14 em Comportamento/ Deu o Que Falar no dia 14.04.2014

Deu o que falar…

1 –  Pensadora Valesca

Semana passada ficamos um pouco por fora do mundo, mas conseguimos pescar uma coisa ou outra! Como, por exemplo, o dia que Valesca Popozuda foi considerada pensadora contemporânea e sua música Beijinho no Ombro virou questão de prova de filosofia!

valesca

Muita gente criticou, fez questão de encher a boca para dizer que o ensino público estava falido (o que não é totalmente mentira, infelizmente), que era uma piada usar um funk como questão de prova e afins. Nossa opinião? Achamos o máximo! Estávamos ensaiando os argumentos para expor aqui no DQF até que vimos o post da própria Valesca Popozuda comentando sobre o assunto. E não poderíamos concordar mais!

Vamos falar de polêmica então? Pois é vocês já devem ter visto aquela questão de uma prova que caiu um pedacinho da minha música né? E dai que o professor ainda escreveu “Pensadora contemporânea “ hahaha acho que o que criou toda essa confusão é esse tal “Pensadora” que ele colocou hahah mas tudo bem vamos lá: todo mundo quer saber o que eu acho e eu vou dar minha opinião mesmo que ela não tenha grande efeito, EU ACHO UMA BOBAGEM ISSO TUDO, talvez se ele tivesse colocado um trecho de qualquer música de MPB ou até mesmo de qualquer outro gênero musical que não fosse o FUNK talvez não tivesse gerado tal problema sabia! Sim eu acredito nisso! E se a polemica é apenas por ser uma música de funk? E se fosse MPB ou uma música americana que tanto é valorizada por nós? Será que daria a mesma polemica? Hummm ai eu entro como pensadora contemporânea hahahah não por criar frases de efeito tipo “Bateu de frente é só tiro porrada e bomba” ou até mesmo “O meu sensor de periguete explodiu pega a sua inveja e vai pra…” sim mas talvez por questionar isso, mas me espanta mesmo é todo mundo se preocupar com uma única questão da prova sem analisar os termos por trás disso tudo ( E se o professor colocou a questão dentro do contexto da matéria? E se o professor quis ser irônico com o sucesso das músicas de hoje em dia? E se o professor quis apenas distrair a turma e fez a questão apenas pra brincar?) são muitas questões que somente o mesmo poderá responder , eu queria até saber o nome desse professor pra poder agradecer sabia! Eu fiquei foi bem honrada me senti duas vezes homenageada tanto pela pergunta quanto com o titulo de pensadora (Mas isso eu vou ter que recusar porque é um titulo muito forte e eu ainda não me sinto pronta pra isso hahaha) Diva, Diva sambista, Lacradora essas coisas eu já estou pronta ok mas PENSADORA CONTEMPORANEA ainda não ( mas prometo que vou trabalhar isso) então o que eu quero dizer é que o tempo que todo mundo gasta julgando eleo ofendendo por isso, deveríamos era nos unir e protestar sim pelo salário dela e dos outros professores, pelas condições que muitos dão aulas pelo Brasil, pelas escolas que as vezes nem quadro ou cadeira pro aluno sentar tem , por merendas que faltam, por várias questões que ninguém se preocupa, mas se preocupam com uma questão de uma prova que caiu um trecho de uma música de FUNK “Ó MEU DEUS” a música daquela tal POPOZUDA não pode cair na prova, ela é funkeira ó MEU DEUS aonde vamos parar… ou seja meus parabéns a corajoso professor que mesmo não ganhando muito bem é batalhador e corajoso demais pra chegar em casa e elaborar uma questão de uma prova colocando um dito popular do momento e sambando na cara de todo mundo que está o julgando por isso! Agora todo mundo virou juiz e Deus, o bom de todos é que todo mundo se sente capaz pra julgar e apontar os defeitos ou problemas dos outros né? É todo mundo perfeito o funk não presta e a Popozuda não pode ser pensadora contemporânea então vamos tacar pedra no professor porque o resto vai continuar da mesma forma… enfim.. é isso que eu penso é assim que eu vejo. UMA POLÊMICA GRANDE por algo pequeno! Beijos pra vcs! Vou ali ler um Machado de assis e ir treinando pra quem sabe um dia conseguir ser uma pensadora de elite!

Só não concordamos com a teoria de que quem vai ler Machado de Assis vai virar pensador contemporâneo (hahahaha, se fosse assim era fácil, né?), mas concordamos que foi muito burburinho por pouca coisa! Aliás, com certeza tudo aconteceu do jeito que o professor esperava que acontecesse, né?

2 – E a pesquisa do IPEA continua dando o que falar…

Lembram daquele DQF que fizemos falando sobre a pesquisa absurda do IPEA onde foi afirmado que 65% dos entrevistados concordavam com a frase: Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas.

Há 10 dias, o instituto de pesquisa divulgou uma errata dizendo que eles tinham trocado as respostas de duas questões e, que na verdade, apenas 26% concordavam com tal afirmação. Como o primeiro número recebeu muita atenção da mídia e das pessoas, confessamos que ficamos com medo dessa nova revelação ser encarada como normal – até porque não podemos esquecer que eles não mudaram uma outra porcentagem igualmente assustadora e que não recebeu tanta atenção assim: 58,5% dos entrevistados concordaram com a ideia de que se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros. (pra gente, essa afirmação é tão, se não mais, absurda quanto a primeira!)

Hoje, recebemos um e-mail contando de uma ação que o Instituto Maria da Penha está realizando que reacendeu nossas esperanças. Eles criaram um site onde lojistas podem baixar um material gráfico para expor em suas lojas com a #essamodatemqueacabar. Esse fim de semana já teve loja botando o adesivo na vitrine e nós adoramos ver que a discussão continua!

essamodatemqueacabar

Uma boa ideia, não acham?

3 – Acima dos 70, mas para todas as idades

Hoje a gente viu um post no blog da Carol, o Alfinetes de Morango, que resolvemos compartilhar. Não deu o que falar… Ainda! Porque potencial para isso a gente viu! rs

A websérie Costanza & Marilu é uma espécie de bate papo bem informal entre Costanza Pascolato e Marilu Beer, duas mulheres interessantíssimas, ambas com 74 anos, super diferentes entre si, mas que parecem se complementar tão bem.

1557619_1559112214313952_1844499677_n

Entre histórias, divagações e lembranças, a gente vai aprendendo, admirando e torcendo para chegarmos à idade delas do mesmo jeito!

Serão 15 capítulos que irão ao ar no canal do Youtube todas as 3as. e 5as, as 11h. Eles são bem curtinhos (até agora todos tiveram entre 5 e 7 minutos de duração) e, pelos 3 que estão no ar, já sabemos que vamos ficar com vontade de mais depois que o 15o. acabar.

Deem uma olhada no A de Agora, o que mais gostamos, e nos digam se não é o máximo!

Gostou? Você pode gostar também desses!

14 Comentários

  • RESPONDER
    Bia
    14.04.2014 às 16:08

    Acho q esse lerê todo aí da Valesca foi só uma artimanha do prof. para a galera não sair chutando a prova de múltipla escolha toda…
    ou para dar aquele tradicional meio ponto que todo mundo gosta!

    • RESPONDER
      Carla
      14.04.2014 às 16:19

      Mesmo assim, quem dera que as questões de meio ponto da época que eu fazia prova fossem desse jeito! rs

      Tava lendo agora, depois que botei o DQF que o professor fez isso por pura estratégia, porque queria provocar a mídia, mas achei que ficou com cara de resposta pronta pra parecer mais cult e revolucionário do que pode ter sido a ideia original! rs

      Beijos

  • RESPONDER
    Carol R.
    14.04.2014 às 18:58

    Ai que tudoooo ser citada aqui.. Obrigada, uma honra. Já estou fã de Costanza e Marilu.
    Vou fazer uma colcha de retalhos de coisas que gostei nessa série e fui me identificando com momentos que vive e aqueles que ainda nem vivi, mas fico projetando..
    Me questionei muito em como envelhecer, as escolhas que tomamos, o tempo que passa depressa, a alegria de se encontrar e se perder.
    Outra coisa, que me fez pensar foi minha eterna espera por acontecer algo e as coisas só acontecem quando a gente deixa o curso do rio seguir ser próprio fluxo.
    Lembro que a gente já conversou sobre o instagram de Costanza algumas vezes, e ouvindo essas entrevistas vejo como ele revela essa veia de humor(inteligente) que ela tem e eu não tinha entendido e associado as postagens do instagram.
    Emocionante essa lucidez e juventude dessas duas.
    Ah..não quero ter amigas “gêmeas” rs
    bjos e obrigada

  • RESPONDER
    Ramps
    14.04.2014 às 19:54

    Então, sobre a questão da Walesca li várias reportagens nesta semana. Não lembro exatamente onde (talvez a mesma que a Carla leu e citou aqui em cima), mas isso caiu em uma prova defilosofia, e parece ter sido tudo armado pelo professor. Queria mostrar o quanto a mídia valoriza ou “mau” e pouco valoriza o “bem”. Como exemplo citou que no mês anterior houve uma exposição de fotografias feitas pelos alunos da mesma escola, em que vários setores foram convidados mas ninguém apareceu e o eventou não foi noticiado. Em contrapartida, uma questão de prova sobre a funkeira ganha notícia no país inteiro. Achei o argumento válido e interessante.

  • RESPONDER
    Laura
    15.04.2014 às 9:34

    Genteeeee,
    Ameiii a resposta da Walesca para essa polêmica!! ahahahahahahahaha
    Não tem como negar que o professor usou um tema atual e do dia-a-dia dos alunos (visto que em todo lugar está tocando a musica e até quem não gosta de funk sabe cantar)…
    minha opinião: muito barulho por nada!!

    beijos

  • RESPONDER
    Marcia
    15.04.2014 às 11:40

    Este texto foi de uma prova de uma escola no DF e tenho certeza que o professor colocou este “pensadora” mesmo pra criar polêmica, chamar a atenção, já o texto publicado pela popozuda não acredito de jeito nenhum que tenha sido escrito por ela.

  • RESPONDER
    Juliana
    15.04.2014 às 13:55

    Sensacionais os vídeos da série Constanza & Marilu! :D

  • RESPONDER
    Wal
    15.04.2014 às 14:40

    Acho que essa é a coluna que mais gosto e que sempre me dá vontade de comentar. As opiniões de vocês são sempre lúcidas e de um bom tom que é difícil encontrar na blogosfera. Parabéns! Desde o princípio achei que a questão da pensadora era muito barulho por nada. Estratégia pensada? Pode ser, mas li a resposta de um dos alunos do professor, no qual o garoto deu uma verdadeira aula de filosofia, chegando a conclusão de que tudo deve ser analisado de acordo com o contexto, com a finalidade, que ter empatia deveria ser coisa de adulto… Creio que o professor deve estar muito orgulhoso! E para mim não importa de foi a Valeska ou não quem escreveu o texto, mas deve ser a opinião dela e eu concordo plenamente! O resultado da pesquisa continua sendo um absurdo e eu vou correndo ver os vídeos Constanza e Marilu! Beijos

    • RESPONDER
      Carla
      15.04.2014 às 16:08

      Depois conta o que achou dos videos!! Vale um bate papo! hahaha Beijoos

  • RESPONDER
    Fernanda
    15.04.2014 às 15:06

    Sempre visito o blog de vcs e algumas vezes me surpreendo com o conteúdo! Hoje resolvi comentar, mesmo tendo dito que não comentaria mais em blogs( nunca comentei o de vcs), pq a maioria não se importa com a opinião, mas com o número que vc representa! Bom, mas quero dizer que me sinto bem de verdade lendo o que vcs escrevem e da forma como escrevem! É inteligente, é divertido e informativo sem querer ser dona da verdade! Parabéns meninas! Sempre agrego algo com vcs…

    • RESPONDER
      Carla
      15.04.2014 às 16:09

      Poxa, Fernanda, que legal seu comentário! Ficamos super felizes quando lemos coisas desse tipo e nos importamos muito com a opinião das leitoras! Se você soubesse quanta troca já rolou e o quanto a gente já aprendeu apenas com esse espaço de mensagens, você participaria muito mais, tenho certeza! hehehe

      Beijos e muito obrigada!!

    • RESPONDER
      Joana
      15.04.2014 às 16:57

      Que maximo! <3

  • RESPONDER
    Pamella Machado
    16.04.2014 às 19:25

    Adorei ver que o blog de vocês falam de tudo um pouco. Gosto muito disso! Bom, eu sei que o texto é um pouco longo, mas acho que vale a pena ler, a resposta deste aluno do professor a quem tanto criticaram. Eu serei professora e procurei ver a prova inteira e vi que as outras questões eram de um nível bem elevado. Sei que muitos argumentos dele,são bem fundados, parecendo de nível superior, mas pela prova, acho que ele tem total capacidade para este argumento!Beijos!

    “Olá pessoal. Sou um dos alunos do CEM 03 de Taguatinga, onde a prova foi aplicada. E queria dizer que é extremamente divertido ver a reação do público controlado pela mídia. Pessoas abaixo dizendo que ele é um cretino, babaca, só tem o diploma na parede… Que “esse é o motivo da educação estar tão ruim”.

    Acontece que esta foi uma das 12 questões da prova bimestral de filosofia, onde o professor colocou esta questão (nº 11) por motivos que ele mesmo explicou na entrevista.

    Mas não é aí onde quero chegar, e sim no fato de que o público, controlado pela mídia, tende a ver somente o que é exposto e julgar indiscriminadamente sem antes avaliar a situação como um todo. Isso entra em um dos assuntos que nos foram explicados pelo professor recentemente, sobre Kohlberg. A matéria dada pelo professor Antônio tratava a respeito da Teoria do Desenvolvimento Moral. Eu não vou explicar isso aqui, pois se acham-se no direito de julgarem um professor de filosofia, creio eu que devem ter conhecimento a respeito do assunto. No entanto, um dos tópicos foi o dilema de Heinz, proposto por Kohlberg. Ele diz que Heinz estava com a esposa doente, e o remédio que a salvaria custava mil dólares. Como não podia comprá-lo do farmacêutico que detinha a fórmula, após esgotadas as tentativas de obtê-lo de modo honesto, roubou-o. Kohlberg pergunta se o marido fez bem ou não em ter roubado, e analisa as respostas dadas, indentificando o nível moral do entrevistado através destas. (texto retirado do livro Filosofando, ARRUDA, Maria Lúcia de; e MARTINS, Maria Helena Pires, com adaptações). O que acontece nesta situação é o mesmo. É possível “analisar” as diversas respostas do público em relação à questão da prova e identificar seus níveis morais. “Não devia ter colocado a questão na prova pois é um professor e isso é errado.” (nível convencional, terceiro estágio – pertencimento ao grupo). Quando suas respostas a isso, como adultos, deveriam estar no nível pós-convencional, destacando o conflito entre a ética profissional e o direito que cada pessoa tem de exercer a própria vida, ou no sexto estágio do nível pós-convencional. Mas, infelizmente, como diz Kohlberg, nem todos os adultos atingem este nível, devido à educação e vida que recebem, em condições diferentes.

    Se chegou a ler até aqui, gostaria de ressaltar apenas algumas informações importantes sobre o conteúdo da prova. As demais 9 questões da prova tratavam de ética, moral, valores, e níveis de moralidade. Caso tenham alguma dúvida, podem pedir à direção da escola para liberar o resto do conteúdo da prova. Estes conteúdos que citei acima, foram todos tratados e explicados em sala pelo professor, conteúdos que também estão presentes no livro que nos foi dado pela escola e no componente curricular da terceira série do Ensino Médio. Então, para aqueles que gostam de dizer que o professor é incompetente por causa de uma única questão e que não estamos aprendendo nada em sala, saibam que estamos sim aprendendo, e não somente um ou dois alunos, mas a grande maioria.

    E, para finalizar, posso dizer que apenas me sinto mal por vocês adultos que ainda se encontram no Estágio Intuitivo ou Simbólico de Piaget. Esse é aquele estágio em que a criança possui uma inteligência egocêntrica, sendo assim ela sente, pensa e age a partir de si mesma e não se coloca no lugar do outro. Digo isso porque, ao invés de avaliarem a situação corretamente, baseado em todo o contexto do ocorrido, simplesmente julgam o professor por sua questão sem avaliar o contexto todo, como se fossem perfeitos ou pudessem fazer melhor. Acontece que, olha só para o que estão fazendo: criticando, atrás de uma tela de computador, usando de argumentos incoerentes, palavras ofensivas e tudo o mais. Acham mesmo que pessoas nesse nível são capacitadas pra julgar a ética e moral dos outros?

    Obrigado pela atenção, e BEIJINHO NO OMBRO PRO RECALQUE PASSAR LONGE.”
    Gabriel Guilherme, 3º G #39 CEM 03 de Taguatinga.

    conversapraiaia.blogpost.com.br

    • RESPONDER
      Carla
      16.04.2014 às 19:36

      Pamella, fiquei sabendo que esse texto na realidade teve um super dedo do professor, que não tem facebook mas se juntou ao tal aluno para divulgar! Não tira o mérito da mensagem, mas achei legal mencionar! :)

    Deixe uma resposta