16 em Autoconhecimento no dia 08.08.2016

Eu cansei de me justificar!

Existem olhares de pena que se traduzidos falariam: meu Deus, o que aconteceu com você? Também poderia ser: nossa, ela era tão mais bonita loira, ele era tão melhor de cabelo curto. Como você pôde cortar aquele cabelo? Por que engordou tanto? Por que ele tirou a barba? Por que ela parou de alisar o cabelo? Nossa, como ela conseguiu chegar a isso? Por que ela terminou? Por que ela está sozinha? Por que ela fez isso com ela mesma? Quem já quebrou padrões sabe do que eu estou falando.

São tantas as variações possíveis de imposição de padrão de beleza e comportamento e são tantas críticas que quando você opta por quebrar essa expectativa, que haja coragem de sobra para encarar os olhares. 

frase1

Mesmo eu me achando sexy, feliz e bem resolvida com meu corpo fora dos padrões, tem hora que não é mole ser diferente. É difícil viver tendo que explicar, criar desculpas e se justificar por não ser como os outros querem ou esperam. Eu cansei. Cansei de mim, cansei dos outros. Por mais que eu escreva com frequência sobre a minha boa relação de aceitação com meu corpo, com minha autoestima, eu também tenho minhas questões delicadas e meus dias difíceis, nessas exceções moram as questões mais sensíveis.

A ditadura da beleza é tão punk que quando eu vejo estou me justificando pelo atraso em fazer a sobrancelha.  Quantas vezes eu me expliquei por estar sem tempo de fazer a raiz do meu cabelo? Várias. Quem está errada? Eu mesma. E sabem do pior? Também não me choco ao ouvir a amiga explicar que não pode ir para a praia comigo por não ter tido tempo para se depilar naquela semana. Deveria me chocar, mas não, isso não acontece. Somos todas reféns em algum grau.

Uma das coisas que eu mais odeio, mas ODEIO mesmo, é quando me pego me justificando do porquê eu engordei tantos quilos ou do porquê escolhi fazer algo diferente do que todo mundo espera. Fico com preguiça de mim. Fazendo uma autoanálise, percebi que como ninguém se salva de críticas – sejam ela veladas ou não – eu provavelmente enraizei em mim que preciso me justificar, já que eu peso mais do que deveria.

Engraçado que tudo isso ficou muito claro quando minha vida amorosa ganhou força, como se não bastasse eu ter que explicar porquê de ter engordado, ainda tenho que desenhar os motivos de eu fazer mais sucesso do que muita garota dentro dos padrões. Não tem justificativa que não a autoestima pro “meu mel” (como já me falaram), mas ninguém tem nada a ver com isso. Sou só mais um exemplo de que tudo é possível quando estamos de bem com a gente.

Quando me pego nesse ciclo vejo que eu sou tão vítima quando predadora, porque na hora que busco justificativas, ainda que de uma forma inconsciente, estou alimentando essa indústria da busca pelos padrões. Esses que em tantos casos custam a saúde (mental e/ou física) de tantas pessoas.

Não, eu não quero ter que explicar. Me achou “gordinha”? Ótimo, não posso fazer nada, você está no seu direto, já eu estou no meu de te desprezar por isso. Tá me achando “piriguete”? Ok, e o que achar isso de mim vai acrescentar na sua vida? Não entende porque eu, tão fora dos padrões, consigo ficar com todas as pessoas que eu gostaria? Bem, não sou eu quem vai tentar te fazer entender isso.

Se eu comer uma coisa bem engordativa e gostosa não quero colocar uma legenda de culpa ou escrever que “hoje pode”. Eu é que sei quando pode.  Se eu viajar de férias não quero ter vergonha de voltar mais cheinha e me explicar por isso. Não quero me justificar por ter resolvido dormir com alguém, só eu sei dos motivos que me levaram a ter vontade. É, eu cansei!

Que sociedade é essa que me faz ter tanto medo do julgamento? Se não for a balança vai ser o nariz, se não for o nariz vai ser o jeitão, se não for o jeitão vai ser um texto que um dia falou algo equivocado. Não existe unanimidade, não existe ser de um jeito específico para ser aceita. Não existe saída, ou você vive com uma máscara muito diferente de quem você realmente é, ou vai ser feliz e estar sujeita a críticas.

Muitas vezes a doença não está no outro, está na gente mesmo, que se preenche de preconceito quando vê uma menina magra com um cara gordinho. Pode ser qualquer coisa, um cara gostoso com uma menina cheinha, um loiro de olhos azuis com uma mulher negra, um cabelo cacheado que você acha ruim, ou qualquer outro tipo de preconceito visual existente. O julgamento é o começo do erro.

frase2

Só sei que eu não quero mais ter que enumerar motivos para ser como eu sou. Claro que muitas vezes explicações são válidas aqui no blog, elas criam pautas, contexto e nos aproximam, mas eu gosto quando isso acontece de forma natural, quando faz sentido para todos.

Já aprendi o segredo do sucesso há algum tempo: autoestima, autoconhecimento e autoaceitação. Se vivo e vibro tudo isso por que ainda me pego tendo que me explicar?

Eu quero “perder” meu tempo com quem me percebe além da casca. Magra ou não, quero passar meu tempo com pessoas que gostem do que eu sou, não do que eu mostro.

Mudar padrões é algo muito difícil, mas cá estou eu de novo dando a cara para tentar. Eu não quero ser como ninguém, eu só quero ser eu mesma, sem precisar ficar na defensiva por isso.

Beijos

banner-snap

Gostou? Você pode gostar também desses!

16 Comentários

  • RESPONDER
    Lethícia Spinelly
    08.08.2016 às 10:58

    Arrasooooooooooooooooooou !!!
    #apenas.

  • RESPONDER
    Maiara Borges
    08.08.2016 às 11:29

    Amei o texto! Muito bom problematizar sobre o assunto. Somos uma sociedade muito julgadora e me identifiquei muito com você sobre ter que ficar se justificando, ainda que mentalmente! É muito angustiante! Acho que pela sua exposição ser maior por conta do blog, vc deve sofrer por conta desse tipo de julgamento bem mais do que eu, mas na minha microrrealidade também passo por apuros! Nós, enquanto mulheres temos de nos ajudar a quebrar esse tipo de padrão! É um saco mesmo!
    Um beijo e parabéns pelo texto

  • RESPONDER
    Beatriz
    08.08.2016 às 11:50

    Jô, palmaaas! Que texto maravilhoso!
    Já me vi tantas vezes nesse dilema… Querendo me justificar por estar mais gordinha, falando que engordei mas que é porque tenho passado por momentos de ansiedade… Aí, depois que eu falo, eu percebo o quanto eu fui ridícula!
    Que a sua libertação inspire todas nós e que a gente aprenda a ajudar outras mulheres. Quando vierem se justificar pra gente, que saibamos dizer “não importa”, “tudo bem”, “você é ótima assim”.
    Beijos!

  • RESPONDER
    Vanessa
    08.08.2016 às 13:21

    É a primeira vez que comento…. Que texto ótimo!!!
    Acho que precisamos apertar o botão off da nossa cabeça para sairmos da rotina, das regras, do óbvio para V I V E R M O S – caixa alta msm na vida!
    Bjs e obrigada por compartilhar

  • RESPONDER
    Vitória Gonçalves
    08.08.2016 às 13:28

    Jo! Não tenho o costume de comentar aqui mas dessa vez não teve como: OBRIGADA! Texto lindo, que diz tanto sobre mim e com certeza sobre o sentimento de muita gente por ai que vive em função desses padrões monstruosos!
    Você é uma pessoa incrível, e leio seus textos como esse com um quentinho no coração!
    <3

  • RESPONDER
    eduarda
    08.08.2016 às 13:42

    Achei seu texto otimo… alias, acho vc muito boa para escrever sobre varias coisas que permeiam nossa subjetividade e concordo com vc totalmente que as pessoas so veem o que querem, massss queria fazer duas considerações: a primeira: se vc esta bem com vc e com suas escolhas, entao nao precisa se justificar escrevendo textos sobre isso… isso é uma decisao interna e ponto.
    Segundo: vc tem um blog de beleza… e acho que vc tem que corresponder a isso… Explico… é o mesmo que ser advogado e criminoso… é incoerente… uma coisa eh vc estar acima do seu peso (acho que peso nao é padrao de beleza e existem pessoas lindas com peso acima do estabelecido como padrao de beleza) mas outra é vc nao pintar o cabelo, nao fazer sobrancelha ( ser desleixo, entende?) Claro que vez ou outra isso é normal… mas se vc esta lidando com beleza, tem que pagar o preco disso. É um saco, mas tudo nessa vida tem onus e bonus, e nao querer arcar com o onus e colocar a culpa nos outros nem sempre é muito maduro…
    Se vc nao quer isso, entao arque com o onus de aguentar o olhar do outro.
    Enfim, tudo é uma questao de querer pagar o preço.
    Acho que quando resolvemos trabalhar com uma coisa, nossa postura tem que mudar com relacao àquilo… ex: se sou nutricionista, tenho que me alimentar bem… tenho que passar isso pro outro… e nao rola de me alimentar mal e falar… ahhh qq um ve o que quer… temos que pagar o preco de alimentar bem , porque eh isso que eu vendo pros outros, entendeu?
    Pode ser que eu tenha entendido errado seu texto… mas acho que tem coisas que temos que justificar para os outros isso.. eh um saco isso, mas eh verdade… #meupontodevista
    Espero que tenha me entendido… bjooo

    • RESPONDER
      Monique
      08.08.2016 às 14:59

      Eduarda, acho que o ponto deste texto é justamente nos mostrar e nos fazer pensar que muitas vezes nos obrigamos e ficar dentro de um padrão mesmo sem ser a nossa vontade no momento e, quando fugimos do padrão, buscamos nos justificar sobre isso como se estivéssemos cometendo algum absurdo.

      Eu discordo de você quando você fala que por ela trabalhar com beleza ela tem que estar sempre impecável e que deixar de fazer sobrancelha e/ou pintar cabelo é desleixo. Você já parou pra pensar esse sua visão de “desleixo” é justamente um padrão construído? Ou você acha que desde que o mundo é mundo as mulheres fazem sobrancelha e pintam cabelo? Claro que não. Você acha que é desleixo porque lá atrás construíram um padrão de que a mulher tem que estar sempre com o cabelo pintado, unha feita, maquiada, sobrancelha feita, depilada e mil outras coisas.

      Você já parou pra pensar que a vontade e visão dela podem ser diferentes da sua? Não é porque ela não fez a sobrancelha que o blog dela vai ser pior ou melhor. Além disso, o seu ponto de vista ainda é machista. Você exige que um profissional da moda homem esteja sempre com os cabelos brancos pintados ou você acha que homem grisalho não é desleixado?

      E pra finalizar, o ponto da discussão é tentar mudar essa visão das pessoas de que temos que justificar, é tentar nos fazer entender que o nosso padrão pode ser diferente do padrão do outro e que não cabe a ninguém tentar mudar o outro e/ou julgar aquilo que o outro é ou faz.

      beijos pras duas

    • RESPONDER
      Bruna
      22.08.2016 às 17:32

      Monique, concordo totalmente! <3

  • RESPONDER
    mari
    08.08.2016 às 18:50

    Risos… o mais legal são as discussões “virtuais”… uma querendo impor sua visão a opinião da outra,,,,rs rs rs.
    Gosto do blog futilidades pela sua “desconstrução”daquela imagem que muita blogueira passa, como “linda sem esforço”, onde o look do dia “real” é um tutorial de moda, é uma ilusão, fantasia, que por mais que discutamos aqui, a maioria gosta. A proposta aqui do blog é legal, é real e isso não é qualquer um que gosta. Se formos ver um blog desse tipo de blogueira comercial no IG tem mais de 3 milhões de seguidora(o)s, e os blogs “mais reais” muitas vezes não passa dos 100 mil.
    Acho bem legal a Jo levantar esse assunto já que existe ditadura da beleza sim, e parece que cada vez mais, mas não acho que isso vai mudar de imediato, talvez seja uma tarefa árdua para poucos tentar plantar a “semente”para um resultado a longo prazo, já que muitas vezes precisamos pensar a respeito, e a maioria não quer pensar muito, prefere seguir o que ditam… bjs

  • RESPONDER
    Alessandra Machado
    08.08.2016 às 19:45

    Nossa,adorei o texto,disse tudo que sempre quis falar,escutar e lê.Parabéns !!!!

  • RESPONDER
    Mônica
    08.08.2016 às 22:56

    A R R A S O U !

    Você não tem noção do quanto eu precisava ler isso hoje! Obrigada por ser um exemplo, por ser uma mulher real!

  • RESPONDER
    LUCIANA
    09.08.2016 às 13:02

    Chorei muito ao ler este texto, pois ultimamente tenho me justificado muito….parei para refletir….

  • RESPONDER
    LUCIANA
    09.08.2016 às 15:14

    Mandou bem, Jô, adorei o texto! Um beijão pra você e pra Carla.

  • RESPONDER
    Verônica
    21.08.2016 às 22:12

    Quero muito aprender a fazer isso… No dia em que eu conseguir, tenho certeza que serei bem mais feliz. Belo texto.

  • RESPONDER
    Letícia D. W.
    22.08.2016 às 9:46

    Jô, já sou sua fã desde pequeninha agora, hehehe. Conheci o blog hj, mas já vi que vai ser pra vida. Amei, me encontrei e concordei com cada palavra que você falou. Li umas 3 vezes pra mim seu segredo de sucesso (que agora não é mais segredo!rs) e é isso mesmo!!! Parabéns!

  • RESPONDER
    Bruna
    22.08.2016 às 17:31

    A senhora é mesmo destruidora, viu. Esse texto diz tudo o que eu sinto! Pode ser difícil dizer FODA-SE para os padrões e julgamento que nos rodeiam mas precisamos aprender que não somos obrigadas a nada.

    Meu cabelo está bagunçado? Unha não feita? Acima do peso que a sociedade espera de mim? FODA-SE, não me importo, não sou obrigada e não pedi sua opinião.

  • Deixe uma resposta