14 em Comportamento/ Reflexões no dia 23.01.2014

Desculpa, confundi!

Se você for uma pessoa mais extrovertida, que não se leva muito a sério, provavelmente não vai se ver nesse texto. Caso você seja uma pessoa mais tímida, vai concordar com a gente que não tem nada mais embaraçoso do que falar com um completo estranho achando que é alguém que você conhece.

Na verdade, há casos e casos na nossa escala de micos.

tumblr_mxh58ssv7e1ry46hlo1_400finjam que ela tá cutucando…esse gif é muito bom para não aparecer aqui! rs

Nosso grau 1 da escala de constrangimento é aquela situação onde você puxa ou cutuca alguém que está de costas para você e quando a pessoa vira, você vê que falou com a pessoa errada.  É um grau bem leve porque, afinal de contas, a pessoa está de costas. É mais fácil confundir mesmo. Claro que tem aquele segundinho que você leva um mini susto quando a pessoa vira e você percebe o engano, mas nada muito constrangedor.

anigif_enhanced-buzz-8396-1381862492-32

Logo em seguida vem o grau 2 da escala de micos, o tchauzinho para alguém que está atrás de você. Isso já aconteceu com a gente um milhão de vezes, e sempre é horrível! Sabe o que é pior? A(o) dona(o) do aceno nunca é alguém que conhecemos. É sempre uma figura que te deixa na dúvida se você já viu alguma vez na vida ou não. Sua intuição te diz que você não conhece, mas aquele aceno é tão verdadeiro que você acaba retribuindo. E é nessa hora que quem está atrás de você toma a sua frente e vem falar com quem acenou. O mico acaba sendo maior porque duas pessoas testemunharam seu engano e, provavelmente, você vai ser o primeiro assunto da conversa delas.

embarrassing_examples_of_people_in_totally_awkward_situations_19a pessoa vem toda fofa falar com você, e você não faz a mínima ideia de onde conhece…

tumblr_m8ewj92MTc1ru583b e por uma fração de segundo fica estampado na testa que você não lembra quem é…

Em 3o. lugar tem o encontro com alguém que te reconhece, vem falar contigo, mas você não lembra nem o nome, nem de onde você conhece. Tem gente que é mestre do disfarce e consegue levar isso numa boa apenas com perguntas genéricas que não deixam que ninguém desconfie que você não lembra de um detalhe da vida daquela criatura com memoria de elefante. Em compensação, tem gente que deixa estampado no meio da testa um “eu te conheço, não sei de onde, nem sei seu nome” (a Jô é MESTRA em deixar aparecer), pode ser com um olhar diferente ou então por causa todo duro na hora do abraço. Na verdade, essa situação só vai ser bem constrangedora se o jogo de cintura não estiver em dia. Há diversas maneiras de sair dessa sem morrer de vergonha.

Agora, o 4o. grau de mico é impossível não ficar muito sem graça. Você cruza com alguém que te parece familiar, fica olhando, olha mais, cria uma certeza que é aquela sua amiga que você não vê há um tempo, coloca o maior sorriso que você tem, aquele que vai de orelha a orelha, vai em direção a pessoa…

200

…..e recebe de volta um olhar meio estranho, meio com medo, achando que você pode ser uma psicopata ou algo do tipo.

CgLIoVl

E aí você percebe que se confundiu. Você pode dar a sorte e pegar alguém que encare isso numa boa, de forma engraçada e fique tudo por isso mesmo (mas algo fica na sua cabeça dizendo que você vai virar assunto em breve), mas também pode acontecer de cruzar com alguém que continue achando que você é maluca.

Se bem que a pior de todas as situações é quando a pessoa está com um grupo de amigos que testemunham toda a cena. Você dando aquele sorriso de “quanto tempo eu não te vejo que saudades!”, eles olhando pra sua “vítima” com cara de “você sabe quem é essa criatura sorrindo pra você”? , você se confundindo e virando piada imediata na roda de amigos. Você pode até se sair bem dessa situação, mas com certeza um pouquinho de vergonha vai rolar.

Quando falamos dos tombos por aqui, dissemos que o segredo do sucesso na queda era se levar na brincadeira, rir de tudo aqui, nesse caso não é tão diferente. Só é um pouco mais difícil já que tem mais um envolvido nessa gafe, não é apenas você rindo de você mesmo!

E aí? O que vocês fazem quando se encontram nessa situação?

E quando você é a “confundida”? O que vocês fazem para diminuir a vergonha da pessoa que se confundiu??

Gostou? Você pode gostar também desses!

14 Comentários

  • RESPONDER
    Priscila
    23.01.2014 às 17:31

    Nossa, eu sou mestre. A pior foi quando meu marido foi me buscar no trabalho. Desci as escadas e vi o carro dele parado. Abri a porta, sentei e depois vi que era o marido de uma colega. Ele nem me conhecia. Ficou branco com medo da esposa chegar e me ver dentro do carro dele e eu mega ultra super hiper sem graça. Pedi desculpas, falei que estava esperando o carro igual, e saí do carro rezando pro meu marido chegar logo e ele ver que não era mentira minha… rs

    • RESPONDER
      Mariana Borges
      23.01.2014 às 19:39

      Se serve de consolo, essa de carro é clássica, até porque a grande maioria das pessoas compra carro prata ou preto, no máximo vermelho. Daí para fazer confusão…

      Eu já sentei na mesa “errada” do restaurante self service. Graças a Deus, a pessoa estava só e era mulher. Mas pense num constrangimento…=P

      Gente, tenham piedade dos distraídos!

    • RESPONDER
      Ana
      24.01.2014 às 15:28

      Ai essas coisas acontecem, se a pessoa do carro/da mesa ficam te olhando com cara de choque mesmo depois vc ter explicado, elas é que são problemáticas. Gente tensa.

  • RESPONDER
    Silvia
    23.01.2014 às 19:50

    Eu sou a rainha de “Você não é a Silvia que estudou em tal lugar qdo tinha 4 anos com a Tia Tal?” E eu nem lembro da Tia! Uma vez já me reconheceram no hospital e a menina que era amiga da irmã mais velha do meu coleguinha que me reconheceu, e eu não fazia ideia de quem era a menina… Pior é que isso sempre vem acompanhado de um “Mas você tá com a mesma cara!” o que eu nunca sei se é um elogio ou não. Pq, OK toda mulher quer parecer jovem, mas ter cara de 4 anos de idade não é a minha!

    Eu sou do tipo assumido e falo logo “Desculpa mas minha memória anda uma droga, dá onde a gente se conhece mesmo?” Em compensação tb sou dessas que volta e meia cisma que conhece a pessoa de algum lugar – normalmente as pessoas tb falam isso para mim – e fico horas tentando descobrir

    Em compensação já pulei abraçando um amigo que estava de costas e quase lascando um beijo no pescoço dele e qdo o cara virou não era meu amigo… Pedi desculpas, falei que ele era igual ao meu amigo e dei tchau desejando uma boa tarde, fingindo que eu não queria me esconder debaixo da terra! Mas pelo menos tenho boa memória uma vez que eu “acho” a pessoa na minha cabeça, costumo lembrar das histórias.

    Beijos enormes!

  • RESPONDER
    Letícia
    23.01.2014 às 23:01

    Hahahah o primeiro gif é muito bom!
    (Mas gente, “caso você for”? Ouch ;)

    • RESPONDER
      Carla
      23.01.2014 às 23:04

      gente, que horror! é verdade! 500 olhadas no texto e não reparamos isso. Obrigada por avisar, já tá direitinho (né??)

    • RESPONDER
      Letícia
      26.01.2014 às 14:51

      Rs acontece mesmo! Mas sempre gosto que me avisem, por isso falei! :*

  • RESPONDER
    Nanda Nunes
    23.01.2014 às 23:33

    Nosssaaa sou Rainha nisso!
    Já entrei no carro e fiquei revirando minha bolsa pra achar o celular. Como o carro não andou, virei dizendo “ué! Vamborá, estamos atrasados!” Eu é que estava no carro errado, com a pessoa no volante me olhando com a pior cara de medo do mundo! HAHAHAHA
    E nomes? Nunca lembro! Eu vivo confundindo vcs com as meninas do Starving que tb são uma “dupla de dois”. Mico!!! Mas quando eu esqueço mesmo, o meu truque é perguntar o Nome da pessoa no instagram, no facebook, etc… Nunca aconteceu, mas imagina se me falam que o nome é “gatinha1985”? Aí fuuuu… deu! Não vou lembrar nunca! hahaha

  • RESPONDER
    Sissi
    24.01.2014 às 12:48

    Hahahaha ADOREI esse texto…

    às vezes me sinto total weird com esses nervosismos…

    pra mim, em potencial grau 1 de mico é vc encontrar uma pessoa que vc já conheceu superficialmente e não sabe se deve ou não dar oi… se for dar oi nem sabe o nome direito e fica com medo de ela não te reconhecer (e achar vc pisco como vcs disseram); se vc não for, periga parecer metida. e agora, josé?

    bjos, meninas!

    • RESPONDER
      Ana
      24.01.2014 às 15:25

      Quando é uma pessoa que eu gosto ou acho que é gente boa, eu dou um oi de leve, não pra pra conversar. Mas se não, finjo que não vi. Todo mundo faz isso, e já fizeram comigo tbm.

  • RESPONDER
    Ana
    24.01.2014 às 15:24

    Ontem mesmo na fila de desembarque do aviao uma pessoa na minha frente sorriu e acenou com a cabeça pra mim como se me conhecesse, ou pelo menos pareceu que era pra mim. Como nao reconheci não sorri de volta. Daí depois não sei se fiz certo pra evitar micos (vai que não era pra mim) ou se eu não me lembrei mesmo do sujeito e fiz ele ficar com cara de tacho…

  • RESPONDER
    Mari
    24.01.2014 às 16:23

    Achei este post hilário!!!
    Realmente é algo desconcertante! E acho que precisamos aprender a enfrentá-los vendo a graça disso na hora, e não só depois de acontecido.
    bjuss!!

  • RESPONDER
    gabi
    25.01.2014 às 19:11

    Eu sofro na hora de cumprimentar alguém. Como já morei em vários estados e cada um tem um cultura, eu sempre fico na dúvida de é um beijinho, dois ou três. Já dei muuuuuito beijo no ar!!!!
    Morro de vergonha!!

  • RESPONDER
    eve
    27.01.2014 às 10:09

    Eu sou muito boa nisso, já paguei micos enormes, sou muito distraida e esquecida. Já virei a cara para o meu pai que buzinava feito um louco para poder me dar caron ( eu estava no ponto de ónibus ). Já fiz o clássico do carro e mesa errados.
    Meu maior constrangimento foi quando eu estava recem operada e recebi uma visita em casa, e quem disse que eu lembrava da onde eu conhecia aquela pessoa superatenciosa. Ela chegou e a empregado deixou ela entrar e imagina minha cara de tacho de receber aquela pessoa pseudo-estranha. Ficamos meia hora conversando e eu tentando lembrar, eu suava e ficava cada momento mais tensa, com medo também de chegar alguém e eu ter que apresentar. Até que finalmente ela disse o nome dela quando contava uma história ( tipo alguém chamando por ela ), foi um alivio muito grande a aí finalmente a cabeça de vento lembrou quem era ela ( colega da escola ).
    Minha última é que estou com uma estagiária me acompanhando tem 1 mes e de repente esqueci o nome dela ( tem 1 semana ) e quem disse que me lembro, e para piorar eu tinha anotado seu telefone no meu celular só que esse se afogou e eu perdi todos os números e mensangens. Acho que vou pedir o facebook dela quem sabe assim eu descubro o nome. OU entáo rezar para que esse meu lapso temporário melhore até o próximo encontro.
    bjs

  • Deixe uma resposta