12 em Comportamento/ Reflexões/ Relacionamento no dia 03.05.2016

Relacionamento: e se você soubesse que é a última vez?

Quando o assunto é amor, paixão ou tesão sempre me pergunto se as pessoas sabem quando vai acontecer o último suspiro de cumplicidade. Se tem algo que aprendi no último ano – para não dizer em toda a minha vida – é que por mais racionais que nós sejamos, a gente nunca sabe quando vai ser a última vez que vamos expressar fisicamente o que sentimos por alguém, principalmente de forma natural e espontânea.

As vezes a gente até sabe que está em crise, que tem um problema para resolver, mas ninguém nunca vai te dizer que aquele vai ser seu último abraço. A verdade é que provavelmente faríamos tudo diferente se soubéssemos que aquela é a última chance de manifestar algo bom que sentimos pela outra pessoa.

frase-1

Me dei conta disso outro dia. Por mais que eu tenha certeza que não gostaria de mudar nenhum status de “fim” no meu currículo, talvez tivesse gostado de ter apreciado com carinho os últimos momentos das minhas relações mais importantes.

Minha última carta de amor foi sem saber que ela seria a última, todo último beijo que eu dei foi sem saber o que estava por vir. O último abraço, a última tarde de domingo junto, o último sexo ou mesmo a última vez que usei emojis de coração. Se eu soubesse que esse era o último pedaço do bolo teria dado mais valor, por mais que eu nunca mais quisesse repetir aquele sabor de recheio.

Acho que esse texto vai destoar da mensagem de desapego que venho trazendo aqui no blog, mas a verdade é todo mundo pode ficar meio nostálgico de vez em quando. Acho que nem precisamos estar sentindo saudade de ninguém pra que isso aconteça, as vezes só queria ter uma “última memória” mais especial, ou então menos ordinária de algo ou alguém.

Sempre que me despeço de uma viagem o faço de todo o coração, porque sei que é o fim de um tempo. Mesmo que eu volte, provavelmente não serei quem sou agora, o que me leva a um fim consciente. Com pessoas é mais difícil fazer isso.

Ontem, ao arrancar as páginas usadas de um caderno, dei de cara com o rascunho da última carta de despedida que escrevi, pior é que nem entreguei pois preferi resumir os tópicos em uma conversa. Me dei conta que no encontro anterior àquelas palavras de fim eu não tinha certeza do que estava por vir. Será que eu teria chegado mais cedo na casa dele? Será que teria aproveitado melhor o café da manhã que ele fez? Teria dado mais um abraço apertado? Teria guardado uma memória mais gostosa? Nunca vou saber.

Na minha vida sempre comi deixando o melhor pedaço para o final, mas na minha vida amorosa nunca foi assim. Não me arrependo de ter pulado fora das minhas histórias, muito menos me incomodo com as vezes que levei algum tipo de pé na bunda. Acho que todo fim aconteceu na hora certa, em todos os casos, nas mais diversas situações, mas queria ter a sensação de que me despedi à altura das pessoas mais importantes que cruzaram meu caminho.

Em 2008 tive uma grande paixão (dessas bem doidas, que não fazem o menor sentido). Ele me roubou um beijo em um dia aleatório durante um tempo que passei na Espanha. Lembro de tudo que passamos juntos, mas esqueci do maldito último beijo. Eu jurava que o tal último beijo havia acontecido em um outro dia, em outra ocasião. Lendo meu diário de viagem vi que o tal beijo foi roubado e eu nem me lembrava dele. Sem contexto, sem história, sem romance, sem música de fundo, sem nada que fizesse aquele episódio ser marcante de alguma forma. Queria que tivesse sido mágico, à altura de tudo que a gente havia vivido antes, mas não.

Não foi diferente com a minha maior história de amor. Não podia imaginar que aquele dia, um domingo como outro qualquer, ia ser nosso último momento como um casal. Se eu pudesse prever que depois dali nada mais faria mais sentido, acho que teria tirado a mala do carro com mais calma, teria dado um abraço mais longo e o beijo de despedida teria sido mais cinematográfico. A verdade é que foi o contrário disso, foi rápido, rotineiro e comum. Me despedi como quem ia viajar por 5 dias e já faz quase um ano. Quem diria que nosso último beijo seria correndo na porta de entrada do aeroporto do Galeão?

Quando me pego pensando sobre isso me vem a cabeça uma dúvida: se você soubesse que era o fim teria sido melhor? Ou pior? Será que não ficaria automaticamente mais difícil pular fora de uma relação com boas memórias recentes? Será que aquele clima de fim de festa, cheio de defeitos e bagunças não é uma alavanca para sairmos mais rápido do luto? Taí uma série de perguntas que nunca serão respondidas.

Acho que na verdade é melhor não sabermos que é o fim, por mais que isso implique em não guardar grandes momentos do final. Talvez tenha uma razão de ordem prática para a gente não saber quando será o nosso último suspiro. Deve ser a mesma razão que nos impede de saber que aquele é o último momento gostoso que antecede o triste fim de uma relação, seja ela qual for.

frase-2

A lição que eu tirei disso foi passar a escolher manifestar todo carinho pelos que amo aqui e agora, afinal não sei o dia de amanhãNão importa se aquela história vai durar 10 dias, um mês ou uma vida inteira. Vejo que tenho uma nova oportunidade de viver o presente de forma tão inteira, que não vai fazer diferença se foi a última ou a primeira vez. Daqui pra frente espero que seja assim.

A meu ver, agora só existe o hoje. Então espero que todo encontro e desencontro seja bom como se fosse o último. Ainda que seja o primeiro de todo o resto da minha vida.

Beijos

banner-snap

Gostou? Você pode gostar também desses!

12 Comentários

  • RESPONDER
    jo
    03.05.2016 às 17:36

    adoro suas estórias Jô, mas na minha humilde opinião, o blog esta’ quase virando um blog de estórias amorosas, das reais a irreais… gosto muito de vcs, mas sinto falta de informação de moda, estilo… essas coisas…

    bjs

    • RESPONDER
      Carla
      03.05.2016 às 17:52

      Oi, Jo! Sei que não sou a Jô, mas achei que deveria responder seu comentário, já que ultimamente eu que tenho ficado responsável por essa parte de moda/estilo. De fato deu uma diminuída mesmo e as vezes eu só consigo fazer 1 ou 2 posts na semana com esse tema e é algo que eu pretendo voltar, mas como eu to de mudança, bebê novinho e cheia de coisas para resolver, infelizmente não to conseguindo parar para pesquisar, saber das novidades, etc. Se vc quiser me ajudar com sugestões, eu vou agradecer muito porque eu também sinto falta de fazer esses posts! :)

    • RESPONDER
      Joana
      03.05.2016 às 18:34

      Jo,
      Eu me encontrei escrevendo esses posts e pelo fluxo de audiência eu diria que eles estão interessando, então é natural que os posts de relacionamento e crônicas apareçam mais.
      De toda forma tudo que me mandam de sugestão de comportamento (minha parte na equação) eu abraço. Então qualquer coisa relacionada a autoestima é mega bem vinda.
      No mais minhas dicas de viagem e produtos de beleza vão continuar uma vez por semana!
      A gente aceita qualquer sugestão, mas não vamos escrever sobre algo que não achemos tão interessante para manter o Mix.

      Se você olhar tiveram uns posts de feminismo, de Coaching, estamos tentando diversificar, mas pode deixar que estamos de olho. Esse tema não vai diminuir, mas vamos procurar trazer mais coisas.
      Porque é natural que nossas referências sejam de bebe e de solteiríce no momento! Hehehe

    • RESPONDER
      jo
      03.05.2016 às 23:05

      tranquilo Jo, entendo seu ponto de vista, foi só uma opinião como falei. Acho legal os posts de comportamento que agradam tanto e que se tornaram constantes e faz parte do perfil do blog e tb gosto de alguns relatos (tb estou solteira e claro que me identifico (não totalmente..hihi), mas acho um pouco “massante”, tenho passado “batido” quando vejo esses assuntos, acredito que pela constância de posts parecidos, mas como é um blog que gosto, acabei fazendo o comentário, me desculpa se pareceu “grosseiro”, não foi a intençao.

      Carla, sei que está com um bebe fofo para cuidar e de mudança, entendo seu “time”, e não foi uma reclamação (repito), mas sim uma simples opinião que me permiti passar para vcs….;), mas respondendo: acredito que alguns assuntos que interessam a maioria é o famoso look do dia (não precisa foto profissa não), mas é uma forma de identificação muito legal, comprinhas do mês (amo), recebidos, tendências que estão bombando (ex:flatform), lugar para comprar roupa bacana e preço bom, como se vestir (maioria nao sabe, precisa de direçao, haha) essas coisas que compartilhamos com quem gostamos, sabe? Blog fala de tudo, eu sei, mas falo que assuntos que vejo que “bombam”em sites por ai….Acho vc antenada, tem bom gosto, tem total “know how”para passar para essas informações para o blog…bjs

  • RESPONDER
    Ana Luíza Machado
    03.05.2016 às 17:54

    Adoro os seus textos, Jo! Obrigada especialmente por esse!
    Um beijo com carinho.

    • RESPONDER
      Joana
      03.05.2016 às 18:30

      Obrigada! :)
      To amando o feedback dos textos, eles muito me inspiram, junto com os e-mails e histórias!

  • RESPONDER
    paula
    04.05.2016 às 14:33

    Oi Jo
    Gosto dos seus textos…me lembram as cronicas da Carrie Bradshaw ;)

    • RESPONDER
      Joana
      04.05.2016 às 15:38

      Que elogio mais maravilhoso meu DEUS.

  • RESPONDER
    Carina
    04.05.2016 às 16:15

    Joana, eu to amando esses novos posts! Além de parecerem uma delícia de escrever, estão sendo uma delícia de ler! Acho muito importante a gente parar, se dar um tempo para refletir, e amo que você esteja trazendo um pouco mais desse seu pensamento pro blog. Nem só de dicas de moda vive um site voltado para o universo feminino. A gente também gosta de se conhecer, de conversar e principalmente contar casos de amor <3

  • RESPONDER
    Susana Yamaguchi
    07.05.2016 às 15:55

    Tbm to amando os novos textos, Jo! Acho que acaba criando uma identificação maior com as leitoras, afinal são sentimentos que permeiam todas nós. Esse texto foi simplesmente maravilhoso! Nem sei o que dizer…
    Eu adoro ver esse lado mais humano de vcs por aqui. Tanto nos seus textos quanto nos da Carla, como por exemplo quando ele escrevia sobre as expectativas, sensações e vivências da gravidez. Amava ler!
    Vcs são duas lindas e o blog é maravilhoso!
    Bjão!

  • RESPONDER
    Annina
    02.06.2016 às 16:24

    Jesus amado, que texto LINDO!

  • Deixe uma resposta