8 em Comportamento/ maternidade/ Reflexões no dia 24.03.2016

#babynofuti: a gravidez por uma não grávida (uma reflexão da Jô)

Eu nunca dei bola para os momentos mais romantizados “da vida de uma mulher”. A verdade é que eu sempre fui um paradoxo. Em parte clichê, em parte antagonismo. Nunca quis um casamento napoleônico, uma grande festa de 15 anos, um marido de cinema ou muitos filhos. No entanto, tenho o coração romântico de uma adolescente ansiosa por viver grandes amores.

Sabe príncipe no cavalo branco? Sonho com isso! Como conheço o mundo em que vivo faço muita terapia pra desconstruir esses sonhos estereotipados. (deu para sacar o paradoxo? Acho que sim).

Assim, que nunca tive absolutamente nenhum sonho de engravidar, me vi vivendo a experiência de estar perto de uma grávida. Não tão perto fisicamente quanto eu gostaria, mas perto através dos aplicativos da vida moderna, além de viagens e outras coisas que passamos juntas durante esses meses. Eu que fui uma das primeiras a saber acompanhei de tabela esse período.

Eu descobri que pouco sei sobre gravidez, que pouco sei sobre bebês e que corajosa é a mulher que escolhe viver isso. Sim, a meu ver é uma escolha. Também aprendi que se o pai estiver tão envolvido quanto a mãe, as coisas tendem a ser bem melhores, mais suaves talvez.

Por mais distante que toda essa experiência de gravidez pudesse parecer pra mim, ver a Carla lidando com isso foi uma super referência. Se um dia eu optar por esse caminho eu quero me lembrar de tudo que eu vi nela, dos aprendizados bons e talvez ruins.

O que eu, como amiga, vi de mais especial? A calma e tranquilidade com que ela TENTOU levar tudo. Evitando criar expectativas, super estimar dramas vividos por tantas outras mulheres e fugir das coisas horríveis que algumas pessoas falam para as grávidas.

Sou tão mais dramática do que ela. Não me imaginaria passando tão bem por tantas coisas naturais. Ela tentou levar todos os aspectos da sua vida com normalidade e isso foi o que eu mais admirei. A gravidez da Cá me fez acreditar naquela máxima: gravidez não é doença e cada um pode levar esse processo da forma que acha que deve. 

Nesse meio tempo, passamos uma semana na Europa. Apenas mais uma das diferentes viagens que ela fez durante a gestação e me vi preocupada com coisas que antes não passariam na minha cabeça. Ao mesmo tempo que eu queria que ela dormisse mais, não se cansasse tanto e coisas desse tipo, eu ficava impressionada com o quanto a vida dela seguia normal. Ela ia aprendendo a aceitar ajuda e as filas preferenciais e eu aprendendo que a gravidez não era o pesadelo que eu tinha em mente.

Tá, ao ler minha última frase vejo que não só não era o tipo de pessoa que romantizava a gravidez, como era do tipo que tinha pavor dela. Não só o medo de o corpo mudar, dos desejos piorarem (eu tenho desejos a vida toda, já que lido com a compulsão desde muito nova) e dos hormônios ficarem doidos. De uma forma geral, acho que eu tinha medo da mudança, medo de nunca mais ser a mesma pessoa, por dentro e por fora.

Por essas questões ver a gravidez da Carla foi tão importante pra mim. Tudo mudou na minha forma de ver. Ainda que durante nem tudo sejam flores, ainda que eu ache que os hormônios de nós duas caminhavam em direções opostas e ambas estavam meio impacientes (sorry amiga, sei que eu não estava fácil, mas você também não estava igual). Tudo foi aprendizado de tabela.

Arthur-e-Jo

Pessoas dizem que a melhor coisa é morar junto antes de casar, mas acho que incluo nessa lista a dica de que todo mundo tinha que acompanhar uma gravidez de perto antes de ter filhos. Pode ser tão elucidativo, vocês não têm ideia. Por tamanho aprendizado de minha parte, eu sempre incentivei que ela trouxesse essa naturalidade para os textos do #babynofuti, ainda que eles a tornassem diferente da maioria.

Algumas pessoas podem não ter entendido, afinal, a Carla não usou laçarotes em baixo do peito, 2o0 roupas de grávida, não fez ensaios fotográficos ou tirou fotos fazendo carinho na barriga todas as semanas. Ela não levantou a bandeira de qual parto era melhor (afinal, ela só queria o melhor para os dois, não importava a forma que ele viesse ao mundo!).Ela foi ela mesma, não cedeu a clichês ou pressões, ela tentou fazer tudo do jeitinho dela. Isso foi de se admirar, tem que ter personalidade para fugir do óbvio.

Em parte ela era “chata” por não aceitar ajuda, mas depois eu entendi. Ela aceitou quando se tornou necessário. Ela me pareceu apenas estar tentando manter a normalidade da sua vida. Depois que ele chegou, passei 24 horas com ela e o Bernardo quando o Arthur ainda não tinha nem 1 mês. De cara vi que a coisa não é mole, não mesmo. Achei bonito de se ver tal trabalho feito em equipe (mãe e pai juntos).

É engraçado fazer uma reflexão sobre esse momento estando de fora. Percebi que nunca romantizei a minha possível gravidez, mas romantizava a gravidez como um todo. Com essa experiência, passei a entender que cada um vê a vida como acha que deve, com as suas dificuldades e com seus ganhos. Não é porque todo mundo faz a coisa de um jeito que você tem que fazer também. Você só precisa ser você mesma, sempre.

De tudo que vivi nessa experiência de terceira pessoa, o fato mais curioso não diz tanto respeito à Carla. Não me sai da cabeça o sentimento mágico que senti na hora que o pequeno Arthur chegou no mundo. Eu não sabia que ao ver alguém que você ama tanto grávida você já passava a amar aquela nova vida instantaneamente.

Para minha surpresa – mesmo! – eu chorei muito quando ele nasceu. Eu, que nunca na vida sonhei com a maternidade e que nem estava na mesma cidade, soluçava com cada foto do parto. Com um vovô médico que estava na sala e foi me atualizando minuto a minuto, cada primeiro respiro foi um flash.

Não posso dizer que tudo isso me fez querer ser mãe, mas não posso dizer que não fez. Isso eu entrego para Deus , mas mexeu comigo. Era como se naquele segundo eu tivesse podido experimentar um pouquinho daquele sentimento mágico que é ver uma nova vida começar no mundo. Era tudo muito preenchido de amor.

A photo posted by futilidades (@futilidades) on

Chorei várias vezes naquele dia e eu vi que a vida tem muito mais a oferecer do que a gente pode planejar ou imaginar. Em todas as fases existem boas surpresas quando estamos abertas pra isso. Quem podia imaginar que eu experimentaria algo totalmente novo naquela noite? Eu não. Achava que receberia a notícia e ficaria feliz, mas foi tão além de tudo isso que me impressionei.

Esse é um texto egoísta, feito por alguém que viveu apenas a parte boa da coisa, mas que entendeu um pouco mais sobre amar o próximo a partir daquele dia. Talvez tenha quebrado paradigmas e “pré conceitos”.

Daquela sensação, me permiti ter a liberdade poética de imaginar a alegria que deve ser fazer uma grande festa de casamento para celebrar um grande amor, a satisfação que deve ser ter um filho saudável, a felicidade que deve dar fazê-lo feliz e outros “sonhos clichês” que inicialmente “não eram os meus”.

É sensacional ver que há magia em todos os tipos de sonhos. Eu vou seguir perseguindo os meus. Agora só vou parar mais vezes para admirar as realizações do outro. Por mais que os objetivos sejam diferentes, a mágica em viver pode ser igual.

Foi assim, nessa pegada tão reflexiva, que eu passei a achar a gravidez algo bem mais natural do que imaginava.

Beijos


( que na verdade é apenas mais uma tia babona)

Gostou? Você pode gostar também desses!

8 Comentários

  • RESPONDER
    Karla
    25.03.2016 às 9:31

    Meninas, amo a forma com que vocês escrevem sobre tudo! Da vida real às f-utilidades! Minha gravidez foi um susto (tinha acabado de me separar do pai do meu bebe, que era meu noivo), mas muito gostosa! Muito mesmo! Trabalhei até uma semana antes dele nascer e como a Carla só passei a aceitar ajuda quando precisei mesmo.. Detestava entrar em fila preferencial (tinha vergonha- hahaha).. Gravidez é um momento único na vida de uma mulher! Como você acha que é uma escolha, Jo, escolha alguma vez na sua vida se permitir viver esse momento! Você não irá se arrepender. Filho é realmente uma benção, não importa como publicando ele venha!

  • RESPONDER
    Renata
    25.03.2016 às 22:01

    Seu texto me fez lembrar do dia em que contei para Silvia (A Sil dos filmesdasil), que estava grávida do Gabriel. Eu vi no rosto dela primeiro a incompreensão (eu fui a primeira de nosso grupo a ficar grávida) com a notícia, como se eu estivesse falando outra língua, depois a felicidade pura e genuína de que ela seria a Tia Sissyl. Ela me deu “O que esperar quando.se está esperando”, pois sabia que a amante de livros aqui, ia querer a “Bíblia da gravidez”, a dedicatória para Jellybean, o apelido que ela criou antes de eu e meu marido escolher o nome do Gabriel. Todo aniversário dele ela lembra do sobrinho.postiço que ela ama muito. Entendo o que você está passando, pois vi isso no rosto dela e apesar da distância entre nós duas, ela em SP e eu no RJ, ela vai ser sempre a Tia Sissyl, que apóia o gosto do Gabriel pela Liga da Justiça, apesar da mãe ser uma Marvel geek! Fico feliz que outras crianças no mundo poderão contar com o amor é carinho das tias de coração.

    • RESPONDER
      Sil
      26.03.2016 às 1:56

      E eu tô aqui me debulhando em lágrimas agora! Você foi – e é – a primeira mãe “normal”, e nossa quanto coisa a gente passou juntas se pararmos para refletir, mas Rê você consegue ter um timing de preencher meu coração de amor em alguns dos momentos em que eu mais precisei, incluindo hoje mesmo quando tudo já acabou bem, ao dia que você levou o Gabriel para me conhecer pela primeira vez e fez não só o meu dia, mas como o dos meus pais. <3
      Me lembro daquele dia perto do Natal quando fiquei sabendo da sua gravidez e Erick teve que mandar que eu te desse parabéns para que eu saísse do meu estado de choque, risos, e depois de perceber as mudanças no seu corpo para acomodar o meu sobrinho. De ficar feliz porque ele era MEU "filho de lua de mel", (vá entender de alguma forma isso sempre me fez curtir mais tudo o que estava acontecendo, risos), de uma foto no meu aniversário onde sua barriga está linda e eu estou com um sorriso enorme segurando meu sobrinho. Porque não tenha essa de postiço, ele só não é de sangue, mas é MEU SOBRINHO. E sim, Tia Sissyl morre de saudade dessa família e fica louca quando viaja querendo comprar tudo (preciso jogar na Loteria) seja de Star Wars, seja da Marvel, seja da DC ;)
      E eu já me perdi no meio das palavras tamanha emoção! Mas espero que a Carla, a Jo e o Arthur tenham a mesma sorte de ter tanto amor quanto a gente! <3

      Beijão!

  • RESPONDER
    Alice Braga
    26.03.2016 às 8:38

    Que texto lindo Jo! Estou com uma filha de um ano e dois meses e super admirei o pé no chão da Carla durante a gravidez. Queria ter ficado grávida depois dela, porque as referencias que pegamos da gravidez são tão romantizadas que se fazemos diferente nos sentimos erradas. Eu não romantizei e acho que fui muito julgada por isto, só quem vive e está perto conhece as verdadeiras facetas da gravidez e maternidade. Desejo tudo de bom para vocês. Bjs

  • RESPONDER
    Amanda Gomes
    30.03.2016 às 14:40

    Jô, amei demais o texto!
    Quando a gente fica perto de uma gravidinha nos conseguimos entender melhor toda a responsabilidade que gora em torno da mãe. É lindo, mágico, um momento único na vida da mulher…
    Mil beijos

  • RESPONDER
    MARCELA
    31.03.2016 às 21:39

    Jo, achei incrível seu relato e muito sensível. Sempre que venho ao f-uti sou surpreendida pelas reflexões interessantes, com personalidade e tão cheias de carinho e amizade. Gostaria de ser mais próxima de vocês, me identifico muito. Um beijo grande! <3

  • RESPONDER
    Gisele
    08.04.2016 às 15:18

    Jô, estou grávida e chorei com seu texto! É tudo verdade! Os hormônios nos deixam loucas e as vezes você não se reconhece mais…tem que ter muita sensibilidade para lidar com as grávidas! E o amor instantâneo que você sentiu pelo Arthur por amar tanto a mãe dele: coisa linda! É assim mesmo! Beijinhos

    • RESPONDER
      Joana
      08.04.2016 às 15:32

      Que fofa!
      É um amor instantâneo mesmo, muito doido.
      Adorei seu comentário! :)

    Deixe uma resposta