    Renata Castro
    20.09.2016 às 16:23

    Jô, amei esse texto!

    Tenho 25 anos e estou passando pelo mesmo processo que você. Minha ficha caiu quando consegui passar no concurso que, até então, era o sonho da minha vida! Me vi ”realizada”, mas muito infeliz! Com a terapia, estou descobrindo outra Renata, outros sonhos, outra vida! E, com certeza, o melhor está por vir! Para todas nós!

    Obrigada por compartilhar um pouco da sua vida e das suas experiências com a gente!

    Bjos

  • Deixe uma resposta