5 em Europa/ Trip tips/ tt/ Viagem no dia 14.09.2010

Trip Tips: Praga de mochila

Então esse é mais um post do meu mochilão (Jô) que rolou no início de 2008 e atualmente estamos relatando cada destino da viagem em um post semanal.

Nessa semana demorou para sair pois ontem teve show de posts novos então não entrou no ar na segunda como de costume!

Para quem tem curiosidade com o assunto nós contamos como se preparar para esse tipo de viagem por aqui e depois falamos de cidade em cidade!

A cidade de destino desse post é a capital da República Tcheca: Praga

A maior curiosidade que eu vejo com relação a Praga é a história. A cidade é um destino famoso dos turistas, e de todas as cidades com histórias semelhantes talvez seja a mais visitada.

A coleção passada da Eclectic foi baseada no leste Europeu e eles pediram que eu contasse minha experiência por lá… Quem leu já vai conhecer essa história, mas para quem não era leitora na época nem nossa e nem deles, pode conferir agora no (f)utilidades!

Quando chegamos em Praga éramos cinco mulheres, todas que estavam em Dublin no post passado do mochilão. Nossas cidades de origem eram bem diferentes, eu, Lica e Jucha do Rio de Janeiro, Izabel de Fortaleza e a Monica de São Paulo. Saímos de Dublin durante a noite e chegamos em Praga bem tarde (inclusive achamos que deve ter sido o maior voo que fizemos na Europa). Trocamos dinheiro no aeroporto e resolvemos comer no Mac Donald’s mesmo. Lá notamos algumas diferenças  dos outros países, os preços eram bem inferiores aos da Espanha, França e Irlanda.

Se eu já soubesse que um dos indicadores para saber do valor das coisas é verificar o preço do Big Mac eu teria anotado, mas como não sabia apenas notamos que era muito em conta.

Ficamos em um albergue/pensão de uma senhora Tcheca que se chamava Bell, ela era uma fofa, ficamos três noites e pagamos 9 euros por noite,  ou seja,  por 27 euros dormimos em Praga em  uma ótima localização. Por lá era tudo bem pequenino, mas limpo, com um computador na cozinha e um quarto só para nós 3 (no caso eu, Li e Ju).

Após a primeira noite de sono no albergue, tomamos o café da manhã na cozinha coletiva e conhecemos uma família de húngaros, que nos apresentaram um bolo de flores típico deles muito diferente mesmo. Este foi um daqueles momentos “aprendendo  a cultura alheia e ficando tensa com isso”!

Nesse nosso primeiro dia oficial apressamos o passo para chegar na hora certa no old town square e alcançar o  “free tour“.  Em  alguns países da Europa,  faz-se um tour, grátis e a pé, todo em inglês, com um grupo e um guia. Ao final do passeio, cada um paga o que pode. Para nós, esse tour foi FUNDAMENTAL, pois tivemos a oportunidade de conhecer muitos locais típicos, desde o bairro judeu, as estruturas bem antigas, as pontes e o castelo, assim como as igrejas e sempre aprendendo a história e o porque das coisas. Não sei se teria entendido tudo sem isso!

O passeio começou na famosa praça da prefeitura que eu citei antes, a Old Town Square. Ela é rodeada por igrejas e casas muito antigas, onde de fato ocorreram diversos acontecimentos importantes na história da região . O mais incrível é ler sobre as datas e perceber o quanto as estruturas podem ser antigas.


O Old town Hall,  a prefeitura antiga que foi construída em 1338 e ainda encontra-se ali muito bem conservada, tem um estilo gótico, e  é conhecida pela torre onde fica  o relógio astronômico instalado em 1410. Várias reformas foram feitas de lá para cá! Dizem que nesse relógio podemos ver a hora, o dia, o mês, posição da terra e da lua, sua fase e as estações do ano. O comentário que todos fazem por ali é:  “entenda, se for capaz!” (não fomos lá muito capazes! he) De lá fomos caminhando para conhecer  o bairro judeu.

Na verdade, com a guia pudemos entender a gravidade da situação que a República Tcheca tinha vivido há alguns anos atrás. Com o fim da primeira guerra mundial e a derrota do império Austro-Húngaro, os tchecos tiveram a independência de seu país, na época junto a Eslováquia, formando então a Tchecoslováquia em 1918.

Com o nazismo se espalhando pelo mundo os tchecos assistiram a mais um momento complicado; eles anexaram o país à Alemanha em 1939. Nessa época os judeus de Praga foram segregados.
Ao passear pelo bairro judeu aprendendo a respeito do que aconteceu por lá, nós todas fomos capazes de sentir algo diferente, é como se viajássemos no tempo e pudéssemos ver o que os judeus passaram na época. Ao caminhar pelas pequenas ruas e pelas sinagogas podíamos sentir esse algo diferente. Acho que foi ali que percebemos o tamanho da cultura que iríamos absorver em Praga.

Durante o passeio conhecemos um dos pontos turísticos mais importante da região, a ponte Charles Bridge, construída em 1357. Ficamos sabendo que  entre 1638 e 1928 foram anexadas estátuas e esculturas de santos nas suas laterais,  sendo que a mais famosa é a de São João.  Percebemos que todas as pessoas queriam  tocar a estátua, pois  ela é conhecida por dar sorte a quem a toca!

Após almoçarmos uma comida típica muito estranha, seguimos para o distrito do Castelo, que nada mais é  que um complexo de coisas; tem um palácio, igrejas, torres, museus, pátios, jardins e casas históricas. O distrito foi formado no século IX e a cidade continuou nos surpreendendo por ser MUITO antiga. E a Igreja que visitamos no distrito era bem interessante!

Ao  final  do passeio estávamos exaustas,  fazia muito frio, por volta de 0 graus. Mas estava rolando um momento imperdível na praça principal, uma exposição de gravuras do tcheco mais famoso na arte moderna: Alphons Mucha (Quem me chonhece sabe quanto eu amo o trabalho dele) um grande artista do Art Noveau, viveu em Paris e produziu  os principais cartazes de Sarah Bernhardt, uma super estrela dos palcos franceses na época.  Alphons Mucha retrava as mulheres e seus cabelos de uma maneira única e atemporal!  Se vocês não conhecem, eu diria “google it”.  Foi o máximo, nós todas amamos! Após essa aula de cultura, caminhamos de volta  ao albergue!

Acredite quem quiser, no caminho as 5 loucas passaram por uma lanchonete do século passado com muitos sorvetes coloridos e resolveram comer! Sim já era noite, a temperatura rondava os ZERO graus e as loucas resolveram TODAS entrar e tomar sorvete! Se não me engano, compramos macarrão e cozinhamos na cozinha do albergue, comemos e apagamos!

No outro dia,  tivemos nosso momento (f)utilidades na avenida principal “V Tunich”, onde havia  muitas lojas com achadinhos. Comprei uma sapatilha preta por um valor em coroas tchecas equivalente a 10 euros! Adorei, uso sempre e ela está firme e forte até hoje!

Tivemos  outro choque de história em Praga durante a visita ao museu do Comunismo, afinal Praga foi também parte da União Soviética. Este museu não parece um museu convencional, há salas com milhares de coisas arrumadas de maneira aleatória que conta a história da cidade na época do comunismo e sinceramente eu recomendo, não é fantástico como o museu do terror de Budapeste (essa história é assunto para daqui a duas semanas) mas é super importante para contar para nós uma história muito triste que ainda vive na memória daquelas pessoas.

Saindo de lá, comemos um cachorro quente na avenida V Tunich e fomos ver o pôr do sol lá da ponte. Esse entardecer na beira do rio rendeu mais de 100 fotos, imaginem como aproveitamos muito e com toda a calma que precisávamos!

Para nós, Praga, como cidade, seu povo, sua história é  realmente o  local ideal para inspiração, em diversos sentidos, inclusive para a moda. Ainda mais nesse momento  tão “vintage” no mundo das roupas e acessórios. Nós simplesmente  amamos tudo o que vimos! Super indicamos tudo isso!

Eu acho que a cidade tem seus defeitos, definitivamente não é o lugar mais perfeito do mundo, mas certamente eu acho que aprendi coisas muito únicas por la…

No fim do museu do comunismo eu assisti um vídeo (sim em VHS) em uma salinha que mostrava uma bagunça naquela avenida, militares lutando contra estudantes e eu fiquei muito tocada com aquela cena… Certamente passei a compreender melhor minhas aulas do colégio de história geral.

A próxima parada é VIENA na Áustria!

Dica de ouro para comer pela manhã?! Em Praga tem um café (“padaria”) que tem muitas guloseimas LINDAS e DELICIOSAS que não pode perder! É barato, tem em muitos locais pela cidade e se chama Paneria!!!!

Vale a pena conferir!

Beijos

Jo

Gostou? Você pode gostar também desses!

5 Comentários

  • RESPONDER
    Mariana
    14.09.2010 às 8:01

    Queria muiiiito conhecer Praga… Ta em um dos tops destinos da minha lista!
    O teu post so fez a cidade subir maissssss ainda no ranking! ahaha

    Bjsss

  • RESPONDER
    Mari Barros
    14.09.2010 às 10:00

    Só lugares lindos!
    Vou ficar acompanhado próximas noticias. rs
    ;*

  • RESPONDER
    Livia
    13.01.2011 às 1:29

    Penso em fazer um mochilao em dez 2011/ jan 2012 mas estou c medo por causa do frio. Vc acha q apesar do frio dah p aproveitar bastantão ou eh td meio parado no inverno???Queria agito tb e fico c medo do pessoal se recolher em ksa por causa do frio. O q vc fala???

  • RESPONDER
    Sandy
    22.03.2013 às 16:39

    Olá, adorei as dicas. Estarei fazendo um mochilão pela Europa, e Praga está no roteiro. Seria possível você passar o nome desse albergue que vcs ficaram? Tudo de bom!

    • RESPONDER
      Joana
      25.03.2013 às 10:00

      Sandy,
      Vou procurar pra você viu?
      Se achar hoje a noite coloco aqui, mas aviso que era coisa mto simples!

    Deixe uma resposta