9 em Comportamento/ Deu o Que Falar no dia 08.12.2014

Deu o que falar…

1- Você não é obrigada…

futilisNossa amiga Cony fez um texto muito corajoso que deu o que falar à nossa volta. Ela contou um pouco da geração de mulheres que não querem ter filhos. A verdade é que muita gente, principalmente mais velha, age como se toda mulher fosse obrigada a ter essa vontade de ser mãe. Aos olhos de alguns, a vida só teria sentido se essa etapa da vida fosse realizada, mas acabam esquecendo que toda mulher pode escolher ou não desejar esse passo.

Não existe obrigação no universo de ser mãe. A maternidade é o sonho de algumas mulheres e o pavor de outras, e isso precisa ser respeitado. Esse caminho é opcional – ok, as vezes acidental – mas é um direito individual. Claro que isso tem que ser alinhado com o namorado ou noivo, afinal, se o sonho da vida do cara for ser pai e o seu não for ser mãe, esse assunto precisará ser discutido.

Alinhar expectativas com seu parceiro é fundamental, no mais? Ninguém tem nada a ver com isso. Uma mulher não pode ser julgada por escolher um caminho diferente do padrão que a sociedade deseja, não é mesmo? Muito menos por seus familiares e amigos. Estamos em 2014 e vamos precisar superar isso, já sabemos que existem os mais variados tipos de família, e alguns não contem crianças.

Quem se interessou vale a pena ler o texto e seus mais de 550 comentários!

2- Pitty x Anitta

É impressionante, mas parece que quanto mais falamos de comportamentos machistas x ideais feministas, mais casos aparecem. Dessa vez foi durante o programa Altas Horas, onde as cantoras Anitta e Pitty entraram numa discussão ótima sobre o assunto.

Não sabemos se estamos muito influenciadas pelo discurso feminista, mas ficamos de queixo caído em ver logo ela, que tem tanto apelo com um público mais novo e várias músicas que falam exatamente o contrário, com esse tipo de discurso. De certa forma, isso só prova como ideias tão enraizadas podem sair sem a gente nem sentir, e é ótimo que a discussão aconteça para mudar esse quadro.

Só achamos que se você tem músicas como “show das poderosas”, é melhor realinhar seu discurso com aquilo que você canta, senão fica feio, né?

3 – Urach, o hidrogel e a imposição da sociedade

andressa-urach-caso-graveProvavelmente até quem não curte acessar o Ego ou ver programa de fofoca já deve estar sabendo do que aconteceu com Andressa Urach, né? A ex vice Miss Bumbum se submeteu a um procedimento totalmente irresponsável ao colocar nas coxas doses cavalares de hidrogel e outras substâncias há 5 anos. No começo desse ano, ela foi retirar o produto e teve complicações que se agravaram a ponto de levá-la para a UTI por causa de uma infecção.

Sempre que essas coisas acontecem, o debate costuma girar em torno dos profissionais (?) irresponsáveis que aceitam realizar esse tipo de procedimento, só que dessa vez, acabamos nos deparando com uma discussão muito mais interessante que foi levantada pela Ju Romano. Segundo ela, isso que aconteceu com Andressa acontece diariamente em variadas proporções com mulheres de todas as idades, por causa dos padrões cada vez mais difíceis de serem atingidos.

Não passou pela nossa cabeça essa reflexão, apesar dela parecer tão óbvia depois de ter sido escrita pela Ju. Um verdadeiro tapa na cara em quem quer se adequar a padrões tão irreais quanto o que vivemos hoje em dia. Vale a leitura!

4 – Ele realmente tem que pagar a conta? 

pagar-a-contaOutro post de blog amigo que deu o que falar essa semana foi do Starving. A Gabi jogou na web sua opinião sobre o homem ter a obrigação de pagar a conta, ela o fez de forma bem sucinta e super prática. A gente acha que vale ler e pensar um pouco sobre isso.

Eu, Jô, confesso que sempre dividi minhas coisas com namorado e quando não dividi, fiz algo que tornasse as coisas equivalentes. Nunca assumi uma postura de inferior, conosco muitas vezes quem está melhor ajuda mais. Ele já me levou para jantar em lugares incríveis e pagou a conta, eu já dei de presente passagem aérea para uma viagem nossa e em linhas gerais, a gente divide tudo. O que não acontece em datas especiais, nessas ocasiões ele me convida para jantar e paga a conta, por sua vez, eu aceito a gentileza pois sei que vou retribuir o carinho (e investimento) em outra situação. E acredito que esse nosso combinado vai continuar existindo mesmo depois de casados.

Hoje me vejo partidária do texto do Starving, mas acho o assunto polêmico. Eu me lembro que quando eu tinha uns 20 anos, saí com um menino no primeiro encontro e ele não pagou nem a pipoca e nem o cinema. Na hora eu achei aquilo estranho mas como sempre, ofereci de pagar. Minha estranheza não veio por achar que ele precisava me bancar, mas por achar que havia rolado uma falta de gentileza ou algo desse tipo (sei que talvez isso tenha sido um machismo meu). Eu tinha uma visão distorcida quanto à uma expectativa de cavalheirismo no primeiro encontro. A única coisa que eu sempre achei um absurdo é mulher que se faz de desentendida e nem propõe dividir uma conta.

E vocês, o que acham desse assunto?

Gostou? Você pode gostar também desses!

9 Comentários

  • RESPONDER
    Gabriela Ganem
    08.12.2014 às 20:55

    DQF sempre maravilhoso! Que honra estar aí na lista! <3 E shame on you Anitta!
    Obrigada amigas!
    Beijos,
    Gabi

  • RESPONDER
    Jessica
    08.12.2014 às 22:10

    Eu não tenho aquele desejo e sonho de ser mãe. Se for pra acontecer, vai acontecer. Mas eu tento adiar ao máximo essa ideia.. rs

  • RESPONDER
    Marcela
    08.12.2014 às 23:58

    Dois dos DQF sobre machismo e feminismo… Eu não sei até hoje da onde veio a ideia de queimar o sutiã é ter direitos iguais. Direitos iguais do que? A mulher agora tem a cobrança de ter um bom emprego, de cuidar dos filhos, da casa e do marido. Isso tudo, essa “independência” só deu mais trabalho pra mulherada. Os homens que foram espertos, nunca exigiram direitos iguais e continuam com q mesma e única cobrança que sempre tiveram: trabalhar e ter um bom trabalho.

    Na minha opinião, toda essa revolução feminista só deu mais trabalho para todas as mulheres desempenharem…

  • RESPONDER
    Rosana Rocco
    09.12.2014 às 0:12

    Temas polêmicos mesmo! No caso da Anitta, sinceramente acho muito dificil o cara ver a mulher na night pegando todos e não formar uma opinião sobre a mulher. Essa de achar q o cara não tem q achar nada é balela. Ele fará julgamento do que vê sim. Nós formamos opiniões o tempo todo é natural do ser humano. Td bem q no caso da Anitta ficou um tiquinho contraditório por vir dela o discursso, mas não achei de todo errado o q ela falou.
    Caso Urach: Essa neurose do culto ao corpo perfeito ainda vai levar mta gente a morte. Triste!

  • RESPONDER
    Beta
    09.12.2014 às 12:30

    Olha, vou tentar me expressar de forma simples e tentar expor meu pensamento sobre o caso Anitta machismo/feminismo.
    De certa forma eu concordo com o que ela falou. Difícil é entender pois o discurso dela, não condiz com a postura profissional da personagem Anitta (roupas/poses/danças). Então ela vende uma personagem com apelo sexual mas no fundo acha errada essa postura?
    EU acho errado homens e mulheres beijando 50 na noitada, se expondo sexualmente, bebendo de mais. Isso não deveria ser considerado nem machismo nem feminismo. Isso são atitudes vexatórias. E não é possível que as mulheres lutem para não serem julgadas por comportamento desse nível. Serão. Assim como os homens também são (de forma mais sutil, pois repetem esse comportamento há muito mais tempo).
    Acho que a luta da mulher já evoluiu muito, mas acho que os “direitos iguais” não devem ser pautados por situações de baixo nível moral. Isso sim é uma vergonha generalizada.

    • RESPONDER
      claudia
      10.12.2014 às 9:30

      Comenta aí!

  • RESPONDER
    Susana Yamaguchi
    09.12.2014 às 23:20

    Ai meninas!!! Ameeeeeiiiii esse DQF! Muito, muito bom! Todos os casos ligados ao feminismo e à liberdade da mulher!
    Muito legal ver esses temas por aqui!!!

    Concordo com vcs em tudo! Pra mim tudo que foi defendido está mais claro do que água cristalina.

    Sobre o caso da Anitta, me envergonha ver uma mulher que ao menos parecia defender o direito de homens e mulheres serem iguais e agirem da forma que bem entenderem, dar uma pisada na bola dessas!
    Graças a Deus estamos em 2015 e não precisamos mas nos moldar nem nos tolir em nome da moral e dos bons costumes. A questão que as pessoas precisam entender é que o corpo é propriedade de cada um e por isso cada um faz dele o que bem entender. Não cabe à A, B ou C julgar. Se vc acha certo pegar um só na noitada e só perder a virgindade depois do casamento, bom pra vc! Se vc quer pegar 100 na noitada e dar no primeiro encontro, bom pra vc tbm! Viva a liberdade!!!
    Além disso, a Anitta errou feio em dizer que nossos direitos já são iguais aos dos homens. Mulheres tem menores salários, mulheres são agredidas e morrem todos os dias por causa da violência de gênero. Pq os homens acham que têm algum tipo de direito, de poder sobre a mulher, como se ela fosse propriedade dele.
    Triste demais ver que muitas mulheres não conseguem se reconhecer como vítimas e reforçam ainda mais o machismo.

    Passando pro caso da Urach, muita pena dela e de todas nós mulheres que em maior ou menor escala acabamos sendo subjugadas por essa sociedade machista que insiste em dizer que mulher só é bonita se vestir P, se for gostosa, se andar de salto, se usar maquiagem… Triste de nós que desde pequenas aprendemos a não gostar dos nossos corpos do jeito que eles são naturalmente e a estar sempre em busca de algum tipo de perfeição.

    Acho que me empolguei aqui!! hehehehe. Só queria terminar com uma frase linda da Simone de Beauvoir, que eu acho que cabe pra todos os casos abordados no DQF dessa semana: “Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância.”

    Beijos meninas e parabéns pelo blog que é MARA!!!

    • RESPONDER
      Joana
      10.12.2014 às 9:48

      Amei sua contribuição, a frase e o elogio! <3
      Continue comentando please! <3

    • RESPONDER
      Roberta
      10.12.2014 às 12:39

      Adorei o comentário e ele define muito bem o meu posicionamento sobre os temas apresentados aqui. Parabéns meninas do blog e Susana!

    Deixe uma resposta